Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

O saldo costuma sair às quintas, mas adiei para sexta dessa vez porque não teve Yurikuma Arashi, que normalmente é meu artigo de sexta no anime21. Se eu soubesse que a Lidy iria me surpreender com dois artigos de uma vez só (Kamisama Hajimemashita 2 episódio 6 e Kuroko no Basket 3 episódio 7, leiam, estão muito bons!) eu teria publicado o saldo na quinta mesmo, hehe. Essa semana ainda precisei tirar o atraso de Dog Days” e Binan Koukou que não consegui assistir na semana passada.

Aproveito para fazer propaganda de novo da fanpage do anime21 no Facebook. Por ela você fica sabendo dos artigos antes que eu republique na minha própria timeline ou em algum grupo, ou ainda evita ter que ficar entrando aqui para saber quando tem artigo novo. Não que eu me importe com essa última opção, quem sabe dando uma volta pelo blog, ainda que não encontre um artigo novo, se interesse em ler um dos mais de 180 já publicados, não é? Mas entre na fanpage e curta também! Tenho planos de fazer dela algo mais do que só divulgadora dos artigos do blog.

Mais uma semana de animes variando de excelente a péssimo, só que agora em ritmo de reta final da temporada. Os animes que se encerrarão essa temporada devem ter mais quatro ou cinco episódios, no máximo, estão já apontando em direção ao arco final. A bem da verdade, essa semana apenas Shinmai Maou e Cross Ange foram horríveis, todo o resto foi pelo menos razoável, o que torna a classificação mais difícil. Mas antes da lista em si, você já está pensando na próxima temporada? Eu já estou! Já há pelo menos 14 animes novos que eu irei assistir, aiai. Mas isso é papo para outro artigo que ainda não é hora de sair, então sem mais enrolações, veja abaixo a minha classificação dos episódios de animes da oitava semana da temporada de inverno de 2015!

Curta o anime21 no facebook:

21 – Shinmai Maou no Testament, episódio 8

Meh, nem o softporn desse episódio é bom.

20 – Cross Ange, episódio 20

Jill foi presa e destituída do cargo de capitã depois de tentar fugir e ir matar o Embryo sozinha. Eu acho ela uma pessoa horrível, mas se essa foi toda a acusação contra ela, acho que a pena foi um pouco exagerada. Não que isso signifique algo, pois mesmo uma Jill destituída de seu poder ainda teve poder para indicar a próxima capitã em seu lugar: Hilda. Que, sim, está apaixonada por Ange o suficiente para a cérebro de ervilha da Rosalie perceber. Ou talvez não esteja nem um pouco óbvio (elas quase nem interagiram afinal) e o enredo seja apenas ruim. E a Rosalie percebeu que embora ela antes achasse que estava protegendo a Chris (ela achava isso??) era ela quem precisava da Chris na verdade. Awww, que fofa! Enquanto isso a Ange sofre de, hmm, manipulação cerebral, suponho? Bom, Embryo pode não ter nascido deus, mas ele positivamente tem os poderes de um. Derrotá-lo é impossível, na minha opinião, com ou sem uma aeronave transformer com um sistema de som bacana quando vira super-saiyajin. A menos que Aura, o dragão, possua poderes semelhantes. Faria sentido, não faria? Ambos são tratados como deuses de seus mundos. Por enquanto Embryo está com a vantagem, com Aura capturado e aparentemente adormecido e tal. Mas se conseguirem libertar o venerável ancião, quem sabe. Oh, bem, escrevendo tanto assim até parece que foi um bom episódio, mas não se deixe enganar: tem tudo isso lá sim, mas o enredo é uma bagunça e faz bem pouco sentido, muita coisa é forçada ou tirada do rabo, fora os velhos vícios de Cross Ange que estão por toda parte.

19 – Dog Days”, episódios 7 e 8

No episódio 7 levam o coelhinho pra passear. Tédio. Já no episódio 8 Adelaide e Valerie contam a história de quando eles saíram pelo mundo derrotando demônios e estabeleceram a paz no mundo junto com a então rainha de Pastillage, Clarifier. Eu assistiria fácil um Dog Days 0 prequel contando as aventuras deles. É melhor do que tudo o que Dog Days já fez nas três temporadas, e é melhor que alguns animes da temporada.

