Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Esse episódio deve ter chegado perto de esgotar o orçamento com animação de Sin: Nanatsu no Taizai! A animação foi um espetáculo. Batalhas sobre o céu urbano, no oceano, na lua! Tudo em um episódio só. Poderes devastadores incluíram torrentes de água, chamas explosivas, baleias demoníacas, uma frota militar marinha (o que achou dela, Kondou?), golpes de rachar o planeta..!

Lúcifer chegou a vacilar um pouco no começo, mas no final das contas não se segurou. Não tentou nenhum subterfúgio, nenhuma vitória indireta, nenhuma ataque à fonte do poder de Satã: foi uma batalha direta, força contra força. Três Rainhas Demoníacas lutaram e uma quarta participou da batalha ajudando outras.

Enquanto isso Maria continua cativa e Belial apenas assistiu a tudo de seu trono no inferno.

Tematicamente é difícil definir Satã se ao mesmo tempo Lúcifer também está presente na história. Na maioria das interpretações cristãs bem como no senso comum, ambos demônios são um e o mesmo. Satã seria o nome ou título que foi imposto a Lúcifer ou que ele próprio assumiu depois de sua queda do céu, resultado de uma rebelião frustrada. Etimologicamente, nenhuma das duas palavras é originalmente um nome próprio: em latim Lúcifer significa estrela da manhã, e em hebraico Satã significa adversário. As duas palavras são usadas tanto no sentido positivo quando no sentido negativo.

Leviathan enfrenta Satã sobre os céus da cidade

Em Apocalipse 22:16, Jesus é identificado como a Estrela da Manhã, o que na Bíblia Vulgata (versão em latim, escrita entre os séculos 4 e 5 por São Jerônimo) aparece escrito lucifer. No caso é só um título, não um nome próprio. Já em Isaías 14:12, na mesma Bíblia Vulgata, é dito sobre a queda de lucifer, que é interpretado como sendo um rei babilônico ou o próprio anjo caído. Satã é ainda mais complicado pois significa apenas “adversário” e vem direto do hebraico, assim que quando o tal adversário se opõe aos hebreus ele costuma ser uma entidade ou pessoa maligna, mas há casos também em que os próprios hebreus são os adversários, como em Samuel 29:4, onde os filisteus falam de Davi e o chamam de seu adversário (satã).

Satã ataca Lúcifer com uma frota naval

No sentido popular, porém, tanto Lúcifer quando Satã (ou Satanás) são nomes próprios de demônios. E também comum é a interpretação de que sejam dois nomes distintos para o mesmo demônio. Como Sin: Nanatsu no Taizai resolveu isso? Ora, colocou Lúcifer e Satã para lutarem de igual para igual, ambas com todas as suas forças. Não poderia ser o caso de Lúcifer perder, naturalmente, mas isso não quer dizer que tenha sido uma luta fácil.

Tendo o fogo do inferno e a fúria da guerra como suas armas, Satã foi uma adversária fenomenal. Perdida em sua raiva cega, sem querer ameaçava destruir o mundo, o que decerto não seria tolerado pelo Céu. A solução de Lúcifer: terminar a batalha na Lua. O que estava em jogo na batalha, de todo modo? A continuidade dos planos de Lúcifer, claro, mas como em todos os outros casos até agora não poderia ser apenas isso, senão não teria graça! Uma cena logo no começo do episódio mostra que Satã é a guardiã dos portões do inferno, mas não é maligna, bem pelo contrário. Ela pune sim um assassino, mas faz isso por justiça ao mesmo tempo em que liberta a alma de uma vítima sua que ele arrastou consigo para que ela vá para o céu. No fundo, ela não parece ser tão diferente da Lúcifer. É uma batalha entre iguais.

O que faz todo o sentido considerando tudo o que levantei sobre as referências para os dois personagens! Até agora, todas as Rainhas Demoníacas tinham suas razões para fazer o que faziam e consequentemente condenar seres humanos à danação eterna, mas nenhuma delas pareceu odiar a humanidade (desprezar talvez, depende de como se interpreta). Lúcifer não é exceção e até agora só salvou almas. A única diferente, o ponto fora da curva é, você sabe quem: Belial. Também naquela cena no início do episódio fomos lembrados de que ela não apenas despreza, não apenas quer condenar suas almas, mas que ela odeia mesmo o ser humano. Todas já foram derrotadas (e algumas até se tornaram francas aliadas de Lúcifer) – agora só falta Belial. Está ansioso?

