Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Olá seus “ninguém”, como vocês estão? Nessa nova temporada eu irei falar sobre o anime Knight’s & Magic. Basicamente, o anime fala sobre um programador que acaba por morrer num acidente e renasce num novo mundo. Até aí ok, não é a primeiro anime desse tipo. Mas será que ele pode nos entregar uma boa experiência?

Curta o anime21 no facebook:

Bom, vamos começar a partir do momento em que ele já reencarnou nesse novo mundo. Inicialmente, após um pequeno diálogo entre a mãe e o avô do protagonista, temos uma batalha entre mechas e um inseto gigante (ou como dizem no anime, uma besta). Ambos (mecha e besta) usufruem de um CG que na minha opinião ficou de bom tamanho, não me incomodou e pareceu se mesclar bem com o cenário como um todo. Pois bem, após isso nos é mostrado que o protagonista ainda possui memórias de sua vida passada e com isso seu grande interesse por mechas. Isso o leva a querer se tornar um Knight Runner, que seriam aqueles que pilotam os Silhouette Knight.

Em seguida, tivemos uma narração resumida do que ele fez após essa situação, um time skip de três anos e um encontro com dois irmãos, Archid e Adeltrude. Esse encontro resultou num pedido de ambos para que Ernesti, nosso protagonista, os ensinasse magia, e então os três aparecem como alunos na academia de knights runner. Sim, tivemos essa parte sendo rushada de uma forma não tão sutil.

Na segunda parte, o anime nos mostra Ernesti fazendo “coisas de protagonista”, como por exemplo pular de classe após mostrar uma magia de alto nível e novamente um time skip de três anos. Agora com 12 anos, Ernesti e seus amigos partem para um exercício prático numa floresta. Lá, nos é mostrado um pouco sobre a família de seus amigos e também o início do primeiro clímax do anime.

Sobre a estreia num modo geral, o primeiro episódio tem como pontos positivos: a animação como um todo, poucas distorções nas cenas, conta com uma bela opening cantada pela Fhána (quem não conhece vale a pena pesquisar) e apesar de rushado, os eventos e a história como um todo são apresentados de forma quase harmoniosa. Como pontos negativos, devo citar as várias diferenças em relação ao mangá e a light novel (fonte original), alguns eventos alterados ou omitidos, e a rushação durante esse episódio. Para quem não entendeu bem, nesse primeiro episódio foram adaptados 6 de 9 capítulos do volume 1, e a expectativa é que no próximo ele seja terminado.

Então é isso, espero vocês na semana que vem para vermos o desfecho do próximo episódio. Até a próxima.

Extras:

  1. Este anime parece que tem tudo para ser bom a mediano. Este primeiro episódio de Knights, soou-me meio apressado, como se o estúdio estivesse a condensar o máximo de material original e a cortar alguns acontecimento (que poderiam ser importantes ou não), mas ainda assim, espero que os próximos episódios sejam mais calmos em termos de adaptação de material original. Passando ao episódio em si, o começo foi meio que cliché e tal (a cena da morte do protagonista atropelado por um carro, já é velha em animes, mangás e novels) mas o que veio depois é que me surpreendeu positivamente. Já se sabia que o protagonista era fã de tecnologia e tal, já que ele era programador, mas nunca pensei que ele fosse um otaku adorador de mechas (ao ponto de gastar rios de dinheiro a comprar figures dos mesmos). Eu se tivesse dinheiro e morasse no Japão fazia a mesma coisa, adoro tudo relacionado a robôs gigantes. O facto do protagonista reencarnar noutro mundo, não foi surpresa nenhuma, já que esta fórmula já esta um pouco gasta no mundo dos animes, mas o que surpreendeu foi a atitude do protagonista quando viu um dos mechas mágicos daquele mundo. Para uma pessoa que gosta de mechas, reencarnasse noutro mundo e visse um mecha badass e mágico ainda por cima, iria fazer a mesma figura que o protagonista. O CG dos mechas, até está bem bom, para o habitual, não têm o movimento tão travado como eu pensava que teria, o que é um ponto mais que positivo para este anime. O drama dos irmãos que eram filhos bastardos de um nobre, foi meio cliché e sem sal, mas a atitude despachada e decidida do protagonista resolveu a situação. Ver um protagonista que reencarnou à pouco tempo, usar magia de alto escalão e ainda estudar que nem um animal, é muito satisfatório. Mais satisfatório é quando o Ernesti mostra aos professores chatos, como se usa magia de alto nível (a cara estúpida dos professores são muito engraçadas). A parte em que o Ernesti, pede ao ferreiro anão que lhe faça um cajado/bastão mágico mais prático também foi muito interessante.
    A parte da invasão do acampamento dos estudantes, foi meio raso e cliché, mas ao menos serviu para o protagonista se começar a dar com os veteranos (aquele piloto do mecha personalizado de branco, deve ser dos primeiros a morrer, como ditam os clichés). O drama do reencontro dos irmãos bastardos com a irmã legitima do seu pai foi tão ou mais raso que um lago. Do quarteto só se aproveita o Ernesti e o anão, os irmãos são dispensáveis, eles não têm personalidade alguma.
    Excelente artigo de primeiras impressões de, Knight’s & Magic Kiraht.

    • Kiraht

      Primeiramente muito obrigado pelo elogio e o comentário.
      Bom, irei por partes. Sobre o gosto de mechas do protagonista eu posso dizer que faria o mesmo também (ainda mais se fosse da franquia Macross). E a correria realmente pareceu que o estúdio estava condensando muita coisa do material original, porém acredito que isso não irá muito longe visto que a light novel tem atualmente 6 volumes.
      Já sobre os personagens é difícil discordar quando você diz que eles são rasos e seus dramas também. Claro que vale ressaltar que tanto na novel quanto no mangá, tudo isso é desenvolvido de uma forma muito mais clara, tornando menos raso e simpático ao menos. Aliás, poderia dizer sem medo de errar que todos os acontecimentos contidos nesse episódio não foram explorados devidamente como no mangá e na novel. Claro que para adaptar tudo isso devidamente levaria uns 3-4 episódios e o clímax acabaria ficando mais para frente, algo que poderia afastar algumas pessoas e por isso espero que no final esse escolha tenha sido a melhor. E por último mas não menos importante seria sobre o protagonista ser forte e ter estudado para tal, afinal, isso não é muito comum né?

      • Geralmente os protagonistas, é tudo um bando de inúteis, que só sabem chorar e só melhoram no final do anime. Isto quando melhoram, pois muitos, continuam inúteis até ao final. Dai a minha surpresa com o Ernesti, que estuda bastante e faz de tudo, para alcançar o seu sonho que é pilotar um mecha.

Comentários