Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

E com um pouco de atraso, está aqui o artigo sobre o décimo terceiro e último episódio de Tales of Zestiria the X segunda temporada e do anime inteiro. É só um pouco de atraso mesmo, pois eis que a Ufotable houve por bem atrasar em um mês o lançamento do derradeiro final da saga de Sorey e companhia. E com um mês a mais, eles produziram um episódio abaixo da média do mês anterior. Ou de qualquer outro mês. Um episódio que não fez justiça à Tales of Zestiria – e olha que nem achei o anime muito bom. Avalio-o como apenas “bom” (segundo critério do MyAnimeList – nota 7 significa good, bom).

Sinto uma preguiça danada, mas não tem jeito, tem? Vamos terminar com isso logo.

Depois de invocar o poder de todos os elementos e se transformar no Capitão Planeta, Sorey derrota o Lorde da Calamidade, que foi muito cavalheiro e esperou imóvel e em silêncio durante os dois minutos da sequência de transformação, exibição, adequação e palavras de incentivo do Sorey, serafins e suas escudeiras (que estavam só assistindo e torcendo muito praquilo dar certo porque senão as duas é que teriam que dar conta do Leomon sozinhas, ou seja…). Então foi a vez do Lorde da Calamidade começar a sua própria sequência de transformação, crescimento e urros enquanto o Sorey devolvia a gentileza e apenas aguardava. Quanta educação de lado a lado! Acho que eles estão certos, não é só porque está em jogo a sobrevivência do mundo e de todas as pessoas e seres que devemos deixar os bons modos em casa.

E eu fiquei esperando os dois. Educadamente, é claro.

A luta em si foi bem mais fácil e curta do que eu esperava. Sorey espancou o vilão com sua espada superdimensionada e ele caiu derrotado no chão. Aí foi só usar seu poder para aspirar a Malevolência dele e voilà! Lorde da Calamidade derrotado e purificado e … ei, ele continuou transformado em Leomon? Pode isso? É lógico que não pode, mas a minha opinião é que se a Rose e a Alisha, que haviam quase morrido e ficaram desmaiadas por dias após purificar um único dragão, apenas caíram de bunda no chão e reclamaram de estar um pouco cansadas (mas logo se levantaram) após purificarem o fucking Lorde da Calamidade, então deveria poder tudo. Mas não pode, não, de jeito nenhum. Purificado ele deveria ter desaparecido ou voltado à forma (humilde que merece, carta clow!) humana. Só que a Malevolência do mundo aparentemente penetra no subsolo que nem água (e deve formar lençóis e aquíferos também? Quero dizer, malevoríferos??) e adquiriu vontade própria ou foi culpa da maldição do antigo pastor (melhor pastor!) ou sei lá, e estava entrando no corpo do vilão.

Ele levantou. Mais perigoso do que antes. Mais malevolento do que antes. Mais imóvel do que antes. Ok, mentira, agora já estou implicando… mas se você assistiu Zestiria até o final, como eu, episódio a episódio, e aguardou uma droga de mês inteiro por esse episódio final, deve saber como me sinto, não é? Zestiria que implicou comigo primeiro! Enfim. Em sua forma revivida e recarregada de Malevolência a maior maldade que a criatura destinada a trazer o fim para todas as coisas conseguiu conceber foi usar telecinese para erguer os mocinhos no ar e arremessá-los ao chão, intactos, sem dano relevante. Vá lá, eu concordo com a interpretação do Sorey de que o bichão lá queria ser derrotado, então nem acho isso de todo ruim. Eu já achava isso desde o episódio anterior, aliás (e tenho a impressão que o Sorey também).

Nadou, nadou, e morreu afogado no lençol freático

Mas como derrotar uma criatura alimentada por toda a Malevolência do mundo? Purificando ela devagarinho, é lógico. Não estou zombando dessa vez, é algo lógico mesmo, se for possível, então a decisão em si não é má, só não é exatamente a coisa mais legal de se assistir ao final de um épico de aventura fantástica. Teve até uma metáfora bacana com água como agente purificador e coisa e tal. Aí fim! Digo, não, nada de fim ainda porque o episódio está apenas na metade. Segue um salto no tempo de uns poucos anos e o anime mostra como todo mundo está depois de tanto tempo, estilo novela da Globo, enquanto toca uma música de fundo legal (achei legal de verdade). Alguns comentários sobre esse epílogo:

  1. Adorei a Rose e a Alisha mais velhas e maduras. Bom, mais velhas e com corte de cabelo diferente, na verdade (e a Rose mais acinturada);
  2. Falando em Rose e Alisha, a princesa agora é rainha, mas fiquei com a forte impressão que ela não irá gerar herdeiros, se entende o que quero dizer…;

    Eu que tenho a mente suja ou … ?