18 – Koufuku Graffiti, episódio 8

Sem os defeitos de sempre, acho que a mensagem desse episódio foi “o que é feito com amor por uma pessoa querida é sempre bom”.

17 – Rolling?Girls, episódio 8

E as garotas ajudaram antigas amigas que estavam separadas por um mau entendido a reatarem, e no geral a série é divertida, os episódios são razoáveis, mas continuo sem entender nada.

16 – JoJo’s Bizarre Adventure – Stardust Crusaders, episódio 32

Polnareff virou alvo de um cara que gosta de bater em criancinhas e tem um stand que transforma adultos em criancinhas, isso é bem ruim. Mas como criancinha uma mulher bonita o pegou na rua e o levou para casa para cuidar dele, incluindo dar banho nele, e isso parece ser bom, então o resultado foi neutro?

15 – Shigatsu wa Kimi no Uso, episódio 19

Uma cirurgia para tratar uma doença degenerativa que tira a força muscular dos membros? Tudo bem, autores de mangá não são especialistas em medicina, mas eu também não sou e acho que isso não faz o menor sentido. Mas tá bom. A Kaori está melhor, quero dizer, a saúde dela piorou, ela não consegue mais andar agora, mas ela está mais motivada graças ao Kousei, e começou a fazer fisioterapia para tentar manter ou evitar perder tanto o tônus muscular. Como eu já disse na ocasião do episódio anterior, isso pode ser apenas o último brilho antes das luzes se apagarem para sempre. Não aposto nem que ela chegue até a apresentação com o Kousei. E começou a competição de piano. Sim, Takeshi, músicos só se expressam através da música. Assim como jogadores de futebol só conseguem se expressar dando uns dribles, atendentes de telemarketing só conseguem se expressar via telefone e com gerundismos, e açougueiros, bem, não recomendo que esteja perto de um quando ele resolver se expressar. Brincadeiras à parte, ignorando o tom presunçoso da escrita de KimiUso, achei a história do Takeshi a mais interessante até agora. Ele era só uma criança hiperativa que a mãe inscreveu em diversas atividades, entre elas o piano. Simples e faz bastante sentido. Muito melhor que criancinhas que começam a chorar e decidem ser pianistas ao ver o jovem Kousei tocando.

14 – Binan Koukou Chikyuu Bouei-bu Love!, episódios 7 e 8

O sétimo episódio foi engraçado de verdade, embora tenha sido à custa de piadas sobre a sexualidade dos protagonistas. O episódio oito foi o primeiro bom episódio, colocando uma questão real e um conflito real para ser resolvida com o “poder do amor”. Claro que é longe de ser satisfatório, mas eu gostei. A coisa que pega em Binan Koukou acho que é isso, ele tem potencial, parece até ter sido feito para ter uma grande história, mas se resume à piadas e clichês absolutamente sem graça episódio após episódio, além de uma oposição entre bem e mal que normalmente só se vê em desenhos infantis (e olhe lá). Claramente há uma história sólida, séria, entre o presidente do Conselho Estudantil Kinshiro e o Atsushi, mas o anime sequer começou a desenvolvê-la até agora. O Kinshiro é alguém com o coração fechado por conta de algo que aconteceu em seu passado, e até o porco-espinho que serve de mascote de sua organização maligna para dominação mundial é uma metáfora para isso. É como se tivessem pensado em fazer algo incrível no começo, juntaram todos os conceitos, e daí na hora de colocar no papel ficaram com preguiça e foram fazendo de qualquer jeito. É uma pena mesmo.

