Sua amada morre em seus braços

Que episódio anti-climático. Quero dizer, depois de 32 episódios de desenvolvimento e muita ação finalmente o grande vilão surge em carne e raposa gigante de nove caudas, graças a um ardil que ele planejou. Todos os núcleos de personagens combatentes do anime se apresentam: os militares humanos, os youkais, os monges, e claro o protagonista Ushio com seu inseparável parceiro youkai Tora. A garota que ele gosta está lá, torcendo por ele. Ele encontrou a mãe pela primeira vez na vida. Sua grande amiga Mayuko também está lá.

O vilão se levanta das profundezas dos mares, derrota os youkais, destrói uma ilha habitada e mata todos os seus habitantes, tem a clássica cena dos caças de guerra indo dar combate e sendo destruídos instantaneamente que nunca pode faltar nessas ocasiões, tem o protagonista enlouquecendo e atacando o vilão apenas para ver a única arma capaz de derrotá-lo ser destruída e ele próprio ser arremessado nas profundezas do mar no instante seguinte. Ah, e as ilhas japonesas estão afundando. Deu para segurar o fôlego? Foi essa a deixa para esse episódio.

E o que aconteceu? Apareceram novos aliados para lutar contra o vilão enquanto o herói se recupera? Alguém partiu em missão desesperada para salvar o herói que, afinal, está afundando no oceano? O herói se recuperou? Alguém se sacrificou heroicamente para segurar o vilão, mesmo que só por mais um minuto? Talvez nada disso, mas pelo menos teve mais uma boa dose de destruição e desespero provocados pelo vilão? Não, não e não. Flashback. A história de como o vilão surgiu, era isso o que você queria? Eu não queria. E se além de tudo tiver um filtro maneiríssimo durante o flashback inteiro que o torna além de tudo feio de se assistir? Eu continuo não querendo. Por que fez isso comigo, Ushio to Tora?

Curta o anime21 no facebook:

Não que a história do Hakumen no Mono e do Tora seja ruim. Achei muito interessante a história de origem conjunta dos dois. Ela só veio em um péssimo momento, onde eu esperava tudo, menos um episódio inteiro dedicado a um flashback. E além disso, repito, ficou muito feio com aquele filtro aplicado por cima. Então, apenas para deixar registrado aqui, segue a história de origem do Hakumen no Mono e do Tora:

Milênios atrás (3 mil anos atrás, se a legenda estiver correta) em uma dessas civilizações asiáticas (pelos nomes e aparência levava jeito para ser Ásia Central ou Oriente Médio, mas não é revelado em detalhe e realmente não importa) uma criança cresceu sendo desprezada por todo mundo porque quando ainda era um bebê todos em sua vila morreram com a queda de um meteorito, exceto ela, o que foi considerado uma má premonição. Essa criança cresceria para ser o Tora, e o meteorito na verdade foi o próprio Hakumen no Mono quem provocou a queda, já que ele ainda não tinha um corpo físico. O Hakumen já existia, mas era uma espécie de entidade incorpórea que sussurrava maldades nos ouvidos dos homens e provocava guerras e essas coisas. Ele cansou disso e queria provocar destruição ele próprio. Daí seu plano de alojar-se no corpo de uma criança que cresceria sendo desprezada por todos por sua culpa.

Por conta disso Tora cresceu cheio de ódio de todas as pessoas, e isso não mudou nem mesmo quando, depois de adulto, ele passou a ser admirado e temido como um poderoso general: ele acreditava, provavelmente com razão no caso da maioria das pessoas, que só o admiravam agora porque ele era útil, mas no fundo ainda o desprezavam. Um dia ele encontrou um casal de irmãos que, pela primeira vez, o aceitou. Pela primeira vez em sua vida ele se sentiu querido de verdade, admirado de verdade. Isso não mudou em nada o ódio que ele sentia por todas as demais pessoas, apenas deu a ele um refúgio de seu próprio sofrimento. Então um grande exército de uma nação vizinha iria atacar e Tora, acreditando que a vitória seria impossível, decidiu fugir com os dois irmãos – encontrou a garota, que não por acaso o amava e era reciprocada, mas o garoto, dizia ela, estava em outro lugar. Eles correram para encontrá-lo mas o que conseguiram foi dar de cara com o exército inimigo.

A garota morreu e nesse instante o ódio de Tora atingiu o ponto máximo, e Hakumen no Mono emergiu de seu ombro. Para aumentar seu desespero, revelou que foi tudo parte de seu plano e que ele, Tora, jamais morreria, vivendo para sempre em sofrimento. Tora ainda encontrou o garoto, o irmão, mas ele já havia sido ferido mortalmente no ataque que o Hakumen fez contra a cidade. Tora viveu por séculos apenas odiando tudo, todos, e especialmente o Hakumen no Mono, até que ele ouviu falar sobre a Lança da Besta, a procurou, encontrou, foi seu primeiro usuário e eventualmente se transformou em youkai. O resto é história.

