Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Comunicar com os deuses é fundamental para uma urara e para isso é necessário encantamentos para poder invoca-los e usar seus poderes. Os encatamentos são falas rimadas ou não que são faladas antes, durante, ou depois de um ritual/feitiço, ou seja é a verbalização da vontade de quem está usando o encantamento, no caso do anime, as uraras.

Na primeira parte do episódio as nossas queridas personagens aprenderam mais um fundamento para se tornarem uraras que foi sobre encantamentos, e como foi dito acima, eles servem para invocar os deuses para que elas usem seus poderes. Durante o período de estudos em que as meninas se preparavam para uma prova, acompanhamos a Nono tentando superar sua timidez pois ela tem vergonha até de recitar os encantamentos para os deuses. O foco dessa primeira parte foi a Nono onde acompanhamos um flashback do seu passado em que sua irmã e a sua mãe usavam um determinado encantamento como canção de ninar, portanto essa sessão de estudos se transformou em um momento nostálgico onde ela pôde lembrar da sua mãe já falecida. Esse episódio mostra mais uma vez a determinação de Nono em superar sua timidez, e além disso a personagem presenteou os ouvidos dos espectadores com sua voz na hora de recitar os encantamentos em forma de música. Achei legal a Nono ter encontrado sua própria forma de falar os encantamentos através de uma canção, pois assim ela encontrou uma forma de superar a timidez, e amadurecendo cada vez mais.

A segunda parte é dedicada a Koume, onde ela estava empolgada, embora negue, na aula sobre bruxas, pois quando a mesma era uma criança ela conheceu uma bruxa de verdade que hospedou-se na mansão da família Yukimi, e logo conquistou a simpatia da jovem Koume que simplesmente ficou fascinada por ela. É interessante o fato de que no mundo de Urara existam bruxas e que elas e as uraras são parecidas e sofrem preconceitos. Como foi dito no episódio, fora da cidade as uraras são vistas como anormais e mesmo correndo risco de preconceito as nossas personagens continuam seguindo em frente na jornada de se tornar uma urara com o apoio de sua instrutora Nina que tem sabedoria o suficiente para poder guia-las pelo melhor caminho.

A Marie foi forçada a ir embora devido ao preconceito das pessoas que a acusaram de trazer uma doença para a população

  1. Este episódio de Urara, sem dúvida, foi o que eu mais gostei até agora. Ver a Nono, ser desenvolvida no anime é muito bom, ela tem que perder aquele medo de se relacionar com as outras pessoas. Ver e ouvir a Nono a recitar os encantamentos, foi uma cena muito bonita, a forma como ela escolheu recitar os encantamentos , não poderia ter sido melhor, já que ela é tímida cantar foi uma boa opção. Ver a Kon a tentar imitar a maneira de recitar os encantamentos da Nono, foi muito engraçada e com a Koume a fazer olhos de gato ainda ficou melhor. A Nina sensei, deve estar orgulhosa da sua irmão mais nova, notou-se que ela ficou emocionada, quando a Nono perdeu a timidez e recitou o encantamento completo. Cada vez mais, quero ver a Saku junto da Nina, as duas são muito próximas.
    Finalmente a Koume ganhou mais destaque com um flashback, deveras interessante e bonito. Quem diria que a Koume queria ser uma bruxa, o estilo de roupa dela, já dava indicio disso, mas o flashback mostrou bem as motivações dela. A Koume quando era pequena era muito fofa, até custou ver, ela ser desacreditada quando dizia que a bruxa, que estava na casa da família dela, tinha super poderes. A bruxa Marie, era muito simpática, ela simpatizou logo com a pequena Koume, ela era tal e qual, como uma bruxa europeia. Só que como é uma adaptação japonesa, a bruxa não era velha, nem tinha sinais gigantes nem nariz enorme. Mas a vestimenta é igual à lenda das bruxas europeias e o estilo também. Aquela parte, em que a bruxa Marie teve que se ir, embora,por causa das más línguas que a acusavam de ela ser a responsável pela doença daquela zona, representa muito bem, o que acontecia a milhares de mulheres, mundo fora durante a idade média, só porque se sabe mexer em ervas medicionais, não quer dizer que sejam bruxos ou bruxas. Pelos vistos, as Uraras, sofrem do mesmo preconceito, fora daquelas paredes, o que torna o anime mais interessante.
    Aquela última cena, onde a Koume e companhia tentaram voar na vassoura, foi nota 10.
    Como sempre mais um excelente artigo Flávio.

    • Flávio

      Eu deixei passar esse detalhe que você observou sobre as mulheres que foram perseguidas na Idade Média acusadas de bruxaria só por manipularem ervas medicinais.
      Esse episódio foi o melhor até agora na minha opinião, e é bonito quando mostram a Nono amadurecendo. Gostei muito do foco que deram para a Koume, e a Marie é muito fofa e simpática.

      • Qualquer pessoa, que tivesse sinais em qualquer parte do corpo, fosse homem ou mulher eram acusados de heresia e eram queimados na fogueira. As mulheres eram o alvo na caça às bruxas na idade média. A tua nova foto de perfil é muito boa (Satania best demon).

Comentários