Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Olá pessoas, aqui é o Iwan, trazendo mais um artigo de Ao no Exorcist 2. Nesse episódio fomos introduzidos a diversos novos personagens e também aos problemas de infraestrutura hierárquica da seita Myoda, da qual Suguho é herdeiro. Além de descobrir que a mãe do nosso “Bon” é uma dona de pousada irritadiça e que o pai de Suguho é um bebum inveterado, vemos que a seita está caindo aos pedaços, quase falida e sem fiéis (o que é a razão de ter se juntado à ordem em primeiro lugar) e que o Olho Direito está sendo procurado por alguém de dentro…


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Episódio ok, mostrou personagens interessantes e explorou a personalidade do Rin enquanto bêbado, mas não achei que teve algum grande diferencial nele. Agindo como um simples episódio introdutório, passamos os 15 primeiros minutos conhecendo cada um dos principais membros do arco, que além de terem a constante capacidade de serem vergonhas alheias ambulantes e a tendência de detestar cabelos coloridos, aparentemente têm uma imensa tara por chamar o Suguho de “Bon”, para a tristeza do coitado.

Nesse episódio vemos como ser ignorado deixou o Rin extremamente incomodado (não é pra menos né…). Rin se abre com o Monge e para Shima, mostrando que o que realmente quer é apenas fazer as pazes com todo mundo e que tudo volte a ser como era antes, querendo acabar de vez com essa barreira que se formou entre ele e o mundo a seu redor, na maior vibe Evangelion que Ao no exorcist poderia pedir (ou seja, quase nada de Evangelion e muito de piadas sobre bebida), o que nos leva a descobrir que na verdade Rin não é o único com problemas para estabelecer relações mesmo querendo. O monge há muito perdera contato com seus entes queridos, ao ponto que ele mal podia ficar no templo, para não “atrapalhar”, e sumia constantemente da vista de sua mulher sem sequer usar um celular para manter contato. Já Shima… bom, Shima aparentemente também guarda algo em seu peito, apesar de não entender exatamente o que é, pois ele até agora parece bem de boas com a vida.

Eu não curto fazer um sistema narração, mas como estamos lidando com um pseudo mistério aqui, quero ver se dá pra descobrir quem é o espião da Myoda a partir das pistas presentes nesses episódios que se seguirem. Já no início do episódio, temos 3 novos personagens que não abrem espaço para muitas suspeitas, mas que não custa mencionar: Kinzo ,o irmão de Shima, parece ser um jovem desajeitado e com o espírito delinquente de pintar o cabelo, não parece alguém esperto e portanto acho difícil sequer considerá-lo como o espião, porém, mesmo esse jovem desastrado claramente parece saber que alguma coisa estranha está acontecendo dentro do templo Myoda, e rapidamente tira seu sorrisinho imbecil quando fala sobre isso. A mãe de “Ryuji” parece literalmente só uma pessoa normal, nem acho que tenha demostrado qualquer afinidade para exorcismos até agora. Finalmente temos o exorcista sem nome que eu nem me importaria de colocar nessa lista se não tivesse afastado o Rin de todos, para que fosse cuidar de algo nos fundos (o que foi a razão dele ter conhecido o pai do Suguho em primeiro lugar).

Yazao, o pai de Shima, é claramente um personagem que por enquanto tem uma carga mais importante na história, sendo aparentemente o chefe da família. No que diz respeito ao exorcismo, ele não deixa suas feridas o impedirem de querer continuar sua missão. Enquanto isso pode ser um traço ótimo de um líder que não quer demonstrar fraqueza, também pode significar que ele precisa apressar os planos para o próximo ataque, enquanto a seita está enfraquecida…(acho extremamente improvável que um velho cabeça dura como ele que já tem uma posição estável no poder pense em trair a seita, tho).

O pai de Suguho parece um cara muito legal, ao ponto de que ficamos em dúvida do porquê as pessoas não conseguem entender suas ações e sempre o põem como um mero bêbado inútil (bom, bêbado ele realmente é, mas enfim…). A grande fonte de dúvida para com o monge parece vir do fato dele ter escondido o olho (que era o símbolo máximo do templo) longe da vista dos fiéis, porém, dado o contexto em que isso ocorreu (na noite azul satã possuiu todos os maiores exorcistas e caso ele retornasse poderia ser a partir de catalisadores, como, por exemplo, o olho direito do templo), me parece simplesmente lógica a decisão de pôr o olho em um lugar seguro. Infelizmente, fé e lógica nem sempre andam juntas. A perseguição constante ao pai de Suguho, em conjunto com a constante perda do poder familiar, poderia facilmente ter posto o monge bebum em uma situação em que demônios o possuíriam como ocorrido com Todo (o fato dele ter sofrido um ataque direto e ter terminado sem ferimentos ajuda essa noção).

Se tivesse que apontar alguém que imediatamente pode ter sido responsável pelo ataque, acho que o foco teria de ser ou nos Hojo ou nos Shima. Os Shima cuidam da ofensiva externa, eles é que devem parar ataques e lutar quando alguém invade o templo (são a família do…Shima, lol), são controlados por Yazao e têm por principais membros o irmão desastrado e o irmão sério de Shima. Já os Hojo cuidam da barreira dentro do templo, caso alguém invada é trabalho deles impedir que o templo seja atacado por dentro e que algo de valor seja roubado (ou seja, a funcionalidade das barreiras do olho direito cabe criticamente aos Hojo), por conta disso é bem possível que tenha havido sabotagem por parte dos Hojo nas barreiras do templo, o que permitiu que os inimigos avançassem. Seja isso verdade ou não, no mínimo é claro que o clã Hojo não se importa em causar discórdia.

Comentários