O único detalhe sobre essa história que me deixa curioso é: quão imortal é Tora? Ele não morre não importa o quê, ou apenas não morre de doença ou velhice, mas ainda pode ser morto por alguém poderoso o suficiente? Se ele for esse segundo tipo de imortal não vejo problema algum. Mas se ele for imortal do primeiro tipo, aquele que realmente não pode morrer nem ser morto, por que mesmo o Hakumen no Mono o criou? Não faz sentido. Tudo bem que ele parece ter o prazer sádico e masoquista de lutar contra inimigos poderosos, mas seria imprudência demais criar o seu próprio nêmesis propositalmente. E o Hakumen no Mono parece ser inteligente demais para tamanha imprudência. Por isso tendo a acreditar que o Tora possa sim ser morto. Fora isso, inesperadamente parece que a Lança da Besta mantém algo de seu poder mesmo depois de destruída e está salvando o Ushio. E será que é pedir demais para que o próximo episódio volte a ter ação de verdade?

Eu estava curtindo o episódio quando estava assim ainda

Eu estava curtindo o episódio quando estava assim ainda

Gostou desse artigo? Compartilhe:

  1. Pelo que entendi o bichão lá se alimenta de ódio,fica mais forte com o ódio. Cara é como a premissa de Harry Potter em que o vilão só pode ser derrotado com o “amor”.. Então sei lá,talvez o Hakumen subestimou o Tora e acredita que ele o odiaria para sempre,então mesmo que a humanidade deixasse de teme-lo ele ainda teria a sua fonte de energia negativa (?)
    Divagando sobre o final do FlashBack fiquei pensando que o Ushio é talvez/ a reencarnação do menino e a Mayuko da menina.Por isso todos estão tão ligados.
    E acho que o Tora realmente não morre,na briga com o o monge loiro que eu esqueci o nome o Tora ficou uma cabeça flutuante e mordeu o cara terminando a luta,depois todo seu corpo destruído se rejuntou(?) Isso acontece muitas vezes nas batalhas o Tora pode ser esquartejado mas ele sempre se junta novamente.E ja fica pronto para voltar a lutar.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Gostei da “teoria do ódio”. Sobre reencarnações, o Ushio pode até ser, mas a Mayuko não dá, ela é reencarnação da Jie Mei. A não ser que a Jie Mei seja reencarnação daquela garota também…

  2. Este episódio para mim estragou a trama que o anime vinha mostrando até agora, já se sabia que o Hakumen é mau e o Tora tem ódio dos humanos, não digo que o flashback foi mau, mas foi empregue na altura errada.
    Fábio não sei se chegaste a ver o Full metal Alchemist Breoterhood, mas a situação do Tora e do Hakumen é muito semelhante com a situação do Homunculus é do Hohenheim, o Homunculus ganhou forma graças ao Hohenheim e na parte final do anime percebeu-se que eles mesmo sendo imortais podiam morrer, por isso acho que no caso do Tora o tipo de imortalidade dele é apenas viver durante muito tempo ( o Hakumen é outra conversa).
    O flashback em si até foi bom para explicar o ódio mortal que o Tora sente pelos humanos, mas aquele filtro pesado quase me deu dores de cabeça, o Tora deve ter nascido ou na Índia ou então na Pérsia pelas roupas e também na aquela altura eram poucas as nações asiáticas que possuíam elefantes de guerra (a índia só ficou mais conhecida quando travou uma batalha contra o Alexandre o Grande, onde enfrentou o mesmo com elefantes de guerra (luta meio desigual,basta comparar o tamanho de um cavalo para um elefante) mas mesmo assim o Alexandre rei do conquistadores ganhou a batalha, mesmo sendo ferido).
    Como sempre uma excelente matéria.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Sim, eu pensei nesses lugares também. O próprio Alexandre criaria depois uma pequena unidade de elefantes para ele, e pararia seu avanço quando encontrou, mais para dentro da Índia, um exército com CENTENAS de elefantes =D

      E tem razão, a relação do Tora com o Hakumen é bem parecida com a do Hohenheim com o Homunculus (assisti FMAB e li o mangá, muito bons), no sentido de que tanto o Homunculus quanto o Hakumen precisaram da ajuda de um humano (Hohenheim e Tora, respectivamente) que eles manipularam para ganhar corpo próprio, e por simples consequência os tornaram imortais no processo (bom, esse detalhe está para ser provado em Ushio to Tora ainda).

      Mas enfim, não era agora que eu queria ter assistido tudo isso…

Deixe uma resposta