Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Já tentou introduzir algo “ruim”? Ou até quem sabe, apresentar algo de ruim para alguém? É meio complicado, não? Ao meu ver, é bastante complicado, mais do que deveria. Além de anormal, introduzir algo “ruim” não é nada “legal”, por justamente ser algo ruim. Contudo, apesar desse algo que será introduzido ser ruim, isso também é difícil de ser introduzido, por justamente ser ruim.

Basicamente escrevi nada com nada, não? É, por aí. Na verdade, minha intenção aqui era de justamente escrever nada com nada, mas por algum motivo, esse nada fez sentido, de verdade, se não entendeu, leia com mais atenção, com toda certeza vai entender. Apesar de ter sido “nada”, consegui me expressar da maneira que queria. Por que disso? Bom, esse episódio 5 de Sagrada Reset foi bem ruim, não concorda?

Antes de mais nada, deveria dar algumas explicações, até porque já é óbvio que não é o Flávio que escreveu esse artigo. Para quem não sabe, eu era responsável por Kabukibu!, mas por motivo de força maior, infelizmente os episódios não estavam mais saindo, muito menos os meus artigos. Então, vendo que eu estava escrevendo apenas sobre um anime (Atom), o Flávio decidiu me ceder Sagrada. Desde já, a partir de agora estarei responsável por Sagrada Reset.

Enfim, indo direto para Sagrada, mais especificamente para este horrível episódio 5, tivemos uma confusa trama idiota ilustrada com um drama barato. Certamente não estou exagerando quando digo que este episódio foi horrível, pois não existe adjetivo melhor para descrever esse episódio.

Por qual motivo achei esse 5º episódio tão horrível? Não adianta nada eu falar mal e não explicar o motivo, apesar de popular nas redes sociais, esse tipo de prática é bastante idiota. Outra coisa bastante idiota, por sinal, foi esse episódio, que já começou todo errado quando não deixou claro se estava no: passado, futuro ou presente. De verdade, pode parecer algo simples, mas apenas mostrar a data e hora no início não adiantou de nada, aquele início me deixou um pouquinho confuso. Só para constar, estava no passado, certo? Até porque foi no início da vida colegial dos protagonistas.

Eu sei que as imagens acima não possuem qualquer pingo de nexo com o que eu escrevi lá em cima, mas o objetivo dessas figuras é ilustrar o que vou escrever aqui embaixo. No caso, partindo diretamente para o que mais me irritou em relação a este episódio: a trama ridícula envolvendo a garota.

Primeiro de tudo, que tipo de poder “conveniente” é esse? Me passou até a sensação que ela só tem esse poder e essa personalidade para justamente criar uma trama dessa no futuro. Isso é viagem minha, eu sei, mas é bastante bizarro, não acha? Aliás, se ela já usou esse mesmo poder outras duas vezes, como diabos conseguiu escapar antes e agora não consegue mais? Então, furo de roteiro, olá!

O drama em si foi besta, tão confuso quanto besta. Uma garota certinha que sofria bullying por ser certinha, mas sua professora a incentivou a ser ainda mais certinha porque do ponto de vista dela isso era incrível. De repente, por conta desse incentivo da professora, a garota certinha resolve se tornar uma menina pura porque isso seria o ápice da sua vida. Entretanto, com o tempo ela também queria fazer coisas não tão “certas”, mas por querer ser uma menina pura não fazia nada de errado e fim.

No final das contas, ela basicamente entrou em pane por absolutamente NADA. Já vi esse tipo de trama em vários animes, não da maneira que aprofundaram em Sagrada, mas eu absolutamente já. Sinceramente, eles tornaram essa trama mais complexa do que deveria ser, até porque a resolução dela foi a coisa mais simples e idiota do mundo.

O que o poder da garota tinha a ver com a pureza que ela queria alcançar? Absolutamente nada também. Esse episódio foi uma combinação bizarra de muitas coisas bizarras. Porém, é notável que o objetivo em si do episódio foi de apresentar a personagem, não interfere no enredo do anime.

Só pra concluir de vez, sei que não foi um dos melhores artigos do mundo, mas esse episódio foi tão “aaaah” que foi difícil escrever sobre ele. Os outros episódios de Sagrada também foram bem ruinzinhos, salvo o episódio 4. A animação também não ajuda, tem algumas deformações e não é fluida. Pelo menos para mim, Sagrada Reset está sendo o combo da merd*, tem muitos pontos negativos e poucos positivos. Os diálogos quase sempre são expositivos ou não fazem sentido, além disso, os personagens são estranhos e os seus poderes são convenientes até demais. São uns 20 episódios, né? Vamos ver onde isso vai dar, espero que melhore.

  1. “O drama em si foi besta, tão confuso quanto besta.” (?????????????)
    Desde quando estar em conflito entre fazer o CERTO e o ERRADO é um drama BESTA? Todo ser humano passa por esse conflito moral, claro que em Sakurada foi uma situação super simples como a de comer ou não um doce na escola dela por ser proibido, mas podemos claramente imaginar situações mais complicadas e que entramos nesse dilema de querer fazer o certo pra continuar sendo uma pessoa “pura”, “íntegra” ou fazer o errado, levando em conta nossas emoções e sentimentos do momento corriqueiro. Percebo uma obstinação mórbida a sua de não querer compreender qual a lógica por trás desse “drama besta”, por sabe-se lá qual motivo.
    Você está dando hate gratuito, ninguém é obrigado a gostar de Sakurada Reset, mas seus argumentos estão totalmente estranhos e maior parte dele são chavões.
    “A animação também não ajuda, tem algumas deformações e não é fluida.” Isso aqui é um exemplo de chavão, quando não temos mais do que reclamar, falamos mal da animação, queria saber qual exemplo neste episódio que a animação “não ajuda”, realmente atrapalhando a experiência do telespectador como isso aqui: http://imgur.com/3iB1UZ4. Se tiver de fato, estou totalmente aberto a retirar essas minhas palavras e reconhecer meu erro quanto a animação.
    Desculpa, mas você está fazendo força pra dar hate num anime que, ao meu ver, tem a intenção de nos apresentar reflexões um tanto interessantes em cada episódio e que tem poderes diferentes e BONS SIM, e falar que são convenientes não me convence que é um defeito, longe disso, até porque a própria palavra conveniente tem o sentido de que é algo “apropriado”, “interessante”. O episódio 5 é onde, pela primeira vez, Sakurada Reset sobe de degrau, passa de um simples anime de resolução de problemas cotidianos com poderes, pra ser algo que trata de problemas intrínsecos da nossa espécie e que só vai melhorando, chegando no seu ápice até então (episódio 9) onde foi discutido se era moralmente aceitável, salvar uma pessoa e deixa-lá feliz ao mesmo tempo que causa miséria e sofrimento a outra.
    Recomendo que reveja o episódio, tirando toda a carga de preconceitos que você tem, já entra no episódio cheio de opinião formada, querendo atribuir defeitos que a ele não pertencem. No mais, concordo que a trama foi um pouco confusa, o anime peca pelo excesso de informações nos diálogos, o que deixa a pessoa perdida pra acompanhar, mas que no final tudo foi encaixado.

Comentários