Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Em meio a tanta discussão sobre uma provável 3º Guerra mundial, ao assistir o episódio dessa semana me peguei pensando em como confiar em sua equipe ou nas pessoas ao seu redor tem um peso enorme em uma batalha. Akashic me passou uma visão sobre a necessidade humana, suas fraquezas e o poder da confiança. Apesar da grande lentidão nesse episódio e até uma queda comparado ao da semana passada, existiram momentos que quebraram o clichê e que chamou a atenção para isso. Tendo isso em vista, vamos ao que interessa.

O episódio seguiu com o problema do ataque à escola mágica e em como o professor Glenn tinha que lidar com tudo o que estava acontecendo. Ao assistir o episódio a primeira vez, não senti que estava sendo preso ao episódio e logo percebi que faltava algo para me animar. Estava necessitando de mais ação ou algo que chamasse a minha atenção. O episódio estava deixando a desejar. Não sei se ter visto animes parecidos estava me prejudicando, mas algo estava errado e eu queria uma coisa diferente, novamente.

Pois bem, o episódio foi se desenrolando, dando algumas informações para nós. Descobrimos que os “Comensais da morte” são na verdade uma sociedade secreta conhecida como “Os Pesquisadores da Sabedoria Divina” e que são os maiores terroristas da história do Império. Mas claro, ainda existem perguntas como: “Quais os objetivos deles?” e até mesmo “Quem são as pessoas que fazem parte?”. Me peguei pensando na probabilidade da Celica ser alguém ligado a eles mas, é bem improvável. O que sabemos é que um dos professores estava dentro da sociedade há um bom tempo, já que tinha um objetivo claro na mente e tinha sido treinado para isso.

Porém, o que mais me chamou a atenção foi o momento da batalha travada entre Glenn e a sociedade. Isso porque apesar do clichê do professor aparentemente inútil e que na verdade é forte, eles inovaram no quesito “poder do herói”. Fiquei impressionado pelo fato do Glenn apesar de ser forte e ter conhecimentos avançados, não ter tamanha capacidade de utilizar sua magia. Isso foi um ótimo ponto desse episódio e até posso dizer do anime em geral, porque com isso um espaço se abre para as heroínas.


E essa questão da heroína se envolver diretamente na força do protagonista me fez pensar em como a confiança é importante em situações difíceis. Ver como Glenn precisava do auxílio dela e se tornava dependente dela foi algo bom e que necessitava da parte dele por fé no modo de agir dela e em suas habilidades. Esse foi um bom ponto ao meu ver, porque fez com que a ideia de trabalho em equipe não ficasse só ali, naquele momento, mas transcendesse para o mundo real e deixasse o telespectador ligado no modo reflexão sobre tudo isso – confiar, pensar em equipe e se esforçar.

Outro ponto bacana é que o vilão que foi mostrado nesse episódio, não foi um vilão apenas jogado, ele era forte, tinha bons atributos e conhecimentos de magia e ver como ele bateu no Glenn me deixou aliviado, já que ver constantemente protagonista overpower e quase invencível se torna massante; sem contar que foi graças a esse vilão que conseguimos ver a dupla agindo. Todo o trabalho e a dor valeram a pena e começo a pensar que foi ótima a forma abordada pelo autor de unir os personagens.

Mas o anime também teve seus momentos ruins e vou falar de apenas um deles. Ao meu ver o cúmplice da sociedade foi o problema. Ao entender o plano do inimigo e ver o grande objetivo dele, fiquei entusiasmado, isso porque eu adoraria ver um homem bomba conseguindo realizar seu feito. Só que o anime não tomou esse rumo e isso foi um problema para mim. Fiquei pasmo ao ver como tudo foi resolvido tão rápido. Eu achei que as cenas ficaram muito bem animadas e outros aspectos do protagonista foram mostrados ali, porém acredito que a equipe da produção teve que acelerar muito as cenas finais e com isso não conseguiram realizar o momento de uma forma boa.

Decepcionou

Já finalizando, o que consegui ver nesse episódio é que o anime apesar de ter uma grande variedade de clichês – o que não é tão ruim, mas que em grande volume pode se tornar chato – o anime tocou em algo relevante. Essa relevância é provada quando nossa Gata Branca se une a ele na batalha e o auxilia. Já que apesar de toda sua dor e esgotamento ao usar um poder além de suas capacidades, ele não tinha outra escolha a não ser de continuar e essa realização foi graças à essa parceria. E foi assim que conseguiu ir até o fim.

Essa ideia de um herói dependente foi algo bacana e que achei inovador. Portanto eu espero ver como isso vai ser abordado nos próximos episódios. Creio que essa ideia será uma boa forma de aprofundar o trabalho em equipe do professor e as alunas. Com isso vamos ver como vai ser o desenrolar das coisas e torcer para que o anime tenha um desenrolar melhor, sem uma ansiedade ou emoção chata.

Alto Poder de Cura

Comentários