Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Temporada nova já começou, e consequentemente a segunda parte desse anime já está em andamento, entretanto, os artigos sobre ele ainda continuam atrasados, e agora eu os colocarei em dia, mas não será de uma só vez, pois irei dividir em duas partes. A primeira será este, sobre os episódios 11, 12 e 13. Já a segunda parte corresponderá os episódios 14 e 15 (o décimo quinto ainda não saiu, mas sairá em breve). Dito meus planos, é hora de ir ao que interessa, mas antes, me sinto na obrigação de fazer algo que deveria ter feito logo na introdução, que é avisar aos leitores que houve uma substituição de redator, portanto, a partir deste artigo eu serei responsável por comentá-lo. Espero que meus artigos estejam à altura dos que a antiga redatora deste anime fazia.

Agora sim, vamos ao que realmente interessa, que é a análise sobre os 3 episódios em apenas um artigo (3 em 1).

Curta o anime21 no facebook:

Depois de uma grande batalha que acontecera no episódio 10, naturalmente o episódio 11 teria um ritmo mais lento se comparado ao anterior, mas isso não quer dizer que tenha sido entediante, pelo contrário, pois tivemos a tão esperada confissão do protagonista inútil a respeito de seus erros passados que de certa forma levaram à situação atual.

Antes de chegar na questão levantada no parágrafo anterior, eu queria destacar a conversa entre Rui e Souta. Tal conversa serviu para mostrar um pouco mais sobre o piloto de mecha e foi uma tentativa de dar apoio moral a Souta, que até antes desse episódio apenas ficava remoendo coisas do passado e as mantinha só para si.

A relação de amizade entre Souta e Setsuna tinha tudo para dar certo, pois os dois tinham coisas em comum, incluindo o fato de não terem muitos amigos, entretanto, relacionamentos fraternais nem sempre são tão simples como imaginamos, pois a mesma pessoa (Souta) que se aproximou e fez amizade com Setsuna foi aquela que agiu covardemente, negando ajuda a ela quando a mesma mais precisava.

A inveja e o medo são inerentes aos seres humanos, sendo que tais sentimentos aparecem em maior ou menor grau dependendo da pessoa. Entretanto, nós não podemos ser dominados pelas emoções e para isso temos que ter certo controle sobre elas, e aí entra a razão, mas isso é uma outra história. Tais sentimentos supracitados foram os principais fatores para a mudança de atitude do protagonista em relação a criadora da Altair. Souta ficou frustrado ao perceber que era menos talentoso que a amiga e ao mesmo tempo ficou com medo de que a fama que ela estava conquistando criasse um muro intransponível entre os dois.

Pior que sentir inveja e medo, é se sentir feliz com a desgraça alheia, pois para Souta não bastava apenas cobiçar para si o talento alheio, ele tinha que se satisfazer com o sofrimento da sua então amiga. É justamente nesse ponto que está o pecado dele, pois ao invés de ajudá-la, ele simplesmente a ignorou enquanto regozijava das calúnias e injúrias proferidas contra Setsuna.

O protagonista revelou o seu lado mais fétido e agora sofre com o remorso que o persegue constantemente.  Ao saber da tragédia ocorrida com ela, ele não busca o perdão e sim procura esquecer de todo o ocorrido. Entretanto, a essa altura da história não tem como Souta fugir dos suas ações passadas.

O Souta precisou aprender que ele tem que saber perdoar a si próprio, e o primeiro passo foi dado, se confessando perante seus companheiros. Apenas sentindo remorso, ele nunca iria alcançar o arrependimento genuíno e poder seguir em frente.

A partir dos próximos episódios veremos como o arrependimento mudará as ações do protagonista, mostrando o amadurecimento do mesmo.

Eu também queria passear nesse Mecha

Eu já falei demais do Souta nos últimos parágrafos, que tal falar de outros personagens? Pois bem, agora irei falar muito brevemente do Blitz Talker, apesar de não saber muito sobre ele, mas até aqui deu para perceber que ele tem uma personalidade fria.

Vale destacar o contraste de personalidades durante a conversa dele com a Alicetaria para os mais íntimos Alice-chan, pois enquanto ele demonstrava frieza, ela se mostrava ser idealista e emocional.

Sobre a cavaleira, a conversa com o criador dela até foi legal (ele escapou de um destino trágico por pouco). Infelizmente, nem todos os personagens têm contato com seus criadores, pois essas relações são interessantes de se ver. A relação entre criador e criatura melhor explorada é entre a Selesia e o Matsubara.

Outro ponto importante é o plano para deter a Altair que é limitá-la a um mundo (gaiola) para impedir que ela tenha mais poderes. Mais importante do que saber como a Altair ganha poderes, é saber que o trabalho da Setsuna ainda continua mesmo depois de sua morte.

Por último e não menos importante, temos o episódio recap que ao contrário da maioria das recapitulações que ocorrem em animes, foi divertido e criativo. A narração da Meteora teve alguns momentos engraçados como o momento em que ela argumenta em favor da Selesia por ter levado uma surra da Mamika, e a parte em que ela diz que é difícil desenhar a Altair. Mas o maior destaque do recap foi a forma que a Meteora se imaginou, que é algo completamente diferente de como ela é. Tenho que admitir que a “nova” Meteora é muito bonita. No geral eu gostei de como todos os acontecimentos anteriores foi contado do ponto de vista da maga.

Essa nova versão da Meteora ficou boa

Este artigo fica por aqui. Obrigado a todos que leram, e até a próxima!

Comentários