Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Depois de incríveis 12 episódios, podemos dizer que a primeira parte dessa segunda temporada de My Hero Academia está completa. O arco do Festival de Esportes acabou de uma maneira bem inesperada, e agora um novo vilão está à solta pela cidade. Posso dizer que, de longe, esse é o meu anime preferido atualmente e parece que novas surpresas estão chegando. Mas antes de tudo vamos falar desse episódio que, como sempre, teve muita coisa acontecendo.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Para começar, conhecemos o vencedor do Festival de Esportes e ele não era bem quem eu imaginava. Na verdade, eu achava que a luta final seria entre Izuku e Bakugo, assim os dois resolveriam de vez essa rivalidade entre eles. Felizmente eu não sou o roteirista do anime e a rixa entre os dois vai continuar e pode amadurecer ainda mais com o tempo.

A final foi entre Todoroki e Bakugo, e os dois merecem ter chegado tão longe. Eles são personagens que vêm ganhando destaque desde a primeira temporada, mas com um desenvolvimento ainda maior agora. Em uma cena de flashback, vimos Bakugo falando com Izuku de como Todoroki foi corajoso em enfrentar os vilões, e acredito que foi naquele momento que a rivalidade entre os dois começou: na tentativa de Bakugo alcançá-lo.

Bakugo tem as melhores reações

Antes mesmo da luta começar, já tivemos o encontro dos oponentes, que foi ao mesmo tempo engraçado e esclarecedor. As reações de Bakugo em relação aos seus adversários sempre são ótimas e o contraste com a personalidade de Todoroki resultou em uma ótima cena. Além disso, também foi explorado como nosso protagonista influenciou a vida dos finalistas. Izuku sempre usa da sua benevolência para ajudar aqueles que o cercam: deixando Bakugo irritado e aguçando a reflexão de Todoroki.

No confronto, o anime não decepcionou com a qualidade visual novamente, o que já está se tornando uma marca registrada. É possível notar que a animação está com uma qualidade bem acima da média, principalmente nas cenas de ação, e quem ganha somos nós. Outro destaque está na expressão dos personagens, que sempre revelam muito de seus sentimentos e deixam o duelo mais empolgante.

É cada obra de arte melhor que a outra

Enquanto Todoroki começou tentando manter a luta à distância, Bakugo partiu para investidas e dando 100% de si, inclusive se mostrando mais astuto do que costuma ser, levando até mesmo uma vantagem. É nítido que ele estava com muita vontade de vencer para mostrar que pode ser melhor que os demais, mas ele também deixou claro que queria uma vitória justa, e isso incluía Todoroki usar seu lado esquerdo.

Do outro lado, Todoroki estava passando por uma crise de identidade, que já o estava incomodando desde a luta com Izuku. Depois de usar sua habilidade de fogo no meio da competição, ele não sabia se aquilo realmente era certo, pois apesar daquela individualidade ser sua e dele não precisar ser como o pai, ainda se lembrava como a mãe odiava aquilo.

Por conta desse impasse, a batalha foi resolvida pela força de vontade de Bakugo, que resolveu atacar com tudo em um dos golpes mais poderosos do anime até então, enquanto Todoroki decidiu reprimir seu poder. Se as duas habilidades se chocassem, como na luta entre Todoroki e Izuku, teríamos uma explosão bem maior do que a que tivemos.

Logo em um dos primeiros episódios dessa temporada, Bakugo havia dito a todos que seria o número um, e não é que ele cumpriu sua palavra? Ele pode ser o campeão do Festival de Esportes, mas com certeza não ficou satisfeito com a maneira que isso aconteceu. Foi a vitória com gosto de derrota que eu pensei que aconteceria na sua luta com Uraraka, mas confesso que desse jeito foi bem mais interessante. É como se nem tivéssemos um campeão, pois ao mesmo tempo que Bakugo realmente se tornou o melhor perante a todos, aquilo não significou nada para ele. Um final bem filosófico para o torneio, mostrando que não importa o que os outros pensam, mas sim o que você acredita.

