Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

A Rainha Demônio da vez é Mamon, da ganância, avareza. Religiosamente, esse é um “demônio complicado”. Na Bíblia é citado apenas no Evangelho de Lucas:

“…não podeis servir a Deus e a mamon”
trecho de Lucas 16:13

Mas o problema só começa aí. Não existe, até onde se sabe, entidade (deus ou demônio) com esse nome. Em idiomas como o hebreu e o aramaico, a palavra significa apenas dinheiro, tesouros, riqueza, ou os ricos em geral. E isso é exatamente o que se encontra em algumas versões desse trecho: “não podeis servir a Deus e às riquezas”. Aparentemente, apenas no século 4 surgiram as primeiras interpretações de Mamon como uma entidade. Gregório de Nissa disse então que Mamon era apenas outro nome para Belzebu. A versão literária mais famosa de Mamon vem do Paraíso Perdido de Milton (no qual Sin: Nanatsu no Taizai parece se inspirar bastante), que descrevia Mamon como um anjo caído que valorizava os tesouros terrenos acima de qualquer outra coisa. O ocultista Jacques Collin de Plancy, em seu Dicionário Infernal, descrevia Mamon como o embaixador do Inferno na Inglaterra. Muito adequado no século 19, quando foi escrito.

Em Sin: Nanatsu no Taizai, ainda que não seja embaixatriz, Mamon continua na Inglaterra até hoje.

Curta o anime21 no facebook:

Não, Maria, não é normal entrar em um estabelecimento privado e pegar moedas ou quaisquer coisas caídas no chão para si

Para entender Mamon, no anime e fora dele, é preciso entender que mesmo como demônio da avareza isso não significa que ele seja necessariamente ligado à riqueza terrena. Mamon não precisa ser ela própria gananciosa, mas sim usar a ganância do ser humano contra ele próprio, escravizando-o e com isso condenando sua alma ao inferno. Assim, tanto pobres quanto ricos podem sucumbir à ganância: uns por desejar o que não têm, outros por se apegarem demais a um tesouro mundano, efêmero. A Mamon efetivamente escravizava as mulheres com as quais fechava negócios, mas era ela que estava na ponta que recebe o dinheiro – e as almas. Mesmo assim, e ainda que ela tenha demonstrado extrema avareza, ao fim e ao cabo ela não estava buscando dinheiro apenas pelo dinheiro, mas sim como um meio para sustentar suas centenas de “bebês”. Uma versão um pouco confusa do demônio, não é?

As centenas de escravas de Mamon

Se a caracterização foi mais confusa do que de costume, a batalha foi a mais simples até agora. Lúcifer não derrotou Mamon com um elaborado plano, nem fê-la perder temporariamente seu poder negando a natureza pecaminosa de seus desejos e atos, mas simplesmente a enfrentou em combate direto e, ainda incapaz de vencer pela força, apenas causou o maior prejuízo material possível ao ponto de fazer a Rainha Infernal se render. Menos astuto, menos divertido, mas bem, funcionou, não é?

Lúcifer quebrou e tacou fogo em tudo

Não que eu esteja contabilizando, mas creio que esse também foi o episódio com menos conteúdo explícito. Nenhum tentáculo ou simulacro de tentáculo foi avistado! Claro que não poderiam faltar os mamilos e as mamadas, aí já seria demais, então teve e teve mais de uma vez, mas ainda assim, comparado ao que se viu nos episódios anteriores, esse quarto episódio de Sin: Nanatsu no Taizai foi de longe o mais “comportado”. Nem mesmo a cena de tortura foi sexualizada!

Bom, não muito sexualizada. O Cavalo de Madeira utilizado era um instrumento de tortura naturalmente sexual, e usado exatamente da forma como foi retratado no anime: a pessoa fica sentada nele e o formato garante que esse não seja um assento muito agradável. Não faltou nem o mais importante detalhe: nos pés ou pernas das vítimas eram pendurados pesos para que o corpo fosse puxado com ainda mais força, lentamente rasgando a genitália. E quando a situação é atroz sempre podemos contar com Leviatan, não é? Para piorá-la. Quando ela desmaiou e deixou o peso de seu corpo em cima da Lúcifer, a dor que a anjo caída sofreu deve ter sido excruciante. Lúcifer é uma santa por aguentar a Rainha da Inveja.

Boa, Leviatan!

