Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Tava demorando para ele chegar, mas chegou. O episódio da praia foi igual a todo e qualquer outro do tipo. Os fatos importantes nele foram: A Akua sendo salva novamente do pinguim tarado, dessa vez pela Akane, que quer ser amiga da sua “futura irmã”, como ela a chama (que no final do capítulo acaba simpatizando com ela); A Shikimi aparecendo e contando parte da história da família da Akane, em que a parte da Akane é a lança, a da Yuzu é o escudo e a da Shikimi é uma mistura das duas coisas, só que no meio da conversa o Seiji a interrompe, dizendo que se elas não querem contar, ele não quer saber.

Talvez essa infância misteriosa da Akane seja interessante

O segundo arco do episódio é um “Teste de coragem” feito pela Guri, que não fez tanto sentido. No final são fantasmas que querem ser libertados ao chegar no terraço da escola. A única coisa importante deste arco se trata de uma conversa da Akane com a Guri, em que a Guri pergunta o que é amar e ela responde que “não importa se você está feliz ou triste, aqui sempre está doendo” e aponta para o seu coração. No final do episódio a Guri mostra sentir tal dor.

Ótima definição Akane, gostei

E é isso. Não teve nada demais nesse episódio além do que eu falei, não somou nem subtraiu tanto para a história principal, que parece ser o foco deles neste momento. Não foi ruim, não foi excepcional. Classificaria como “assistível” somente. Achei esse pinguim chat, o Ship da Yuzu com o Seiji é o que dá mais atenção (não sei o motivo) mas é o que eu mais gosto também.

Até semana que vem gente, espero que o próximo seja melhor.

Comentários