13 – Tokyo Ghoul ?A, episódio 8

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Mais um episódio onde tudo é muito conveniente. Conveniente demais para passar pelo minha suspensão de descrença. No mínimo houve um salto temporal implícito aí e não contaram um monte de coisas, como, por exemplo, toda a investigação que levou a CCG a descobrir que o Yoshimura era o Coruja. Tematicamente, esse episódio aborda a impossibilidade de humanos e ghouls coexistirem. Não necessariamente por ser naturalmente impossível, mas porque sempre há pessoas nos dois lados tornando essa convivência impossível.

12 – Kamisama Hajimemashita II, episódio 8

Jirou, o corvo líder interino, é um grosso, mal educado e idiota. E como parece não haver mulheres entre os corvos, eles ficam particularmente impressionados perto de uma ou simplesmente não sabem como reagir. Jirou reagiu de uma forma, hmm, interessada, eu acho – e mesmo assim ameaçou quebrar o braço dela. Isso me lembra vagamente do filme O Pêndulo e o Poço (1991), quando o padre inquisidor Torquemada se excita ao olhar para Maria e, por isso, a acusa de ser uma bruxa e corta fora a língua dela. É um bom filme. E esse episódio também foi bom, com mais cenas do Tomoe apaixonado mas se segurando e um plano inteligente da Nanami para se infiltrarem no dojo dos karasutengus procurar pelo antigo líder doente.

11 – Assassination Classroom, episódio 7

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Um episódio bem dentro da fórmula dessa vez. “Ensine algo importante para os alunos e os liberte”. A vida não é justa, podemos estar por baixo ou estar por cima independente de nossos méritos, e a turma 3-E sem dúvida está injustamente muito abaixo do que merece. Combater a injustiça causada por decisão deliberada dos homens é uma necessidade, mas a posição de injustiçado não dá a ninguém privilégios especiais. É possível cair ainda mais fundo dependendo da decisão que se toma.

10 – Durarara!!x2 Shou, episódio 8

Leia meu artigo sobre esse episódio.

E não é que o Izaya, aquele que o Mikado chamou de boa pessoa no episódio anterior, está atrás de tudo, só para variar? Nesse momento, a única coisa que não é responsabilidade direta ou indireta dele é a ordem de sequestro da Akane Awakusu. Ou seja, talvez os russos não sejam culpa dele. TALVEZ.

9 – Akatsuki no Yona, episódio 20

Todos se preparando para atacar a frota do vilão Kumji, o que naturalmente só acontecerá no próximo episódio. Como são traficantes de escravos, uma dificuldade citada é saber em qual navio estarão as mulheres. No começo do episódio disseram isso, e na hora eu pensei que a princesa seria ideal, seus dragões podem senti-la, afinal. Bom, eu quase acertei, realmente a princesa se ofereceu para isso mas nem pensaram em usar os poderes mediúnicos dos dragões, a ideia é lançar um sinalizador mesmo. Talvez não consigam identificar com clareza em qual navio ela está, no meio de vários? Ou talvez os poderes deles simplesmente variem de acordo com a conveniência de cada episódio. Apesar de tudo, achei que foi um episódio muito bom. Os personagens salvaram a história dessa vez.

8 – Yoru no Yatterman, episódio 8

Leopard e seus companheiros continuam sua jornada pelas terras devastadas levando esperança por onde quer que passem, mesmo que nada façam, mesmo que apenas com a sua presença. Duas coisas importantes nesse episódio: Leopard parece ter se apaixonado por Galina; ela tem só 9 anos então é um amor infantil, mas mesmo assim. E agora acho que está confirmado que Goro é o pai de Alouette, mas parece que ele não se lembra dela; lavagem cerebral?

7 – Aldnoah.Zero, episódio 20

Quando as forças marcianas atuam de forma orquestrada elas são mesmo imbatíveis, pelo visto. Apenas três robôs foram suficientes para derrotar três tropas terrestres e forçar sua retirada com pesados danos. Nem Inaho pôde fazer milagre aqui. Ele nem tentou, na verdade. Definitivamente gosto mais desse Inaho. Mas ele não fracassou em tudo nesse episódio: seu míssil teleguiado chegou à Asseylum. Ela se lembrou de tudo (ou de parte relevante) de quando esteve na Terra e agora Slaine está em apuros com ela. Se não tivesse mentido para a Lemrina, e realmente não sei porque ele mentiu (eu entendi errado o episódio anterior e achei que ele tivesse contado sobre o despertar de Asseylum), mas agora que ela está a um passo de descobrir a verdade quero ver o que Slaine fará. Ele pode fazer alguma coisa?