  1. Este episódio de Nanatsu no Taizai, não terei muito o que comentar. Isto é, eu nunca pensei que o anime, fosse dar destaque a um dos instrumentos de tortura mais cruéis alguma vez usadas pelo Santo Oficio, a Mula. A Mula a olho nu pode parecer um objecto inofensivo e um pouco fora do contexto de uma peça de mobiliário de uma casa daquela altura. Mas se uma pessoa fosse lá coloca em cima, com umas correntes e pesos nos pés e a mão atacadas, o sofrimento seria absurdamente indescritível. Muitos dos relatos de testemunhas do uso deste instrumento de tortura, descreviam este instrumento como o inferno na terra, principalmente no caso dos homens. Imagine-se colocar um homem de 70 a 90 quilos, em cima da Mula, com uns bons pesos presos aos pés, esse homem além de ficar em sofrimento físico ele ficaria mais vulnerável em termos psicológicos, dai a Mula ser um dos instrumentos favoritos dos Inquisidores. Muitas das pessoas que passavam, pela Mula morriam, muitas delas devido ao ferimentos que essa máquina de torturam provocavam (muitos dos homens, morriam devido a hemorragias na zona genital), por hemorragia e mesmo septicemia (já que as roupas que a as pessoas naquela altura usavam não eram propriamente limpas). No que toca às mulheres, muitas delas morriam devido à tortura, a tortura e os ferimentos provocados pela máquina da tortura eram demais para uma mulher suportar.
    Mas passando ao episódio, a Mamon foi o pecado mais fraco até agora, esperava mais de um pecado que eu também sofro a avareza (como eu amo o vil metal). E para piorar a Levi só faz porcaria, como sempre, a Maria é sempre a mesma coisa. Eu mesmo gostando da Lúcifer, achei a parte da tortura com um alto teor de apelo sexual, coisa que não gostei. Até o final foi meio meh, mas quem sou eu para reclamar deste anime e aquilo que ele quer vender.
    Como sempre mais um excelente artigo Fábio. Foi bem mais divertido ler este artigo duas vezes, do que ver os 24 minutos de duração deste episódio de Nanatsu.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Instrumentos e métodos de tortura são fascinantes, principalmente os mais criativos =D O que mais me provoca arrepios sempre que penso nele é o Touro de Bronze. Coisa horrível.

      E sobre o episódio não há muito o que falar mesmo. Foi bastante direto. Se no episódio anterior a Maria percebeu que o mundo havia se tornado um lugar melhor depois da ação de Lúcifer, nesse ela própria deu uma lição de moral em Mamon. E o mundo está um pouquinho melhor, pelo menos para aqueles que não estavam escravizados por ela há séculos, né, imagine aqueles aldeões medievais lá o que farão da vida agora. Certamente acharão que continuam no inferno.

      Por outro lado, insisto que achei esse o episódio menos sexualizado. A tortura em si era razoavelmente sexualizada mas digamos que era algo no contexto do cenário pelo menos. Quero dizer, o Cavalo de Madeira realmente existe, mas os tentáculos de água da Leviathan ou de plantas da Asmodeus não existem senão na enciclopédia de clichês sexuais de animes. Fora isso os mamilos e mamadas estiveram presentes em todos os episódios anteriores também. Não é que esse tenha sido bom nesse aspecto, mas sim que todos os outros foram piores. Em história, porém, foi sim o mais fraco.

      Obrigado pela visita e pelo comentário =)

      • O Touro de Bronze foi o pico da crueldade do ser humano. E o mais irónico, é que tal instrumento de tortura foi inventado, pelos gregos, povo pai da democracia.
        Chegaste a ver a bosta, que foi o episódio de recapitulação que saiu no lugar do episódio 5. Acho que nunca vi um episódio de recapitulação tão mal feito.

      • Fábio
        Fábio "Mexicano" Godoy

        Pico nada, o escafismo (https://pt.wikipedia.org/wiki/Escafismo) é muito pior na minha opinião. Mas eu me arrepio mais quando penso em ser assado vivo.

        E nunca vejo episódios recap. Acho perda de tempo, já tenho coisa demais pra assistir. De todo modo, mal sinal. Devem estar atrasados na produção. A qualidade pode cair bastante quando o anime retornar.

      • Eu já tinha lido, sobre esse método de tortura num livro, mas nunca tinha percebido que o escafismo é mesmo a pior forma de tortura possível. E já agora obrigado pelo link com informações sobre este método de tortura.
        O recap foi uma porcaria, só mostrou os acontecimentos mais importantes dos 4 episódios, mas com um narrador com uma voz trash ainda por cima. Eu não o vi por completo, pois se eu já vi os 4 episódio, porquê iria perder o meu tempo a ver um recap daquilo que eu já vi.

Comentários