Primeiras-Impressões---Amanchu!,-Handa-kun,-New-Game!

Meu primeiro artigo de primeiras impressões da temporada de julho de 2016! Mas não é o primeiro do Anime21: enquanto eu passei essa semana assistindo loucamente os animes ainda da temporada passada para terminá-los logo os novos redatores do blog, a Tamao-chan e o Iwan seguraram o blog vivo durante a semana! Eu jamais serei grato o suficiente a eles. Os animes da temporada que o Anime21 já cobriu graças a eles foram:

Que serão também alguns dos animes que eles escreverão episódio a episódio aqui, não deixe de acompanhar! Além desses, a Tamao-chan publicou também uma indicação sobre ReLIFE, o anime da temporada que foi lançado inteiro de uma vez só, algo bastante incomum e, acho, inédito para um anime.

Eu comecei a temporada com um slice of life e duas comédias (uma delas meio slice of life também), continue lendo para saber o que achei das estreias de Amanchu!, Handa-kun e New Game!

Curta o anime21 no facebook:

Terá Amanchu um sub-enredo yuri ou vai ficar só no fanservice?

Terá Amanchu um sub-enredo yuri ou vai ficar só no fanservice?

Amanchu!, episódio 1 – Estou com vontade de mergulhar nesse anime

Visualmente muito bonito. O primeiro episódio teve bastante sucesso em apresentar os personagens, o cenário e o tema. Três coisas que se confundem nesse slice of life. Da mesma autora de Aria, que eu só assisti o primeiro episódio e dropei porque morri de tédio, me faz pensar em dar uma nova chance à série caso as boas primeiras impressões de Amanchu se mantenham até o final. As duas protagonistas se completam e é de se esperar que evoluam juntas, ainda que bem pouco. Rico em mensagens sobre a importância do tempo e do espaço: elas estão entrando no ensino médio e uma delas (Ooki) acabou de se mudar para lá, o que a deixa bastante melancólica e insegura. E deslocada também: fica o tempo todo checando no celular se suas antigas amigas mandaram alguma mensagem (nunca mandam, mas ela não se ressente disso em momento algum). Já a outra (Kohinata) é local e está sempre feliz da vida, sendo muito bem descrita pela Ooki como otimista. A essa altura não posso evitar a curiosidade: será que ela é sempre feliz mesmo ou está vestindo uma máscara para esconder o que realmente sente ou fugir de algum medo ou insegurança? O anime já mostrou nesse episódio que seus personagens não são infalíveis: a professora fez um discurso grandioso para depois ficar se perguntando em voz alta se realmente tinha sido um bom discurso, e a própria Kohinata ficou morrendo de vergonha quando descobriu que estava com o zíper do vestido aberto mas fingiu que sabia e que estava tudo bem. Não é como se eu esperasse um trauma de infância profundo em Amanchu de todo modo, pode ser algo bem simples. Por exemplo, a Kohinata ama mergulhar e passa tanto tempo no mar que seu cabelo é horroroso, e a primeira coisa que ela reparou na Ooki foi o cabelo comprido e sedoso dela. Se ela se ressentir do próprio cabelo, seria um tipo de pequena frustração daquelas que todos nós temos aos montes. Destaque para as expressões faciais realistas (como a Ooki com os olhos baixos olhando para o celular enquanto descia as escadas – ficamos mesmo com cara de idiota quando fazemos isso) e para os ângulos de câmera extremos bem usados para reforçar a emoção em algumas cenas. O rosto super-deformed da Kohinata na maior parte do tempo é charmoso, ainda que um pouco assustador.

O detalhe divertido dessa cena é que o anime terá 12 episódios, "x = 12", entendeu? É, não foi tão divertido assim

O detalhe divertido dessa cena é que o anime terá 12 episódios, “x = 12”, entendeu? É, não foi tão divertido assim

Handa-kun, episódio 1 – Força, Handa!

Os dez primeiros minutos do anime são gastos com uma sequência metalinguística auto-referencial (e que deve servir de promoção do estúdio também, tendo sido inclusive a parte melhor animada do episódio). Uma tal Força Handa é composta por fãs do Handa que sabem que está para estrear um anime sobre o Handa (sim, o mesmo do qual eles fazem parte). É uma abertura engraçada e que serve para estabelecer o quão “legal” e “incrível” todo mundo acha que o Handa é, e isso é importante porque quando o episódio começa “de verdade” o próprio Handa não dá motivo nenhum para que seja tão idolatrado assim. Ele passa o tempo todo paranoico achando que todos o odeiam e por isso mesmo acaba se metendo em mal-entendidos que fazem as pessoas o idolatrarem ainda mais. É engraçado, mas pelo menos nesse primeiro episódio não cheguei a gargalhar.

Em uma das últimas empresas que trabalhei totalmente tínhamos um desses uma vez por dia

Em uma das últimas empresas que trabalhei totalmente tínhamos um desses uma vez por dia

New Game!, episódio 1 – Também quero um emprego

Uma comédia de costumes em ambiente profissional. Esse tipo de cenário não costuma ser o mais engraçado a não ser que tenha personagens muito caricatos, e personagens muito caricatos em animes costumam me irritar mais do que qualquer coisa (e pelo primeiro episódio, parece que pelo menos uma das colegas da Aoba é desse tipo). O cenário é crível desde que se aceite que é possível haver uma empresa só com mulheres (eu sei, existem tantas empresas reais só com homens que uma só com mulheres não deveria ser tão incrível assim, mas prefiro não pensar muito a respeito até porque me parece que New Game faz isso apenas pelo fanservice – calcinha logo no primeiro episódio!). Por enquanto não revelou muito sobre a rotina da produção de um game e não sei se o anime fará isso, mas consegui me identificar com alguns detalhes sobre trabalho em equipe, como a mesa cheia de Red Bull, a pausa para o intervalo, o novato que aparece super bem produzido para causar boa impressão, entre outras coisas. Mas ainda que tenha sido um episódio agradável nada foi particularmente engraçado ainda que New Game seja uma comédia.

