Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

A revitalização da pequena e simpática cidade de Manoyama passa pelo turismo. Todavia, as nossas heroínas tem que achar as respostas para perguntas do tipo: “Como fazer uma cidade atrair turistas? E se a cidade for pequena e não tiver muito a oferecer?”

Curta o anime21 no facebook:

As meninas até agora cometeram o mesmo erro do velho Kadota, que foi apostar todas as fichas em algo aparentemente impactante a fim de despertar um interesse imediato nos turistas. Enquanto ele criou aquele reino fictício e transformou o Chupacabra em um representante local, elas focaram em deixar a arte tradicional de entalhar madeiras superficialmente mais atraente e comercializável, sem se importar com a opinião das pessoas.

Se entalhar madeiras é uma arte tradicional de Manoyma, tentar modificá-la com o pretexto de deixá-la mais moderna e atrativa comercialmente passa a imagem de que a arte não é valorizada. As meninas têm boas intenções e estão motivadas, especialmente a Yoshino. Entretanto, elas estavam focadas em algo que causasse impacto imediato nos turistas, e como disse acima, isso é um erro, pois não basta apenas algo momentâneo e de impacto para aquecer a economia local, também é preciso que a cidade tenha algo que crie uma identidade com o povo local. Voltando ao caso do Chupacabra, acho que nem todos foram a favor dessa ideia, e esse elemento não fazia parte da cultura local, ele foi introduzido a fim de atrair turistas para que a cidade tivesse uma boa arrecadação financeira.

Essa ideia de unir tradição e inovação (juntar a arte de fazer esculturas às invenções de Doku) não é de todo ruim pois a partir dessa junção talvez surgisse algo interessante, mas a questão é se realmente é isso que as pessoas querem.

Nesse episódio, a Sanae, blogueira e ministra do TI, ganha destaque. Ela, assim como Yoshino, também se mudou da cidade grande para Manoyama, mas diferentemente da protagonista, ela se mudou não por falta de oportunidades em Tóquio, e sim porque estava insatisfeita com a sua vida pois percebeu que não tinha nada especial lá. Como a própria Sanae disse, ela se esforçava e se dedicava tanto ao trabalho, mas notou que o que ela fazia não era algo especial e que qualquer um poderia fazer. Então houve um contraste com aquele escultor, pois ele faz algo que só ele poderia fazer devido ao seu talento.

Ao chegar em Manoyama, Sanae usou sua habilidade de fazer blogs para ganhar a vida naquela cidade, mas ela não aprendeu nada sobre o local. Então, ao tentar ajudar a revitalizá-la, ela se deparou com a sua própria inutilidade. No fim ela parece se conformar com o fato de não estar sendo útil, mas provavelmente ela encontrará uma resposta que provará que ela também pode sim contribuir para aquela cidadezinha.

Muito obrigado a todos que leram este singelo artigo!

 

 

