Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Depois de assistir esse primeiro episódio da segunda temporada de Bahamut devo dizer que estou… impressionado. WOW! E nostálgico também. A primeira temporada de Rage of Bahamut foi um dos animes que cobri na primeira temporada de existência do blog e gostei bastante, ainda que a qualidade tenha caído um pouco na segunda metade. Não preciso dizer que a coisa tem um valor sentimental para mim, né? Hehe.

Mas mesmo se eu não tivesse nenhum carinho prévio pelo anime, acho que seria impossível não ficar de boca aberta com essa estreia. Seguiram o padrão da temporada anterior de começar com uma batalha épica (e o “épico” aqui não é hipérbole, não é um elogio ou exagero, é apenas descrição do evento) e em seguida passar para os personagens protagonistas em situações mundanas-mas-nem-tanto. Kaisar teve grande participação no episódio, a Rita fez uma aparição brevíssima na última cena e o Favaro ainda não deu as caras, mas pelo visto a protagonista será Nina, a nova personagem. Uma garota super animada, super forte, que fica super envergonhada perto de homens e que tem um super segredo. Esse é só um artigo de primeiras impressões então não vou contar, hehe, você vai ter que assistir. Mas foi assim com a Amira na primeira também, não foi? Só descobrimos parte do segredo no primeiro episódio.

Sobre o conflito principal, dessa vez a coisa parece que vai ser mais complicada. Quero dizer, derrotar um único vilão colossal que quer destruir o mundo (e tem poder para isso) é difícil, mas pelo menos é um vilão só com um objetivo bastante simples. Mas e quando os inimigos são a arrogância e o preconceito humanos? Demônios foram escravizados e deuses estão sendo dizimados. Ainda que haja um líder nesse movimento insano, ele só tem sucesso porque possui apoio de milhares, talvez milhões. Seus genocídios são transformados em glórias e imortalizados na arte e no coração das pessoas – e ao mesmo tempo, deve sem dúvida estar atraindo o ódio daqueles a quem odeia.

Derrotar uma besta adormecida é fácil. E derrotar uma besta invisível?

  1. Eu não tenho palavras para descrever este primeiro episódio, da segunda temporada de Rage of Bahamut. Valeu a pena, esperar 3 anos pela continuação, Bahamut soube manter a qualidade que mostrou na primeira temporada e a meu ver a animação deste episódio foi muito boa (a mistura de 2D com 3D esteve muito boa, além das osts épicas que o anime já nos acostumou). Gostei da forma como os personagens da temporada anterior foram introduzidos nesta segunda temporada (onde está o Favaro?) o Kaisar como sempre, no lado errado da moeda, a Rita com aquele ar steampunk ficou bem interessante e a Nina é bem simpática, mas ainda está bem longe da Amira. Mas é o Azazel, é que teve o destaque neste episódio, ele na temporada anterior já mostrava sinais de mudança, mas foi neste episódio que se viu que ele se tornou um demónio bom, que faz de tudo para salvar a sua espécie do vil ser humano. Eu tive a ligeira sensação, que aqueles demónios crianças e aquelas demónios mulheres eram para ser, ou eram escravos sexuais, se for isto, nunca pensei que Bahamut fosse mostrar esse tipo de coisa. Aquele rei Charioce XVII, ainda vai fazer muita merda, afinal nada de bom virá de atacar demónios e deuses. Aquela prosperidade que as acções dele, deram para aquela cidade, é uma prosperidade efémera.
    Como sempre mais um excelente artigo Fábio. Espero que este anime, venha a ser comentado aqui no blog.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Melhor estreia =)

      Como amei odiar o Azazel na primeira temporada, hehe. O personagem dele após essa transformação me lembra o Viral, de Gurren Lagann, já assistiu?

      E falta o Favaro mas tudo bem, aconteceu tanta coisa, apareceu tanta gente, é melhor para o Favaro aparecer depois, com mais pompa e circunstância, hehe.

      Obrigado pela visita e pelo comentário!

      E sim, vou acompanhar esse anime por aqui também 😉

      • Eu fiz logo a mesma comparação entre o Azazel e o Viral de Gurren Lagann. Tenho que dizer, que quando assisti Gurren Lagann, eu ficava meio aborrecido com aquele jeito do Viral, até que ele começou a mudar ao longo do anime e tornou-se um personagem agradável e bom. O Azazel a mesma coisa, em certos momentos na primeira temporada de Rage, cheguei a odiá~lo, por ele estar a fazer o trabalho de demónio dele (mas odiava mais a subordinada dele, que tinha sempre dois cachorros irritantes com ela). Mas agora Azazel voltou, mudado e com uma chama de justiça para salvar a sua espécie. Além que eu não percebi como, o Kaisar não topou logo, que o demónio de faixas era o Azazel, a voz e os tiques são os mesmos.
        E o Favaro tem que aparecer, ele faz falta para dar um tom cómico e malandro ao anime.
        E eu esqueci-me de referir no meu comentário acima, aquele Deus que dá as missões aos caça recompensas, nem passados 10 anos, ele deixa de beber até mais não. Haja fígado para isso. E o pato a mesma coisa, como não rir com um pato (ou será ganso?) que fala.
        Com certeza, que acompanharei os teus artigos deste anime.

      • Fábio
        Fábio "Mexicano" Godoy

        Eu acho que o Kaisar percebeu hein? Ele só não comentou nada porque não importa mesmo.

        E sim, o Favaro precisa aparecer. Mas por enquanto a Nina carregou a comédia sozinha muito bem, né? Hehe.

        Até o artigo do segundo episódio!

      • A Nina é muito engraçada, com aquele jeito enérgico dela. Mas ela tinha logo que escolher como arma, um chicote, ela tem super força, ela podia portar consigo uma armadura pesada e uma espada. O chicote é muito bom, em áreas abertas, mas em áreas mais apertas é inútil e eu acho que ela percebeu isso neste episódio. E aquele jeito que ela fica, quando está ao pé dos homens, é muito engraçado. Além que ela teve direito a um dragão 2D, não são todos os estúdios que gastam uma fortuna, a fazer um dragão 2D.
        O Kaisar, também já se tocou que aquele reino, que ele jurou proteger está doente. Durante aquele combate na arena, já se notou isso. Kaisar como sempre, está no lado errado da moeda. Tem que vir o Favaro para lhe abrir os olhos.

      • Sim eu sei. Mas acho que fica mal, qual o mal de uma protagonista feminina usar uma espada e uma full armor. A Joana D´Arc na primeira temporada usava uma full armor e uma espada e não fez mal nenhum. Mas ao menos o chicote que a Nina usou era um chicote a sério, não aqueles chicotes que são usados para outro tipo de praticas menos explicitas. Ao menos o chicote da Nina, não é igual, aquele que a heroína +18 de Boku no Hero usa como arma.

Comentários