Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Ou Altair, a força do alter ego

Admito que tive que tirar uma parte do texto. Eu havia feito o comentário do episódio 7 semana passada, no entanto, devido a certos imprevistos, cá estou com um duplo. Verdade seja dita, achei que ficou até mais coerente a reflexão. No mais, vamos ao review desses dois episódios incríveis.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


A priori, tive a impressão de que o episódio 7 seria o mais enfadonho de todos. Até meados dele, não houve grandes avanços de enredo – afora as cenas de ação e a nova antagonista diva, Magane (enfatizo que adorei ela). Porém, vimos que a história deu uma balançada e (quase) finalmente todos os elementos foram revelados – as cartas colocadas na mesa. A partir de agora, Re:Creators deve entrar em outra fase. Terminada a introdução, o conflito começou a se desenrolar. Resta esperar pelo ápice da coisa – que tem um ponto de tensão inicial (ou parece) no final do episódio 7 – e a resolução com o desfecho (que sinceramente torço pra que não seja apelativo demais pro lado emocional).

Irei pular boa parte da ladainha que tinha no texto original que fiz e ressaltar aquilo que mais achei de legal no episódio: O poder dos fãs. Cara, não sabe a felicidade que me deu quando tive a confirmação de que eles decidiram colocar um personagem de peso como a Hime, vinda direto de um “universo” criado por fãs. Ok, tudo bem, ela é baseada em outra personagem, contudo, assim como a Meteora falou, a essência é diferente (será mesmo? Não é OOC, tia?), é outra personagem (talvez não seja~). Logo, tal revela o quão importante é o trabalho de fãs e amantes dessas obras. No anime são eles que dão poder aos personagens, mas em um paralelo com nossa realidade, ressalta o quão importante é o fandom e o trabalho de artistas amadores. Artistas e fãs no geral igualmente.

Ademais, enfatizo esse ponto pois o anime inteiro está diretamente relacionado à realidade em que vivemos. Ok, no caso, a realidade japonesa. Não sei se sabem, contudo, no Japão é vero que fandom arrecada milhões. As produções independentes também são muito fortes e há artistas que, inclusive, vivem disso – por vezes, doujins se tornando publicações oficiais. Sites como pixiv são muito utilizados para divulgarem trabalhos e afins. É um ramo surpreendentemente forte (também, se não fosse… Já pararam pra pensar por que ainda há mangás impressos e revistas seriadas se o Japão é pioneiro em tecnologia? Aparentemente, parece contrassenso um país desses, que tem uma super consciência ecológica e recursos, continuar a produzir revistas e mangás impressos. Entretanto, por que acham que essa tradição permanece viva? O peso do fandom e sua preferência, com certeza).

Voltando, agora quero falar da Magane. Não só por preferência pessoal que gostei dessa personagem. Quem conhece Orihara Izaya (Durarara!!), conhece esse tipo de antagonista, perspicaz e sorrateiro, mas que sempre é uma caixinha de surpresas. Me permiti a comparação porque sinto que a Magane será quase tão dissimulada quanto – no caso, acho ela mais letal porque não se importa de fazer o trabalho sujo e nem tem escrúpulos. Ao que parece, pode-se esperar algo muito ruim ou algo aleatório. Não acredito que uma personagem tão bem feita, que pode distorcer verdades quase que literalmente, não tenha um propósito. Entretanto, não me surpreenderia se ela estivesse somente se divertindo com a situação. Como disse, meio imprevisível.

Uma prova da astúcia da Magane foi ela conseguir estar alguns passos adiante da trupe lá – inclusive, da Meteora (que meio que virou a cabeça do grupo). Além disso, ela encurralou o Sota e deixou ele em uma sinuca (sinceramente, esse menino consegue se superar em ser chato… Sorry, opinião bem pessoal aqui). Resta esperar para conferir quais serão os próximos passos dela – e aqui meu palpite é de que, depois da Hime, ela tem tudo para ser a “grande antagonista” (tipo, tem um vilão e depois aparece um outro chefão ou carinha do mal aproveitando a deixa).

Sobre o Sota, quero comentar que demorou até demais para ele se manifestar. E, bem, deu no que deu. Agora resta enfrentar as consequências. Um paralelo interessante que parei para refletir. O que falta para ele é de fato se colocar em seu papel, assumir ser protagonista. Enquanto ele continuar sendo o Senhor Nulidade, fugindo das coisas e pensando que tudo se trata da amiga dele, o enredo não anda. Algo vai ter que mudar aí. Todos esses personagens surgiram para mobilizar nele um movimento (ok, extrapolei na teorização). Muita brisa?

Seguindo, minha última fala será sobre a Hime – e a Mamika. Minha diva, que agora sabemos que se chama Altair, logo me remeteu ao referencial de “alter ego”, que de maneira resoluta significa “outro-segundo eu”. Sinceramente, julgo muito compreensível toda essa “fúria” e busca por vingança do mundo por parte dela. A Altair deve ter acompanhado o sofrimento da sua criadora, a Setsuna, que culminou em seu suicídio. E é a personificação da desesperança e revolta em relação ao mundo… de seus criadores. Digo, “criadores” pois apesar de ter sido quase explícito que a Altair fora criada pela Setsuna, ela parece é ser a alter ego do Sota – só que, no caso, seu total oposto.

Entretanto, uma semelhança evidente entre ambos é que tanto a Altair quanto o Sota querem poder fazer algo em relação a morte da Setsuna. Enquanto o Sota se culpa, a Altair culpa o mundo. Enquanto ele se abstém de fazer algo, a Altair tomou as rédeas da situação e se mobilizou. Ambos são tão opostos e tão complementares que assusta. Pode ser muita neura da minha parte, porém acho que quando esses dois ficarem frente a frente vamos ter um confronto e uma resolução interessante. Afinal, a Altair também representa a personificação de um “erro” e daquilo que ele tem fugido.

Sobre a Mamika só digo: já foi tarde :v Brincadeira, brincadeira. A baixinha rosa provou que mahou shoujos são fofas mesmo, mas que também podem ser sérias. Foi fofa toda a despedida (e por um momento shippei a Alice e ela x3) e a reflexão. Claro, a decisão dela não foi das mais sábias. Obviamente, ela terá o destino que procurou. Vejamos o que se dá a seguir.

Well, vou ficando por aqui. Se tudo der certo semana que vem sem atrasos ;]

Inté!

Comentários