  1. Este anime, está cada vez mais interessante. A cada episódio de Sakura Quest, identifico-me cada vez mais com a temática que ele trabalha. Eu nasci numa cidade do campo, hoje já com 21 anos, continuo no campo e muitas das situações que a Yoshino tenta resolver ao longo deste episódio, também se passam na minha terra Natal. Ainda hoje me lembro da dificuldade que a minha terra Natal teve para se adaptar aos tempos modernos. A minha terra Natal durante muito tempo foi famosa pela produção de um excelente vinho, desde a plantação das videiras, colheita das uvas e a poda das videiras, tudo era feito de forma artesanal. Isto atraia muitos turistas tanto estrangeiros, como pessoas de outras regiões de Portugal. Ainda hoje a minha terra Natal possui como imagem de marca, o símbolo da videira e até tem um titulo de capital do vinho. À primeira vista, parece que a modernização da minha terra Natal correu bem, mas não correu. Devido às leis da União Europeia no que toca, ao desenvolvimento das áreas rurais, muitas das vezes faz mais mal do que bem. E no caso da cidade onde nasci e vivo, foi isso que aconteceu, com a modernização da agricultura e a introdução de novos métodos de produção de vinho, a cidade onde eu nasci, perdeu muito das suas características, que durante dezenas de anos encheram de orgulho várias gerações. Aqui a modernização não deixou espaço para a tradição da cultura do vinho e até outras. Em Sakura quest, é a mesma coisa, a Yoshino está a tentar de tudo para que a tradição de entalhar a madeira se possa conciliar com a modernidade, que aqueles tempos do anime exigem. Eu acho que aquele amigo do Tatsuo tem razão, à certas coisas que não combinam com as tendências mais modernas, principalmente se for por motivos financeiros (mas neste caso, se é para salvar aquela cidade, acho que vale a pena). Eu sempre admirei, esculturas de madeira, eu tenho duas esculturas de madeira, uma em formato de dragão e uma com o formato de leão, feitas por um mestre marceneiro da minha cidade. É fascinante, a versatilidade da madeira, eu amei os detalhes das ranmas que apareceram neste episódio de Sakura quest.
    Deixando a parte da tradição de entalhar madeira no anime, Mas o episódio não tocou apenas no problema daquela cidade, ele também foi tocar numa personagem, que eu nunca pensei que fosse ter tanto destaque. A Sanae depois de ver a relutância de mudar do amigo do Tatsuo e depois daquela frase, no mínimo maldosa mas verdadeira que ele disse para a Sanae. A Sanae fugiu da cidade, pouco se sabe do porquê, mas o motivo principal deve ter sido o excesso de trabalho (aquilo que os japoneses chama de Karoshi). A Sanae na grande cidade, não conseguia viver uma vida plena, ela até podia ter sucesso no seu trabalho, mas não era feliz. O pouco que a Sanae contou do seu passado para a Yoshino, demonstrou isso mesmo. Ela não tinha necessidade de fazer tudo sozinha, sempre haveria alguém para a substituir e fazer o trabalho dela, ela não tinha necessidade de concntrar todas as responsabilidades do trabalho só para ela. Este discurso dela, foi meio que uma referência indirecta ao amigo do Tatsuo. Este veio de outra região, para aquela cidade para ser um aprendiz de marceneiro, e ele levou isso mesmo a sério, ai ele não concordar com as ideias da Yoshino e das amigas.
    Quanto ao resto do episódio, eu adorei a parte dos exoesqueletos, o Japão foi pioneiro no teste deste tipo de equipamento e a China seguiu-lhe os passos. Os exoesqueletos são uma obra de engenharia robótica muito interessante, principalmente para ajudar as pessoas de mais idade e quem sabe, como tudo o que o ser humano fez e faz, talvez seja utilizado para fins militares. O velho Doku é um senhor personagem.
    Pode ser impressão minha, ou a Sanae ficou interessada no amigo do Tatsuo, não esperava um romance neste anime, na fase inicial.
    Como sempre, mais um excelente artigo de Sakura Quest Flávio.

    • Flávio

      Primeiramente, obrigado pelo comentário. Querendo ou não a modernidade causa efeitos nas pessoas, tanto na cidade quanto no campo. tais consequências podem ser positivas quanto negativas. Concordo contigo quando afirmaste que determinadas coisas não combinam com a modernidade, poi certas coisas tem seu valo pelo simples fato de ser algo tradicional passado de geração a geração.
      Até mesmo personagens secundários desse anime como o mecânico Doku são simpáticos.
      Sobre a modernização no campo em Portugal, gerou ou tirou empregos? Com a União Europeia o vinho português passou a competir no mercado de outros países do bloco?
      Ler os comentários positivos sobre o vinho português deu até vontade de experimenta-lo.

      • A modernização no campo em Portugal, tirou muitos empregos e famílias inteiras da agricultura. Com a introdução das máquinas agrícolas, a mão-de-obra humana deixou de ser necessária. Hoje em dia em dias de colheita de cereais ou mesmo das vindimas bastam dez pessoas para manusearem as máquinas, ao que se fosse pelo método de colheita tradicional seriam precisas dezenas de pessoas para fazer esse mesmo trabalho. Os vinhos Portugueses, sempre foram famosos no mundo todo, principalmente o vinho do Porto, mas quando Portugal entrou na União Europeia em 1986 a produção de vinho teve um grande aumento, tanto de qualidade e quantidade como em exportações. Hoje em dias os vinhos portugueses são exportados para todos os países membros da União Europeia, para o Brasil e Estados Unidos da América e mesmo para a Ásia sendo a China um dos maiores importadores de vinho Português neste momento. Os vinhos Portugueses são muito bons, com uma excelente qualidade. E o melhor cada região vinícola, produz um tipo diferente de vinho, dai os turistas terem uma grande opção de escolha no que toca à prova de vinhos. A região vinícola do Alto Douro é responsável pela produção do famoso vinho do Porto, a Região do Ribatejo e Oeste (zona onde moro) produz excelentes vinhos tintos e brancos, tanto que nesta região à uma pequena cidade rural com designação de Capital do vinho. E no Alentejo e Algarves também se produzem excelentes vinhos tintos e alguns vinho rosado.

Comentários