Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

O episódio começa com os flashbacks do protagonista, Yuichiro Hyakuya (quem eu juro que é uma versão mal acabada do Lelouch Lamperouge, de Code Geass); pelos últimos 4 anos ele tem sido atormentado por pesadelos onde ele revive a morte de seus amigos, naquela fatídica noite onde todos nós sabíamos que tudo estava caminhando bem demais pra ser verdade. É noite e ele caminha pelos escombros de Tóquio, absorto em seus pensamentos, pagando de lobo solitário em pesar quando um demônio-centauro-alado surge destruindo um prédio inteiro com sua corpulência monstruosa!

Mas Lelouch Hyakuya-kun não é homem de fugir à luta! Fazendo pose de cool e usando sua katana, ele destroça o monstro em poucos golpes, roubando o frag ignorando o fato de que aquele era o trabalho de dois soldados que já estavam engajando o monstro. Sua sede de vingança pelo que os vampiros fizeram à sua família é toda a sua razão de lutar e ele acredita piamente que isso é o bastante para se tornar um soldado do Exército Demoníaco Imperial Japonês, por quem ele foi resgatado logo depois do jogo do vampiro pederasta Ferid. Felizmente, existe algum bom senso no Tenente Coronel Guren e o rapaz é suspenso após a sua interferência no trabalho alheio, por ainda não ser um membro oficial do exército.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!



E agora chegamos em uma das minhas partes favoritas do segundo episódio, a escola.
Porque estamos vivendo num mundo pós-apocalíptico com vampiros que desejam nos criar como gado, demônios no nosso pescoço destruindo nossas cidades, nossa população mundial foi reduzida à um DÉCIMO do que era antes, mas o sistema de ensino não muda nada, assim como a rotina que as pessoas normais levam. How cool is that, huh? Hyakuya-kun acha a escola uma perda de tempo, naturalmente, e só sabe reclamar, como o menino mimado e burro focado que é, que ele deveria estar lá, no exército, se preparando para matar vampiros e tal. Tão ultrajado com sua suspensão e sua rotina ordinária que ele resmunga alto consigo mesmo, interrompendo a aula diversas vezes. Eis o espírito altruísta que vai salvar o mundo, yay!

Antes que o professor surte ainda mais com sua insolência (ele fica feliz ao ser ameaçado de supensão na escola!) a menina sentada atrás de Hyakuya chama a sua atenção, revelando-se uma monitora comportamental do exército, designada para avaliar o garoto. Ela consegue que ele se aquiete e assista a aula até o fim na base de ameaças sobre sansões contra ele no exército e é bem categórica: Tenente-Coronel Mustang Guren só vai revogar sua suspensão se ele conseguir fazer um amigo.

É isso senhoras e senhores, vamos passar o resto do anime com o protagonista suspenso e fora do exército.

Shinoa, sua monitora comportamental, passa a acompanhá-lo pela escola, zombando da inabilidade social de Hyakuya e sobre como ele era um bebê chorão por evitar as outras pessoas com medo de perdê-los outra vez. Eles estão à caminho da saída da escola quando presenciam uma cena clássica:  um garoto gentil e de voz doce sofrendo bullying na mão (ou pés) de três valentões da escola. Hyakuya decide se omitir e Shinoa observa que aquele era um comportamento pouco dignificante para um soldado e, como esperado, Hyakuya intervém, pretendendo sair na porrada contra os três alunos (e sendo impedido por Shinoa, já que militares não podem sair por aí socando civis, mesmo quando eles são valentões, mesmo quando eles te socam também). Hyakuya e Yoichi acabam tendo que comprar lanches e bebidas para os valentões e o garoto gentil desculpa-se com seu pretenso salvador por todo o caminho de volta à escola, revelando o motivo de querer se aproximar dos garotos: um deles é membro do exército e Yoichi teve sua candidatura negada. Ele tem esperanças de poder ser indicado pelo valentão, para assim cumprir seu objetivo: vingar a irmã que morreu para salvá-lo de vampiros, anos antes. Hyakuya faz troça do menino: “O quê? Entrar pro exército pra vingar sua irmã é tão anos 90”, para surpresa de Shinoa e de Yoichi. E antes que alguém possa dizer algo, uma explosão acontece na escola.

Essa é a minha segunda parte favorita desse episódio.
Existe um instituto de pesquisa militar perto da escola. E eles tem vampiros lá!
Suuuuuuper seguro hein?

