Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Estou um pouco preocupado com as notícias sobre a segunda temporada. A primeira nem havia acabado ainda e já anunciavam Gen Urobuchi (Madoka Magica) como co-roteirista. Dias depois anunciaram o Kazuki Nakashima (Gurren Lagann) também como co-roteirista. Não é possível que estejam insatisfeitos com o resultado do trabalho do Masaki Tsuji, certo? Se o trabalho dele fosse ruim o estúdio Bones sequer teria perspectiva de retorno financeiro na segunda temporada para justificar a contratação de dois pesos pesados do mercado. Isso é apenas a lógica. Não só isso, mas eu pessoalmente estou achando a história muito boa, pelos motivos que apresentei em todos os doze artigos de episódios que já escrevi, no artigo especial, e também pelos que apresento nesse artigo final. Acredito e espero que seja só marketing para aumentar a expectativa, os patrocínios, licenciamentos e, claro, as vendas. Nada contra Urobuchi e Nakashima, adoro o trabalho dos dois. Mas se já está dando certo, mudar para quê? Mais do que isso: o que todo mundo faz junto, ninguém acaba fazendo. O Tsuji já está trabalhando junto com o Shou Aikawa. Será um roteiro escrito a oito mãos? Isso para não entrar no mérito do estilo de cada um deles né. O que o Urobuchi escreve absolutamente não combina com o trabalho do Nakashima, e os dois são diferentes do Tsuji (que é mais velho e mais experiente, poderia trabalhar facilmente com qualquer um deles, não duvido do cara, só estou com medo do resultado não ser tão bom assim).

Bom, já agourei demais a próxima temporada e nem falei desse episódio ainda né? Foi esperado, no sentido de ter terminado tudo com algo grande, muita ação e muita gente envolvida. Mas alguns detalhes em si foram surpreendentes e inesperados. Um fechamento excelente para esse capítulo da história!


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Eu disse que teve muita gente envolvida né? Colocado nesses termos isso ainda subestima o episódio. Todo mundo que já apareceu no anime e que estava acordado e vivo durante os fatos desse episódio participou. Quase todos diretamente. Acho que os únicos que ficaram só de comentaristas foram os membros da família imortal (mas o safado do pai da família, aquele que foi a causa de todos os problemas no arco deles, não estava lá; imagino se aquele miserável não estava metido em alguma coisa de novo). Até os caras da banda Cavalo da Montanha, que não querem mais saber de nada (e no futuro continuam não querendo saber de nada) apareceram para dar apoio moral e, até onde pude entender, encoxar as garotas da Angel Stars.

As informações sobre os experimentos com super-humanos foram reveladas para o público apesar das leis de censura, e o ultraje foi geral, especialmente entre os jovens que só ouviram falar de um tempo em que super-humanos podiam viver como super-humanos e revelar seus poderes e identidades em público. Uma grande manifestação estava marcada para bloquear a passagem de um trem-tanque carregando combustível para o exército americano, e a situação era tão tensa que os EUA cancelaram o transporte. Mesmo assim, o Escritório de Super-Humanos interveio e manipulou as informações, mantendo que o trem passaria. A intenção era causar uma pequena confusão mas derrotar o Claude suavemente, para convencer a população a apoiar a nova lei sobre super-humanos que aumenta os poderes do Escritório ao aliviar a censura de um lado mas tornar o registro obrigatório de outro.

Bom, obrigatório é forma de dizer, se a pessoa continuar escondendo seu poder não há nada que possa ser feito desde que ela não o use, mas se quiser usar ou se for pega precisará se registrar. O que o Akita não sabia em sua inocência alienígena é que a nova lei foi redigida de forma a determinar claramente que super-humano é diferente de humano, permitindo leis futuras de discriminação e sabe-se lá o que de pior. Será que o viajante do tempo Yoshimura também não sabia? E o Magotake que nesse episódio mais do que nunca ocupou a posição de uma eminência parda a comandar o Escritório de Super-Humanos pelos bastidores, também não sabia?

Porém, quando o Jirou liberou seus poderes e se descontrolou para derrotar um Claude mais poderoso do que o Yoshimura havia calculado as coisas ficaram tensas. E foi nesse momento que, sem a ajuda de muita gente, um desastre poderia realmente ter acontecido. Não entendi direito porque mas a Emi não podia ajudar o Jirou enquanto ele estivesse dentro do seu carro-mecha. Teria sido emocionante se a Kikko tivesse acordado a tempo dela própria ir lá e reativar as travas do Jirou, não seria? Não sei se ela tem poder para isso, mas em parte redimiria a bruxa por ter escolhido o Claude ao invés do Jirou. Mas lembrando da Kikko do futuro me parece que a intenção é mesmo que ela se sinta o mais culpada possível, então deve estar tudo bem desse jeito. E ela terminou o episódio se sentindo bastante mal pelo Jirou ter partido sem nem deixar uma palavra de despedida. O que a Kikko não sabe é que isso foi condição da Emi para salvar ela. E o que a Emi certamente não esperava é que o Jirou escolhesse se afastar da Kikko saindo do Escritório de Super-Humanos e isso o colocasse em rota de colisão com o próprio anos mais tarde. Decisões e consequências!

Desde que foi dito no episódio que haveriam grandes manifestações estudantis eu fiquei preocupado: será que vai haver, no fim das contas, o momento em que vários jovens iriam morrer? Como eu escrevi sobre o episódio anterior, acreditava que não, pois aquilo já havia acontecido – se trata exatamente dos experimentos com super-humanos. Fiquei pensando como eu havia apostado que nada aconteceria e como eu pareceria um idiota se tivesse errado, hehe. Não que eu me importe em errar! Já errei muito, só não erra quem não tenta acertar. Mas acertar é mais gostoso e bom, eu tinha acabado de fazer a afirmação de que nada aconteceria, hehe. Ou será que ainda vai acontecer mais alguma coisa? Quero dizer, o Raito já sabe disso e continua na polícia, não é? Há quase quatro anos ainda para que algo assim ocorra, mas sinto que seria tosco o Raito não se importar com os experimentos cruéis mas vir a se importar com o que quer que venha a acontecer. Acho que ele apenas não teve tempo de pensar direito sobre o assunto e tomar uma decisão. Ou talvez de fato aconteça mais alguma coisa, mas não tão grande assim: só mais um pequeno incidente que o faça perceber que o governo só quer ver os super-humanos pelas costas. De todo modo, algo grande nesse sentido pode perder grande parte do peso narrativo caso venha a acontecer apenas na segunda temporada.

Deu para perceber também como mesmo entre super-humanos não há unanimidade, embora a grande maioria esteja de um mesmo lado. E a Earth-chan caída sem vida no chão perto do fim do episódio mostra que essa divisão já está provocando consequências. A última revelação da temporada não tem a ver com isso, e é literalmente bombástica: ao invés de uma bomba atômica, parece que o Jirou foi arremessado sobre Hiroshima! Esses três meses até Concrete Revolutio voltar serão de muita ansiedade! E um pouco de preocupação, como já escrevi bastante no começo do artigo, hehe.

Comentários