6 – Kiseijuu, episódio 20

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Foi um episódio de ação sim, mas superando minhas expectativas, não foi um episódio de ação comum. Com isso quero dizer: não foi um episódio de ação estilo battle shonen. Ao invés, foi ação estilo filme de terror de ação, o que combina muito com o clima da série, que é, afinal, de terror psicológico. Dito isso, não sei porque me surpreendi. É apenas o natural. Por algum motivo eu estava com expectativas baixas com Kiseijuu, preciso rever isso. Acho que é porque as lutas do Shinichi foram todas estilo battle shonen, e em sua maioria bem meia-bocas. Caso ele volte a lutar, o que é quase certeza, espero que consigam pelo menos manter o clima estabelecido nesse episódio.

5 – Garo: Honoo no Kokuin, episódio 20

Mais um episódio muito bom. O trauma da Octavia ou quaisquer outras razões que a movem são muito mais fortes e estão muito mais enterradas no fundo do coração dela, pois só assim se explica que ela tenha matado Laura e ainda assim culpe os Cavaleiros Makai por isso. E ela gostava da Laura e realmente pareceu abalada por ter que matá-la. Mas foi um plano perfeito para evitar ser descoberta caso estivessem na cola dela, muito bem pensado. Ela gostava de Laura, mas gosta muito mais de Mendoza e por ele foi até mesmo capaz de trair Laura dessa forma e sacrificar uma perna sua. E ainda culpa os Cavaleiros Makai! Não tem como eu não me interessar por ela. E Mendoza no fim das contas está no castelo ainda, escondido. Que raio de missão German recebeu? Também é algo forte o bastante para que ele enfrente seu próprio filho. É, pensando bem, esse episódio mais me confundiu do que qualquer outra coisa.

4 – Death Parade, episódio 8

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Como julgar assassinos? Um jeito fácil seria mandar os dois para o inferno direto. Mas um julgamento precisa ser feito, e está sendo feito. Memórias e emoções fortes arrastam o jogo e enquanto ele não terminar nenhum julgamento poderá ser feito. O pior é que os dois, aparentemente sem conexão nenhuma, talvez tenham seus crimes relacionados. Será que no fim o julgamento será fácil e os dois cairão no inferno?

3 – Sanzoku no Musume Ronja, episódio 21

Finalmente descobri a idade deles: 11 anos (talvez 10, depende do método de contagem, mas é por aí). Mas que episódio, isso não vai virar uma tragédia, vai? As crianças estão entre uma cachoeira alta e com pedras e uma revoada inteira de harpias caçando-as, as perspectivas são sinistras. Voltando à primeira metade do episódio, eles já estão há meses na floresta, se adaptaram rápido. Bom, eles já estavam acostumados à floresta. Crianças de 11 anos criadas na cidade hoje morreriam em menos de uma semana sozinhas na floresta, mas os dois foram preparados e já sabiam tudo o que precisavam sobre a floresta dentro da qual, afinal, já moravam e da qual aprenderam com suas famílias a tirarem seu sustento. As coisas andam tenebrosas no castelo, não só pela fuga das crianças mas porque anda difícil roubar, os guardas estão sempre de olho nas estradas. Um bandido de Mattis e dois de Borka já foram capturados. Lovis está acompanhando a filha de longe, e enviou pão, sal e o pedido para que volte para o castelo através de Lil-Klippen. Ronja recusou retornar, claro, e Birk continua temendo que Ronja prefira voltar, mais claro ainda. Parece que ela se fez entender dessa vez, contudo. Ah, e eles com certeza passarão o inverno ali agora, tenho certeza. Receberam sal, poderão salgar e conservar a carne, então será menos difícil, pelo menos comida nutritiva não deverá faltar.