     

  3. Foi um final bastante religioso, e um pouco cristão, talvez? Senão vejamos: Sorey se sacrificou para salvar a todos e deixou suas escudeiras (apóstolas) com a missão de contar tudo o que ele viu, tudo o que ele fez e tudo o que ele pensa – em resumo, espalhar a Sua Palavra;
  4. Faço a ressalva, contudo, de que a ideia de que um pouquinho de Malevolência (pecado) faz parte e de que devemos viver em equilíbrio com ela não é nada cristã;
  5. Mas dá para contra-argumentar que Sorey não disse que os humanos devem exatamente conviver com a Malevolência, mas superá-la para se tornarem mais fortes, e isso pode ser interpretado como a forma como um cristão deve ter uma vida reta e arrepender-se de todo o pecado – enfim, esse assunto sozinho dá muito pano pra manga então paro por aqui;
  6. A parte que mais me emocionou nesse epílogo e no episódio inteiro (talvez a única que me emocionou) foi ver a Edna sorrir e falar sobre seu irmão;

Melhor cena. Sorria mais, Edna!

E poderia ter acabado aí que já tava bom ruim o suficiente. Mas não. O Sorey tinha que voltar, falar só com o Mikleo e ignorar todo mundo que ficou esse tempo todo esperando por ele. Não é dito quantos anos se passaram, então vá lá, é possível que Rose e Alisha já tivessem morrido depois de viverem juntas e felizes por décadas, mas e os outros serafins? Ele até fala sobre visitar o velho líder de sua aldeia, mas depois. Agora o mais importante é ir passear em uma ruína. Para uma figura divinizada o Sorey sabe ser bastante desconsiderado com os outros, hein? Ah, e que fim levou o Lorde da Calamidade? Tá de boa em outra cidade não especificada onde pretende recomeçar sua vida. Ele nem aparece. Então tá. Obrigado, Ufotable! Por que continuo assistindo seus animes?

A não ser que isso seja o Sorey e ele foi encontrar-se com a Lailah primeiro (e pedir um corte de cabelo pra ela). Continua ruim igual.

  1. Finalmente Tales acaba e sinceramente este episódio final podia ter sido melhor. Não que os outros episódios, tenham sido muito melhores (excepto os episódios do flasback da Rose), mas esperar um mês, para ver uma coisa destas, niguém merece. Eu pensar que a luta ia ser daquelas lutas épicas, que fazem as pessoas falar dela, mesmo quando se passam uns bons anos do final do anime. Tirando a luta deste episódio, que foi de longe pouco memorável, o resto até foi bom. Gostei de ver a Edna feliz e a falar com o seu irmão (mesmo este continuando em forma de dragão). A Alisha e a Rose ficaram ainda mais lindas do que já eram, na sua versão mais velha. E sim eu pensei a mesma coisa que tu quiseste dizer em relação à Alisha e a Rose. Elas ficam muito mais intimas do que já eram, se bem que se elas ficassem juntas até seria bem interessante. A Alisha pelos vistos conseguiu algumas soluções que almejava, tanto que ela até fez uma aparição pública com o Imperador de Rolance na catedral da Senhora do Lago. As mais fiéis escudeiras e cavaleiras dela, continuam engraçadas como sempre sempre, principalmente a arqueira.
    Quanto ao Sorey e ao serafim da água, não tenho nada a comentar. Até o senhor calamidade conseguiu uma segunda chance de refazer a sua vida. E é aqui que se coloca a questão, Ufotable custava muito colocar um frame com o senhor calamidade na sua nova vida, mas não preferiram colocar vários frames com o Sorey e o outro Serafim que eu não me lembra o nome, a partirem para uma nova aventura.
    Em suma, Tales Of Zestria, tinha tudo para ser um anime interessante e teve partes interessantes, mas de resto Tales optou pelo caminho de manter a qualidade da história no mediano e assim acabou. Concordo que a nota 7 que lhe deste no MAL, foi mais do que justa.
    Como sempre, mais um excelente artigo de Tales Fábio.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      “Podia ter sido melhor” é o que eu penso sempre que assisto algo do Ufotable. Sério, por que a gente continua assistindo os animes deles? Só porque são muito bonitos? Hahaha!

      Os epílogos da Edna, Alisha e Rose foram mesmo as únicas coisas que valeram a pena. O momento da Edna foi o mais sentimental. O das duas escudeiras foi o mais, hmm, adorável? Apaixonante? Está difícil encontrar a palavra certa, mas acho que você sabe o que estou tentando dizer =D

      Já Sorey e Mikleo, bem, né. Por um instante pensei que talvez Zestiria fosse querer dar a contraparte masculina do casal Alisha e Rose, mas depois de ter assistido penso que ainda que tenham dado um upgrade no visual do Mikleo a cena em si ficou bem sem graça. Claro que devem haver fanarts mil retratando os dois, mas não acho que esse episódio tenha feito jus a isso.

      Enfim, demorou pra acabar, não foi o melhor final, mas acabou. Agora é esperar o próximo anime do Ufotable pra reclamar da incapacidade deles escreverem um roteiro direito e elogiar seus modelos 3D muito bem feitos.

      Obrigado pela visita e pelo comentário! =D

Comentários