Gostou desse artigo? Compartilhe:

  1. Eu pessoalmente nem ia ver nenhum destes animes, que fizeste as primeiras impressões (se bem que já tenho os episódios no pc a algum tempo), Amanchu pela sinopse não me disse grande coisa, por isso fui deixando para assistir em segundo plano, até que vi a tua impressão e mudei de ideia e posso dizer que não me arrependi, o primeiro episódio de Amanchu foi muito bom, opening bonita e a ending também é, personagens afáveis (acho as expressões da Kohinata bem engraçadas, mas à vezes metem medo), animação bonita bem feita pelo J.C Staff (se eu tivesse que dar um apelido a este estúdio seria: Slice of Life master race). Se Amanchu por acaso tiver uma vertente para o yuri (como tu bem comentaste) eu não me importo, não é uma coisa que me afecte muito. Agora vamos às comédias, fiquei bem desiludido com o Handa-kun, não achei graça nenhuma, a primeira parte até foi suportável, mas a segunda irritou-me, meu rico Barakamon, este sim era uma comédia decente. Quanto ao New Game, este não apresenta nada de novo, mas acho que tem pernas para andar, até conseguiu que eu solta-se uma risada, coisa quase impossível de eu fazer em animes (depois que se passa da marca dos 300 animes assistidos, fica mais dificil achar graça a alguma coisa), as cenas em que a nova integrante da equipa ia ao toilette e se esquecia do cartão de serviço foram as melhores.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Sim, depois de centenas de animes ficamos bastante calejados para tudo, inclusive piadas fracas de animes, né? Acho que tanto Handa-kun quanto New Game tem potencial, mas no primeiro episódio não entregaram.

      Já Amanchu superou as minhas expectativas, foi realmente um episódio incrível. As personagens falaram pouco mas disseram muito (bom, a de cabelo comprido pensou bastante, lol). Sem nenhum absurdo, apenas com situações cotidianas, foi um episódio delicioso e realista. Foi muito divertido assistir duas garotas que tem visões de mundo completamente diferentes reagirem de formas distintas diante dos exatos mesmos estímulos. Quero mais!

      Obrigado pela visita e pelo comentário! E esse artigo te fez até mudar de ideia e ficar satisfeito com isso? Que bom! =)

      • Acho que estou a tornar-me uma pessoa influenciável (brincadeira), mas Amanchu já me conquistou, porque que eu nunca tive uma professora tão cool como a deste anime, se tivesse tido uma o meu percurso escolar teria sido bem melhor. O artigo de Re: Zero sai esta semana, ou vais acumular e escreves sobres 2 episódios seguidos?

      • Fábio
        Fábio "Mexicano" Godoy

        Ainda não assisti o episódio 15 de Re: Zero, a princípio quando eu assistir devo escrever sobre ele ainda essa semana, mas só decido de verdade depois de assistir.

      • Depois deste episódio, já me arrependo de ter dito mal do Subaru, depois deste episódio ele só vai melhorar, ele sofre muito.

  2. Eu não gostei de nenhum dos 3,Handa-Kun me irritou ainda mais pq eu tinha certa expectativa. Não achei graça nenhuma, a primeira parte achei chata,a segunda foi meh,sinto já vontade de dropar os 3,mas não gosto de fazer isso de cara.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      HAHAHA, bom, nenhum anime é feito pra todo mundo, né? As comédias nem vou me dar ao trabalho de defender; Handa-kun tem potencial mas daí a transformar esse potencial em realidade vai uma grande diferença, e New Game, como comédia de costumes profissional, já está em seu máximo. Se conhecermos mais sobre aquelas garotas vai melhorar um pouco, se conhecermos mais as calcinhas e peitos daqueles garotas vai piorar um pouco, mas não tem como ficar muito diferente.

      Já Amanchu eu gostei bastante. Uma dupla de protagonistas verossímeis em um cenário realista, ambas bem diferentes e reagindo de forma diferente, é definitivamente interessante de se assistir. Sem falar que a arte é deslumbrante =)

      Obrigado pela visita e pelo comentário!

  3. Desses três, o único que me chamou a atenção foi Amanchu pela estranheza.
    Estranhei os uniformes femininos dessa escola, justo numa cidade litorânea faria mais sentido aqueles uniformes de marinheiro com saias curtinhas e ali as garotas usam vestidos compridos com botas!
    Estranhei até as sapateiras serem maiores que as que costumamos ver!

    E aquelas caras de boneca em corpos normais das personagens nas cenas cômicas também ficou estranho. Prefiro Chibi ou SD.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      As roupas das garotas são bem estranhas mesmo, e não é só por ser cidade litorânea; não imagino um uniforme escolar daquele jeito de forma alguma. As sapateiras são grandes porque os sapatos do uniforme são uns coturnos enormes. Os rostos deformados ficaram divertidos, vai =)

      Obrigado pela visita e pelo comentário!

      • Coturnos! Tinha esquecido dessa palavra que define bem os calçados delas e por isso as sapateiras enormes.
        Vestido e coturno de cano longo, que combinação! Essa autora tem um gosto meio peculiar para roupas.
        xD

        Até a próxima!

Deixe uma resposta