Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

E isso está ficando cada vez mais confuso, quero dizer, ela está perdendo suas memórias atuais e recuperando suas memórias de uma vida passada, mas será que ela só teve uma vida passada? E considerando ainda o que foi revelado nesse episódio (não a parte previsível), isso significa que a relação dela com o Willem é mais antiga do que parece, como esperado, mas de um jeito um bocado inesperado e talvez não haja nenhum relacionamento? Mesmo assim ele pediu ela em casamento porque ele próprio está confuso com as coisas dele e nossa.

Ok, que humanos eram as bestas (haviam se transformado nelas) já era previsível desde aquela conversa entre o Willem e seu velho (em mais de um sentido) colega de batalhas, tornado em poderoso mago porque ele possui o poder de … convencer uma besta a fazer todas as ilhas flutuarem, suponho. Ele não contou isso pro Willem, nem contou pra ninguém na verdade, mas após a partida do protagonista disse algo sinistro sobre ser melhor não comentar com ele a verdade sobre as bestas. Eu nunca dei muita atenção para isso porque o próprio anime não deu atenção nenhuma para isso. Era só uma curiosidade. O que o Willem disse continua sendo verdade: o que importa é que eles são os inimigos que precisam ser combatidos. Muda alguma coisa saber que foram um dia humanos?

Claro que há uma dimensão psicológica e moral nisso e é totalmente compreensível que o Willem se tenha sentido afetado, mas eu só consegui pensar “oh, ok, confirmado”. E assim foi porque, como acabei de dizer, o anime não construiu sua narrativa para que ao chegar nesse momento de revelação eu me sentisse afetado. De fato, após o comentário alto do velho necromante, apenas esse episódio voltou a tocar diretamente no assunto. Desde que apareceu, Rhantolk está lendo aquele livro, mas nunca leu nos episódios anteriores algo relevante a esse respeito (ou talvez tenha lido, mas foi críptico demais para eu entender), mas nesse episódio ela despejou sobre Willem não o que a vimos ler, mas o conhecimento que ela acumulou durante toda a sua vida, e que apontava na direção de que, de fato, humanos tenham sido transformados em bestas. Foi uma forma criativa de fazer a revelação, sem precisar dizer com todas as palavras, mas é isso. Não teve o impacto emocional que poderia ter tido.

Willem não dá muita bola para o que a Rhantolk disse na hora. Mas depois…

Isso não é um problema se não for intenção provocar esse impacto, mas fica um pouco mais difícil simpatizar com o Willem nesse momento que para ele com certeza é de grande choque. Que Chtholly e as fadas são criaturas descartáveis criadas para lutar até a morte contra monstros criados pelos seres humanos ele já sabia. Que elas são espíritos capturados em corpos humanoides e que eventualmente as memórias de suas vidas passadas as destroem mentalmente ele também já sabia. Que os monstros para os quais elas são criadas para combater foram em primeiro lugar criados pelos seres humanos ele também já sabia. Tudo isso ele podia botar na conta dos outros. Não foram todos os seres humanos que criaram monstros, e há apenas um humano criando fadas. Mas como lidar com a realidade de que qualquer ser humano pode se transformar em um monstro?

Chtholly mantendo-se ocupada para manter-se sã

Quero dizer, as bestas que ele eventualmente vier a enfrentar naquelas ruínas podem muito bem ser de pessoas queridas que ele conheceu no passado. Por tudo o que ele sabe, a Chtholly também pode ser alguém que ele já conheceu. Talvez ele próprio possa se tornar uma besta a ser combatida por fadas? É uma coisa assim meio Madoka Magica mesmo, e igualmente sem fim. Em meio a essa realidade confusa, complicada, a Chtholly parece ter a única certeza que importa, e a única que ela pode e precisa ter: ela é ela. Ela não é uma besta, ela não é um ser humano, ela não vive no passado ou no futuro. Ela foi criada fada, deveria ter morrido mas sobreviveu, está sofrendo da degeneração mental típica de fadas mas está se esforçando para manter pelo menos essa única memória, no evento de que ela esqueça todas as outras: ela é Chtholly. O Willem está mentalmente instável, abalado pela súbita realização da verdade sobre as bestas, e provavelmente ele vai precisar se agarrar a essa sua verdade fundamental também: ele é Willem. Até lá, a Chtholly pode apoiá-lo. Nada mais justo do que apoiar quem sempre a apoiou e quem ela, Chtholly, tanto ama.

Comentários