Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Para quem assiste o anime, deve ser fácil imaginar como é difícil espremer muitas palavras sobre um episódio. Tudo que eu posso fazer é um breve comentário sobre, quase sempre, a única coisa que eles fizeram no episódio e só. Dessa vez se trata de uma disputa classificada por eles como livre, feita entre dois colégios, o dos protagonistas e um visitante, o do Mikuriya. Nessa eles podem basicamente fazer tudo, é quase sem regras. Nesta disputa foram três contra três, onde todos do time podem responder caso um dos companheiros aperte o botão. Acertou, a equipe ganha um ponto, errou, a mesma perde um ponto. A primeira equipe a fazer primeiro os dez pontos vence.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Ao jogo! Lá, durante a competição, os três protagonistas, Inoue, Fukami e Koshiyama, com o decorrer das perguntas vão entrando em sintonia, e apertando o botão confiando nas perguntas que o outro será capaz de responder. O Inoue fica responsável por conhecimentos otaku e da cultura geek/pop juntamente a matemática; a Fukami lida bem com conhecimentos gerais e seu destaque é linguagem; o Koshi entende principalmente de literatura e coisas que rondam esse tema. Eu creio que o rumo de Nana Maru é este, o três versus três dos protagonistas é bem forte, eles se dão muito bem como equipe pois suas habilidades são bem distintas, mas eles têm sinergia de sobra. Porém, mesmo sendo os protagonistas, eles perdem de novo, o que indica que este é mais um episódio de evolução, treino e essas coisas de animes esportivos. Está demorando um pouco para chegar a hora deles evoluírem em batalhas reais, mas é compreensível esta demora pois se trata de um anime de quiz, as coisas por aqui são lentas mesmo. A menina bonita aparece novamente e é revelada ser a irmã do presidente do clube. Esta entende bastante de circuitos, é um tipo de “otaku dos circuitos”, pelo que eu entendi. Para quem não sabe, o termo otaku no japão é usado para pessoas obcecadas por algo, no caso dela, são circuitos. Tem gente para tudo, né?

Eu consegui resumir e falar sobre o episódio nessas poucas palavras, mas mesmo assim, não consigo dizer a vocês o porquê de gostar tanto do anime. Ele é simples, divertido e relaxante do seu modo lento de ser. Os personagens me ganham com sua simplicidade. Eu tenho certeza que ele rende facilmente uns 50 episódios sem ficar chato, no caso 48, duas temporadas. Dá pra fazer algo legal e com final levemente fechado. Claro que não fará sucesso suficiente para terem duas temporadas e a droga da indústria não funciona de modo a nos agradar, e sim a lucrar o máximo. No caso de Nana Maru, duas temporadas é o suficiente para curtirmos e eles fazerem um final legal, mas como se trata de anime esportivo, só veremos um abraço que seja da Fukami com o Koshiyama quando o anime não tiver dando mais nenhum real, triste realidade, não? Mas vamos continuar acompanhando e torcendo para nos entregarem o melhor possível.

 Beijo para todos vocês galera, até!

Comentários