Hyakuya, como o bom protagonista burro valente que é, corre para a escola contra o fluxo de alunos sendo evacuados para derrotar o vampiro fugitivo. Se ele puder provar seu valor num combate real, talvez o exército o aceite, certo? Um grito o leva até uma sala de aula, onde uma vampira versão mal acabada da Moka Akashyia está se alimentando de uma aluna. O valentão milico do Yoichi está lá e – surpresa – ele não é militar coisíssima nenhuma, ele só mentiu pra ser cool. Isso deixa Hyakuya sozinho no x1 contra a vampira e dois civis nas costas pra salvar o couro. Ele luta bem contra a vampira fracota e quando ela ameaça a aluna desacordada novamente, Yoichi bravamente surge do nada e se lança contra ela, abrindo uma brecha para Hyakuya. Ele e a vampira terminam atravessando a janela da sala de aula e caindo alguns metros de altura através de uma árvore e ela finalmente é derrotada por Guren, que tinha acabado de chegar com o Esquadrão da Lua Demoníaca (tantantaaaaaan). Yoichi fica tão feliz ao ver Hyakuya bem e vivo que se joga sobre ele, num abraço (Alerta: Boys Love Detected), nocauteando o rapaz sem querer. Mais tarde, na enfermaria, Shinoa lhes informa que AMBOS foram aceitos no exército.

Hyakuya encerra o episódio num sonho com sua família do orfanato, com eles lhe dizendo que finalmente podem descansar tranquilos agora que ele não está mais sozinho.

Já o terceiro episódio começa com nosso trio de infames valentões em frente à uma porta confeitada com amuletinhos típicos japoneses (aqueles de exorcismo, manja?) Na verdade talvez seja certo dizer que tinha uma porta nos amuletinhos, não o contrário. Enfim, portas à parte, os garotos parecem amedrontados com aquele local e apenas um deles, Yuji, permanece lá quando a porta abre sozinha de maneira mais do que sinistra.
Segura essa ideia.

Hyakuya ganha uma fã: a mocinha que ele salvou no dia anterior lhe dá uma carta, confessando seus sentimentoe e vai embora correndo antes que ele possa recusar algo. Shinoa zomba de Hyakuya e sua inexperiência em relacionamentos e faz uma linda ode à procriação humana, para total vergonha alheia. Seu amigo, porém, parece mais interessado em reclamar sobre sua permanência na escola, agora que ele foi aceito no exército de verdadinha e questiona sobre a demora em Guren e lhe dar a chance de fatiar alguns sugadores de sangue. Shinoa lhe explica que seu treinamento para atuar no Esquadrão da Lua Demoníaca já começou e que ele precisa, antes de caçar vampiros, de uma arma amaldiçoada obtida através de um contrato com um demônio. Super cool, huh? Hyakuya, numa grande exibição de sensatez, ameaça roubar a arma de Shinoa, ao que ela ri; apenas aquele que fez o contrato com o demônio pode usar a arma obtida através do processo. Eles lutam para Hyakuya ter uma noção do poder da garota e ele fica impressionado.

E aí chegamos à terceira parte favorita dessa série: Uma instalação militar super perigosa e secreta fica dentro da escola. Quais são as chances disso dar errado?

Lembra dos nossos valentões, no começo do episódio?
Então…

Os dois garotos que fugiram buscam Hyakuya e Yoichi para que eles ajudem seu amigo. Shinoa assusta os pobres guris como a boa insuferable bitch que é, mas mesmo assim o trio segue para a sala cravejada de amuletinhos ver se sobrou alguma coisa de Yuji pra contar história. O templo, como o Esquadrão chama a sala, é onde um demônio é mantido para que os soldados possam obter suas armas amaldiçoadas através de um feitiço e um contrato. Também é um experimento militar em larga escala: aqueles que não são afetados pela energia demoníaca parecem bem promissores para o Exército Demoníaco Imperial Japonês.

Yuji está no meio do círculo mágico da sala, segurando um über machado amaldiçoado e Hyakuya, em mais uma demonstração de inteligência, decide roubar a arma do garoto, já que ele não tinha um contrato com o demônio. No momento em que ele toca a arma amaldiçoada ele volta para sua casa, onde todos os seus irmãos comiam à mesa, como na noite do jogo.

Um Yu-chan ilusório tenta convencê-lo a entregar-lhe seu coração, pois assim ele obteria o poder necessário para derrotar todos os vampiros do mundo, mas Hyakuya objeta; o Yuu-chan de verdade jamais agiria daquela forma. Ele deseja poder? Sim! Mas não daquela forma. A ilusão se desfaz e Hyakuya desperta com Shinoa e Yoichi a seu lado, a garota impressionada com a força de vontade do guri para livrar-se sozinho do demônio. De todo modo, não é assim que a banda toca pro Tenente Coronel Guren e não é dessa vez que veremos um protagonista com um machado num anime! Such a shame!

O episódio termina com a aparição de Ferid em busca de Mikaela, afirmando que “seu anjo” foi avistado. Fim do episódio com mega cliff hanger!
(tantantaaaaan)

Agora que todo clichê todas as peças estão no lugar, me pergunto como Hyakuya vai ficar quando descobrir que Mika-chan há de querer mais que só sua amizade…

Comentários