Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Uau! Que episódio meus caros leitores. Primeiramente vale dizer que o episódio em si foi o menos movimentado até então. E a movimentação a qual eu me refiro é em relação às lutas que tivemos em todos os episódios até então, pois no quesito história tivemos avanços bem interessantes. Diria que o ponto alto do episódio foi quando soubemos do passado do nosso querido Nomura e da Onigawara (waifu de máscara).


Logo no início tivemos o desfecho final do arco da princesa Satori e a “primeira” participação da última das cinco espadas, Tsukuyo. Logo de cara percebemos que sua “visão” é de fato extremamente afiada (avá) e que possivelmente será um páreo duro para Nomura. Vale lembrar também que a ajudante mascarada da princesa ainda continua incerta (não por falta de tentativa). E para encerrar a primeira parte do episódio, foi mostrado os resultados de tantas batalhas seguidas enfrentadas pelo protagonista nesse arco.

Eu ainda estou com uma pulga atrás da orelha em relação a esse cara

Depois disso vem o ponto alto do episódio. Ao se recuperar, Nomura tem uma pequena conversa com Satori, que dá a entender que explicou a situação toda de modo que ele irá se dar mal com a Onigawara e a Kikakujo. Bom, não foi bem assim, e na verdade tudo não passou de um pedido de perdão e a intenção de aceitar qualquer punição por seus atos.

O que o Nomura escolheu? Tirar a máscara que ofusca a beleza do rosto de Onigawara. Máscara essa que possuía uma cicatriz do passado por trás, algo que influenciou uma garota que tinha uma família quebrada a esconder seu rosto até o ponto de se sentir bem com isso. E logo em seguida temos outro passado revelado, o de Nomura. Órfão, que jamais conheceu seus pais ou algo do tipo e que foi adotado e treinado incessantemente no caminho da espada. Por não ter um corpo amadurecido o bastante, não obteve os resultados esperados e por isso decepcionou-se. No fim, obteve sua liberdade com o preço de não conseguir segurar uma espada.

Como minha mãe sempre me diz: “As palavras têm poder tanto para salvar quanto para destruir” e “O amor é mais forte que qualquer outra coisa”. Apesar da segunda frase ser meio clichê, ela é verdadeira e nesse caso se aplica bem a Onigawara, que mesmo após tudo isso, ainda ama sua mãe.

Extras:  ( ͡° ͜ʖ ͡°)( ͡° ͜ʖ ͡°)( ͡° ͜ʖ ͡°)( ͡° ͜ʖ ͡°)

 

Comentários