2 – Junketsu no Maria, episódio 8

Leia meu artigo sobre esse episódio.

A câmera nervosa durante todo episódio funciona como um sinal de que a pressão acumulando está a ponto de explodir. Bernard age implacavelmente para isolar Maria, e faz isso aproveitando-se da animosidade contra ela que surgiu como resultado da intervenção desastrosa na última batalha. Cernuno parece revelar sua verdadeira intenção: como um poderoso representante de uma fé antiga e em esquecimento, ele quer a colaboração de Maria para … alguma coisa. A única certeza é que ele e outros seres míticos estão perdendo a força conforme a Igreja da Terra avança e substitui tudo por sua própria ideologia. Martha quase morreu, mas foi curada graças a um remédio fornecido pela Igreja, e o padre Bernard a constrange a se confessar diante de sua família e prometer nunca mais encontrar-se com Maria. Ann ainda gosta e quer acreditar em Maria, mas até ela fica em dúvida quando o padre a diz que Maria estava envenenando sua avó, e saber disso revolta Maria, que não sabe mais porque quer o fim da guerra e da doença e nem porque querem o mal dela por causa disso. Para isso, contudo, Ezequiel tem a resposta: ela é uma herege, será sempre a primeira a ser culpada por qualquer coisa, o que Bernard confirma em discurso que faz para aldeões. Ela está errada apenas por não estar com a Igreja da Terra, não por ser uma bruxa. Bernard não gosta de Maria e Ezequiel gosta muito dela, mas nesse particular os dois concordam. Qual a relação disso com a Igreja do Céu não permitir que ela use magia ostensivamente? Não sei. Enquanto isso, Galfa começa a planejar como violentar Maria e privar-lhe de seus poderes. E justo quando a relação entre Maria e Joseph parecia ter dado um passo. Episódio denso e tenso. Cada minuto foi importante para o que está por vir.

1 – Yurikuma Arashi, episódio 8

Leia meu artigo sobre esse episódio.

Wow, que episódio! Sério, falei tanto no artigo já que nem sei o que escrever aqui nesse espaço. Apenas o melhor da semana, garanto. Dá uma olhada no artigo onde eu explico tudo o que vi nele e que me fez achá-lo não apenas o melhor episódio de todos os animes da semana, como o melhor episódio de Yurikuma Arashi até agora.

  1. Comecei a temporada assistindo 7 e agora estou “só” com 4, espero que a próxima tenha uma safra melhor. Não sei como você consegue gostar de Yurikuma, eu tentei (juro que tentei) assistir, mas nunca consegui terminar um episódio. Ps: Sempre passo aqui antes de dormir pra conferir o que há de novo.

    • Fábio Mexicano Godoy

      Obrigado por voltar sempre!

      Agora, bom, se você está sempre lendo meus artigos deve saber que eu continuo acompanhando mesmo aquilo que eu não gosto. As vezes é difícil de aguentar mesmo, mas é muito raro eu dropar. Mas Yurikuma eu gosto mesmo, e gosto bastante, acho-o um dos melhores da temporada. Se você não conseguiu terminar sequer o primeiro episódio de Yurikuma, suponho que seu problema tenha sido mais com a estética do que com a história, que você nem havia começado a descobrir ainda. Não vou te culpar por isso, é algo muito diferente mesmo, e é difícil sair do lugar-comum, da zona de conforto, e nem acho que as pessoas sejam obrigadas a isso. Ao fim e ao cabo, anime é entretenimento, não é? Precisar se esforçar para se divertir não deve ser obrigatório. Mas eu recomendo que tente, pelas razões que detalho semanalmente nos artigos que escrevo sobre Yurikuma. É uma pena que animes com escolhas estéticas heterodoxas, mesmo que boas e com boas histórias, tenham pouco público por causa de algo assim, mas os produtores que investem em um anime assim sabem que esse é o preço que pagarão. Eu, que assisto cerca de 20 animes por temporada, acho extremamente refrescante a existência de animes esteticamente divergentes como Yurikuma Arashi, Aku no Hana e Ping Pong.

Comentários