Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Yurikuma pode ter um enredo confuso, não linear cheio de flashbacks que complementam a história na hora que eles são necessários, com simbolismo visual abundante que embora diga respeito à história, no mais das vezes serve de despiste e não de revelação, mas com a transformação de Kureha nesse último episódio eu percebi um padrão no desenvolvimento da forma como as três principais personagens mudaram sua maneira de amar. Todas eram no começo egoístas e por alguma razão se transformaram em altruístas. Lulu passou por esse processo no passado, Ginko passou por isso bem no meio do anime, e a Kureha completou sua jornada de transformação nesse último episódio. Achei isso tão notável que pensei “deve haver quem já tenha estudado isso antes, algo como a Jornada do Herói, só que para amantes, não para heróis”. Daí o título. Não encontrei exatamente o que eu esperava, ou encontrei mas foi muito pouco tempo para uma informação densa demais para eu conseguir usá-la agora (não se aprende física nuclear em um fim de semana), então vou apenas tecer minhas considerações em torno desse tema “Jornada do Amante”, sem no entanto desenvolvê-la de fato. Quem sabe um dia eu a desenvolva ou descubra uma teoria mais sólida do que ela.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Antes de começar, reafirmo aqui que a mensagem de fundo de Yurikuma Arashi é a liberdade dos excluídos, dos oprimidos, muito particularmente a liberdade de amar e mais particularmente ainda a liberdade feminina de amar e ser amada. Já tratei disso nos artigos de diversos episódios ao longo da temporada e não vou me repetir, mas para não parecer que subitamente abandonei essa minha hipótese a reafirmo aqui. Como esse último episódio não me fez mudar em nada no que eu penso sobre a grande mensagem do anime, dou-a por certa e vou aqui comentar sobre o episódio em si e sobre a estrutura narrativa usada para transmitir essa mensagem.

Retomando a linha do egoísmo versus altruísmo, que eu já havia desenvolvido aqui antes por ocasião da transformação da Ginko (episódio 5 e episódio 6). Começando por Lulu: ela era uma princesa mimada, acostumada a ser amada por todos e incapaz de amar alguém. Ela era tão egoísta que, por pura inveja e despeito, quando nasceu seu irmão mais novo Milun e o novo ursinho fatalmente roubou as atenções do reino e seus amores superficiais ela rejeitou completamente o amor verdadeiro que ele demonstrou por ela. Não é nem que ela não sentisse nada por ele, mas sim que ela o negasse de forma tão forte que não era capaz de enxergar que ela também o amava. Como consequência dessa cegueira e de seus atos contra o irmão, Milun morreu. Então ela percebeu seus verdadeiros sentimentos e a feiúra de seu egoísmo e se fechou para o mundo. Só seria salva pelo exemplo de obstinação de Ginko, que era, mais ou menos, parecida com Milun nesse aspecto.

Também Ginko estava disposta a tudo pelo seu amor, no caso, o amor de Kureha. Mas ela também começou egoísta e se forçou na vida da garota sem se preocupar com o que ela pudesse pensar. A sua história junto com Kureha quando crianças ameniza um pouco seus atos mas não os perdoa. A redenção de Ginko começa quando ela salta no meio de chamas para resgatar uma carta de Sumika para Kureha, passa pela rejeição dela à devorar Kureha no episódio anterior e termina nesse episódio, quando para tentar salvar Kureha ela nega seu amor pela garota.

Kureha é mais complicada, pois ela passou por essa jornada mais de uma vez. Quando criança conheceu Ginko e a amou, mas foi egoísta e para poder manter a ursa perto de si desejou que ela se tornasse humana à custa de suas próprias memórias, o que acabou a afastando de Ginko por muitos anos. Depois com Sumika (que é Kumaria! Ela é praticamente a Ursa-Jesus, que deu sua vida para salvar Kureha, ressuscitou e voltou do céu para guiar Kureha e Ginko para a Terra Prometida!) ela teria um relacionamento reticente, onde só a garota de óculos a amaria completamente desde o começo, tendo Kureha se permitido aproximar, tragicamente, devagar demais. Como Lulu, só depois da morte de Sumika que Kureha percebeu o quanto ela era importante, e fechou-se em seu próprio mundo – de acordo com os planos da diretora Yurika, aliás. Também como Lulu, ela foi salva por Ginko, mas diferente da ursa castanha, ela continuou reticente como sempre foi e sua jornada foi mais longa e dolorosa. Ainda bem que foi assim.

Veja bem, quando Ginko apareceu ela ainda era uma amante egoísta. Mesmo quando Kureha começou a aceitá-la, Ginko ainda estava em sua jornada para tornar-se altruísta. Se Kureha, ainda egoísta, houvesse aceitado a Ginko também egoísta nesse momento, a relação entre elas teria sido muito diferente e, talvez, mais trágica do que no passado. Elas ainda não estavam prontas para espatifarem seus próprios “Eus” em nome do amor pela outra. Apenas quando ela recuperou as memórias, e ela só terminou de recuperá-las quando Ginko terminou sua própria transformação, é que Kureha percebeu seu próprio egoísmo no passado e foi capaz de abrir mão dele no presente. Agora Kureha não queria mais que Ginko se transformasse em humana, ela só queria estar com Ginko. E se era ela quem precisava tomar essa decisão, bom, então a lógica é que ela se transformasse em uma ursa. Assim foi feito.

Esse é o fim da jornada para Ginko e Kureha, mas não para tantas outras garotas no mundo da lua ou no mundo da floresta. O determinação e o altruísmo de Kureha foram tão grandes que serviram não só para que pudesse finalmente trocar o beijo prometido com Ginko, mas como inspiração para todas as que viram sua história se desenrolar diante de seus olhos. O mundo começou a mudar assim. Um pouquinho. Porque uma ursa e uma humana tiveram coragem de se amar sem deixar que a sociedade ou seu próprio ego atrapalhem.

Comentários