Belial apenas observando … por enquanto

  1. Este episódio de Sin: Nanatsu no Taizai, surpreendeu-me e muito. Além de ser o melhor episódio deste anime (pelo menos na minha opinião) a animação estava excelente. Como tu bem referiste, este episódio deve ter estourado o orçamento do anime, mas valeu bem a pena. Eu adorei a parte em que a Satã, aparece com uma frota naval de guerra atrás dela, ainda por cima todas as embarcações eram topo de gama. Quando a Satã aparece com uma frota combinada de navios de guerra, os meus olhos brilharam, e brilharam ainda mais, quando estas começaram a disparar. Aquela frota naval de guerra, se fosse na realidade custaria pelo menos uns 2 biliões de dólares. Só aquele porta-aviões pesado mais os caças que iam nele, custariam uns bons milhares de milhões de dólares. Mas como frota combinada que se preze, o porta-aviões ia com uma escolta de respeito, cheia de navios cruzadores e navios torpedeiros além de alguns navios da classe destroyer (contratorpedeiros). Quando o combate começou, aquele espectáculo de cores, dos navios e os caças a disparem contra a Lúcifer, os navios de escolta a disparem misseis de longo alcance (aqueles navios de escolta, são os famosos navios do fim do mundo, pois são estes que disparam os misseis PEM (bomba electromagnética) além de alguns misseis nucleares). Não sei como a Lúcifer aguentou levar com tantos misseis e tiros (principalmente dos canhões dos navios de escolta e das mini-guns instaladas nos mesmos).
    Deixando o meu entusiasmo sobre a batalha naval deste episódio, a Satã é a segunda rainha demónio que mais gostei até agora. Ela não é tão má como parecia, ela é justa, protectora dos seus amigos. Eu adorei a parte, em que ela ajuda uma alma penada a se livrar do culpado da sua morte, até na morte a alma daquela pessoa, não teve descanso. Mas esta cena estava muito boa e bonita, até que aparece a Belial. Se a Belial não gosta dos humanos, isso é problema dela, mas não interfira no trabalho das outras rainhas demónio.
    Por falar em Belial, esta de todas as rainhas demónio, é a mais podre e mais desprezível de todas as rainhas demónio. Ela além de lançar um uma maldição sobre a Lúcifer, onde esta lhe consumia o poder mágico da mesma, fazera Lúcifer passar a a maior vergonha no hospital, ainda vira a Satã contra a Lúcifer com palavras cheias de veneno (ou é impressão minha, ou a Satã gosta da Beelzebub?).
    A Lúcifer arranjou uma amiga para a vida, a Bub (apelido carinhoso que a Lúcifer lhe deu), quem diria que a Lúcifer ficaria amiga de uma das suas inimigas. Mas também a a Beelzebub, é muito fofa e confiável, a rainha demónio que mais gostei até agora.
    Já a Leviathan, tenho que admitir que ela esteve muito bem neste episódio. Eu sabia que a Levi, gosta da Lúcifer, mas nunca pensei que ela fosse lutar com tanto louvor contra a Satã, para defender a sua mestre, Ela lutou e lutou a sério, chegando ao ponto de ter que ceder, por não ter mais água para ela usar os seus poderes. Aquela conversa entre a Bub e a Lúcifer antes a Luci ir combater a Satã, só mostrou que a Bub é a best girl deste anime.
    A luta da Luci contra a Satã, foi épica, elas até foram para a Lua para se enfrentarem, aquela luta até teve direito a efeitos especiais que pareciam saídos das lutas dos animes da franquia Gundam. Já se sabia que a Satã ia perder, mas foi uma luta em tanto. Até a Leviathan esteve bem nesta parte, o que é raro.
    Agora só quero ver, como a Belial vai enfrentar a Lúcifer. Estou ansioso para ver a Lúcifer a envergonhar a pecado da vaidade.
    Como sempre, mais um excelente artigo de Sin, Nanatsu no Taizai Fábio.

Comentários