Além do vencedor, outra coisa que achei bem diferente foi a forma como Bakugo subiu ao pódio, já que ele se descontrolou depois que ganhou a luta. Além disso, achei muito legal a iniciativa do maior herói de todos não só entregar a medalha, mas dar conselhos para os três primeiros colocados.

Olha a cara de felicidade do campeão

Mesmo com o torneio acontecendo mais rápido do que eu previa e desperdiçando algumas lutas que poderiam ser feitas de forma mais interessante, a competição como um todo foi bem satisfatória. Ela conseguiu criar rivalidades, desenvolver as que já existiam, apresentar novos personagens e, principalmente, ótimos confrontos. É claro que não tem como todos os duelos que queríamos ver acontecerem, como Izuku x Bakugo, mas o campeonato em si conseguiu cumprir tudo que prometeu.

Depois de conhecermos o campeão, as surpresas ainda continuaram. Por exemplo, tivemos a primeira morte (até onde eu me lembre) no anime. O irmão de Iida, que era sua maior inspiração, foi realmente assassinado por Stain. Ele ainda chegou a ir para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Pela relação que os dois irmãos tinham, a cena foi terrivelmente dramática, chegando até a mostrar Iida quando era criança e trazendo à tona os ninjas cortadores de cebola. O impacto que essa cena teve deve se refletir nos próximos episódios do anime, principalmente no próprio Iida, que perdeu não só um parente próximo, mas seu herói de infância.

Agora é oficial: nesse anime as pessoas morrem

Essa mudança de tom deve estar mais presente no próximo arco, que parece ter foco em Stain. Com isso, o anime deixa de lado um pouco da infantilidade que tivemos até agora, onde todos vivem em mundo cercado por super-heróis coloridos; e trazendo mais da realidade, onde as pessoas morrem e existem consequências para os seus atos. Até mesmo Izuku sentiu na pele o que pode acontecer se ele passar do seu limite.

O fim do episódio, que contou com cena pós-créditos, mostrou os personagens em um novo começo. Nosso protagonista ainda está gravemente ferido e acredito que isso deve continuar por alguns episódios para ele aprender a controlar seus poderes. O momento em que Izuku voltar à ativa deve ser um dos pontos de virada desse novo arco, possivelmente enfrentando o vilão, mas até esse episódio chegar, ele deve se concentrar em algum tipo de treinamento que melhore sua condição física.

Tal mãe, tal filho

Enquanto isso, outro personagem que também terá um novo começo interessante é Todoroki. Ficar em segundo lugar no Festival de Esportes não foi algo que o deixou satisfeito, tanto que ele teve a decisão de visitar a mãe, depois de anos, para resolver esse seu impasse em relação à habilidade. Talvez não agora, nem amanhã, mas em algum momento veremos Todoroki lutando sem se segurar, e isso só deve acontecer quando sua mãe aceitar seus poderes. É claro que no meio disso tudo ainda temos Endeavor, e digo mais uma vez que seria bem interessante se os dois resolvessem isso em uma luta e como resultado Todoroki superasse o pai. Mesmo assim, sua mãe ainda tem um papel importante e é o principal foco do personagem para que ele ganhe a confiança que precisa.

Estou muito animado com as proporções que essa mudança no tom da história pode causar, principalmente porque é sempre bom vermos alguma coisa diferente e um amadurecimento na trama. Isso não deve acontecer já no próximo episódio, pois eles ainda vão escolher os nomes de heróis, mas estamos próximos de uma virada. Além disso, os personagens evoluíram muito desde a última temporada, tanto na força quanto na personalidade, e isso deve continuar. Para o próximo episódio já devemos ter uma abertura nova, e com isso, serem inseridos novos elementos do novo arco.

Comentários