Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Vão-se dez horas desde que assisti os episódios 2 e 3 (e escrevi o artigo em seguida) e acertei o mais importante dos mistérios: o objeto na mão do Reiner era mesmo uma lata, a mesma que aparece muito rapidamente no encerramento do anime! O que pode ser mais importante que uma lata aleatória para ajudar a desvendar um grande mistério, não é?

Mas um mistério esclarecido não poderia vir sem outro mistério para substituí-lo: se não erraram na tradução aquelas latas tinham arenques. Mas de onde vieram os arenques em primeiro lugar, considerando que eles são peixes de água salgada e até onde se sabe a última cidadela humana em Ataque dos Titãs não tem acesso ao mar? Sim, isso é picuinha e estou apenas sendo chato, não ligue.

O que me frustrou de verdade é que achei que esse episódio seria sobre o Reiner, não sobre a Ymir. Espero que eu seja compensado no próximo com um episódio sobre o Reiner, embora a prévia tenha dado dito que será sobre a Ymir. Eu simplesmente não me importo tanto assim com a Ymir.

Mas para começar a refletir de verdade sobre o episódio retomarei à lata. Agora vou falar sério! Acho meio besta que uma lata acabe sendo um ponto importante no enredo mas vá lá – ei, isso é Ataque dos Titãs, o anime da batata! O que é uma latinha, não é mesmo? Enfim. O castelo estava em ruínas e a informação supostamente aleatória de meio de episódio sugere de forma nada sutil que seus canhões não estavam lá para combater titãs, logo o local é muito velho. As latas podem ser apenas assim velhas, de uma época em que se escrevia com alfabetos diferentes, se pescava arenques e os titãs ainda não eram uma preocupação. O único furo nessa teoria: a comida e a bebida dentro do castelo foram tratadas pelos personagens como sendo novas. E a lata não parecia consumida pelo tempo.

A história específica sobre a lata pode ser sim uma picuinha mas para um item alçado a tamanha importância acho justo. Ao final do episódio quedou-se provada a minha teoria de que a Ymir era uma humana-titã. E o comportamento do Reiner continua me fazendo crer que ele também é um titã – só parece que errei na parte em que achei que todos os humanos-titãs estivessem unidos, agindo juntos. Quero dizer, ele poderia muito bem achar incomum que a Ymir lesse letras esquisitas. Estranho. Suspeito talvez. Mas a reação dele foi praticamente acusatória – isso e o fato dele ter percebido muito rápido que a Ymir havia, de fato, lido aquela lata. Poderia ter uma aberta dentro daquela caixa e foi assim que ela viu, não foi? Ou ela poderia ter chutado. Ou visto errado. Mas nada disso passou pela cabeça do Reiner: ele tinha certeza que a Ymir havia lido a lata. E a Ymir também foi rápida em lançar um olhar ameaçador para ele, como quem soubesse o que ele estava a ponto de dizer.

Ainda não dá para cravar que o Reiner seja um titã (de novo, se você já leu o mangá, peço que não dê spoilers, sim? Eu não li ainda, tô chutando tudo!), e ele tem algo forte a seu favor: não se tornou um titã após sangrar. É assim que o Eren se transforma, foi assim que a Ymir se transformou. Mas a essa altura ainda não estou disposto a desistir da hipótese do Reiner ser o titã encouraçado só por isso. Até porque há uma outra pista, essa menos fática e mais, não sei como dizer, simbólica? O Connie fez questão de lembrar como, além do Reiner, a Annie já o havia salvo antes. Claro que o Connie não está insinuando nada, mas nesse tipo de construção entra o gênio de criador: o expectador sabe que a Annie era uma humana-titã. O Connie comparou o Reiner à Annie (por outra coisa absolutamente sem relação nenhuma com esse fato). Portanto … bom, é por aí.

Nada é dito de graça

O que me leva à vila do Connie. Eu evitei o assunto no artigo sobre os episódios anteriores porque já era coisa passada, mas agora acho que encontrei motivo para retomá-lo. Não há sinal de, er … banquete na vila do Connie. Não obstante, todos os habitantes estão desaparecidos. Podem estar entre os refugiados naquela cidade onde o Eren parou? Podem. Mas creio que no meio da tarde ainda não havia dado tempo para todos eles se escafederem de lá, sem montaria, e não serem encontrados pela tropa de exploração que partiu naquela exata direção. E a vila estava destruída. E a mãe do Connie estava em sua casa, de onde nunca saiu. E aquela era a vila ao sul de onde os titãs foram vistos vindo pela primeira vez. Oh sim, estou sugerindo que todo mundo ali virou titã. Isso explica porque não há buraco na muralha – os titãs vieram de dentro.

Humanos-titãs, como Eren, Annie e Ymir? Com tantos deles já tendo sido mortos alguém teria visto os humanos. Mas não há humanos. Então humanos estão sendo transformados em titãs mesmo, do tipo normal, não do tipo metamorfo? Bom, os titãs precisam surgir de alguma forma em primeiro lugar, e parece que começa a haver uma pista. Ou mais um mistério do anime que tem apenas mais oito episódios pra contar tudo. Ok, tudo ele não vai contar, o mangá continua, mas pelo menos um pouquinho eu espero que dessa vez ele conte.

  1. “Agora vai lá e corte a maior árvore da floresta”. Referências, hehe. Mas, já que você levantou esse assunto, também fico me perguntando como eles podem ter adquirido essas porções de arenque. Será que a tropa de exploração consegue chegar á costa e trazer esse tipo de coisa. Aliás, não me lembro de ter visto uma localização exata de onde essas muralhas se localizam em um território maior. Mas acho que o Armin, lá na primeira temporada, comenta sobre essas maravilhas do mundo lá fora. Enfim, sei lá, haha. Vai ver é um caminho sem saída como querer problematizar a tecnologia em Naruto.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Obrigado por reconhecer a referência, LOL

      Lembro em algum momento da primeira temporada de um mapa da cidadela inteira. Nenhum sinal de mar, apenas os poucos rios que correm por dentro dela mesmo.

      Sobre a tropa de exploração: eles não conseguem chegar nem na casa do Eren, que um dia já ficou dentro de seus limites, hehe, que dirá além deles! Que dirá chegar lá e pescar em quantidade suficiente e com frequência suficiente para que a atividade seja economicamente viável o bastante para ser industrializada em latinhas.

      Mas sim, isso é uma discussão completamente inútil =D

      Obrigado pela visita e pelo comentário!

Comentários