Aniversário-2-Anos

Espero escrever a sequência desse artigo ano que vem com o blog maior, com mais conteúdo útil e interessante, com mais pessoas tendo acesso a ele.

Escrevi isso no artigo de primeiro aniversário do blog, ano passado. E o que posso dizer? Minha esperança sem dúvida se cumpriu. O blog tem crescido, devagar porém sempre, e crescemos em termos de conteúdo também. Não tanto em quantidade (pô, já temos artigos novos todos os dias, crescer mais ainda do que isso não é moleza, hehe), mas em qualidade e diversidade. Os artigos de episódio continuam seguindo como o nosso principal tipo de conteúdo, absolutamente. Mas publicamos também várias resenhas, mais listas, artigos ainda mais específicos que os de episódios, analisando apenas uma cena, além das categorias que ainda contém apenas um artigo de Artigo-Comentário e A Música do Anime. Ah, e viu o novíssimo Guia Interativo da Temporada?

Ler o artigo →

Nova-aparência

Depois de mais de um ano com a cara antiga, ostentando o que sempre teve a intenção de ser um tema temporário até que tivesse tempo de desenvolver um novo, finalmente o Anime21 tem sua própria cara!

O novo layout substitui e unifica as aparências para desktop e mobile, que antes eram diferentes por inflexibilidade do tema anterior, o que é uma vantagem para o leitor sempre vai saber que está no Anime21 independente do dispositivo que estiver usando para acessar o blog, e para a equipe do blog também que pode saber com mais facilidade qual será a aparência dos novos artigos e de eventuais modificações nos menus e recursos da página.

Ainda falta vários detalhes, como os próprios menus por exemplo, mas isso vai sendo mudado aos poucos e deve estar tudo certo até a próxima temporada no máximo. Também podem ocorrer bugs. Por mais que tenha tomado o cuidado de testar muita coisa, nunca dá para testar tudo. Mobile principalmente é bem chato conseguir testar. Contamos com sua ajuda para relatar qualquer bug ou experiência ruim no blog. E claro, adoraríamos saber sua opinião! O que achou do layout novo do Anime21?

AnoHana

 

Oi, bem sou uma nova colaboradora do Anime21 (Nunca sei como dar um “oi”) e vim falar de um dos animes mais feels conhecidos, que é nada mais que AnoHana. Todos já ouviram falar dele e foi recomendado, afinal, quem já viu e não gosta de AnoHana? Claro que ninguém, esse anime conquista todos que o vêem, e comigo não foi diferente. Ah, no fim do post também vou me apresentar direitinho.

Ler o artigo →

Aniversário-1-ano

Exatamente um ano atrás, no dia 27 de setembro de 2014, o primeiro artigo do blog foi para o ar. Quando publiquei aquele artigo eu tinha muitas expectativas em relação ao Anime21. Eu faria isso e aquilo, o blog se tornaria mais ou menos popular, cresceria dessa ou daquela forma. Como todas as expectativas algumas nunca se cumpriram, enquanto outras foram em muito superadas. Uma expectativa em particular, contudo, foi certeira: eu escreveria e me esforçaria por algo que eu gosto, por algo que eu me orgulharia. Um ano depois posso dizer com convicção que gosto do Anime21 e me orgulho dele. Os motivos para tanto é que talvez não sejam exatamente os que eu tinha em mente em setembro de um ano atrás.

Ler o artigo →

Será que o Tamagoyaki-senpai vai me notar?

Achei por bem comentar um pouco sobre esse assunto escatológico também, depois da súbita popularidade que ele ganhou com aquele vídeo do omelete. Sim, o fim dos animes (e o anime21 ainda é tão novo!). Eu ia fazer uma piada ali no título dizendo que é o Omelete que está chegando ao fim, mas preferi aliviar por duas razões: 1) Eu não acho que o Omelete está chegando ao fim. Ele está tão não chegando ao fim que nem graça teria essa piada. E porque 2) Eu conheço um senhor muito simpático que mora na Praça da Sé (na praça mesmo), que o que tem de simpatia tem de mau cheiro. E ele é uma das pessoas mais simpáticas que eu conheço. Enfim, ele sabe muito sobre muita coisa, e me disse que no Omelete só tem roquista que fez pacto com Satan Goss. Eu não sei se é verdade, mas preferi jogar seguro.

Ler o artigo →

…ou: aquela que cuidará de parte dos shoujos.

 

 

WAT? Como assim, outra apresentação?

Bem pessoal, meu nome é Lidiane, mas assinarei os meus posts aqui no blog como Lidy. Conheço o Fábio há certo tempo nas redes sociais da vida e, ao saber que ele não escreveria sobre dois de meus animes favoritos nesta winter season de 2015, me ofereci para o cargo. Então, pelas próximas semanas, estarei fazendo comentários (nem sempre pontuais) a respeito de Kamisama Hajimemashita 2 e Kuroko no Basket 3. Talvez surja mais alguma função, talvez não, isto será definido com o tempo.

Mas bem, este é um post de apresentação, não é? Sejamos sucintos. Bem, tive contato real com animes/mangás aos 12 anos, por intermédio da minha melhor amiga, que simplesmente jogou no meu colo dezenas de volumes de Inu-yasha e Love Hina de sua coleção pessoal, como quem diz: “Tá aqui, leia e se vicie como eu.”. Na mesma semana, me fez assistir Naruto, levando a uma era de mais de meia década de vício pelo ninja de roupa de gari, que saudades… Mas bem, o plano dela deu certo. Me tornei uma acompanhante assídua de animes, e colecionadora inveterada de mangás, atualmente com um ou outro pezinho no mundo das action figures. Alguém me salve!  -q

Meus animes favoritos, meu top 5 não rankeado, são Natsume Yuujinchou (as quatro temporadas e o OVA), NANA, Chrno Crusade, Wolf’s Rain e uma das obras primas do Shinichiro Watanabe, Cowboy Bebop. Até pensei em fazer um post resumindo e recomendando cada um deles, mas resolvi deixar pra lá e, ao invés disso, fazer um pequeno TOP 5 dos animes que mais me agradaram em 2014. Vejam bem, os que me agradaram. Não esperem Tokyo Ghoul, No Game No Life nem famosos do tipo, já que não foi esse o critério que utilizei aqui (o que não quer dizer que eu tenha desgostado destes). Enfim, vamos nessa.

PS: Pode conter spoilers, mas tentarei me conter.

Ler o artigo →

Kimagure Orange Road, grande romance lançado nos anos 1980 em mangá. Shoujo ou shonen?

Esse artigo eu publiquei originalmente em 2012, no Another Warehouse (aqui). Ele teve uma recepção bastante positiva, e de lá para cá eu meio que me mantive ausente de novas discussões sobre esse assunto. Contudo, por ter lançado o anime21, eu voltei a ter contato com o público em geral fã de animes e mangás, e nessa virada de temporada (a primeira desde que o blog entrou no ar) percebi que ainda há um número grande de pessoas que confunde as coisas loucamente, por isso achei que seria de bom tom relançar esse artigo com algumas edições mais para atualizá-lo do que para alterar seu conteúdo. O que me motivou a escrever o artigo àquela época foi um artigo no então Nahel Argama, antes dele ser um dos fundadores do Genkidama e simplificar seu nome para Argama, chamado Bleach – O Shonen Mais Shoujo de Todos os Tempos. No sentido correto dos termos shonen e shoujo isso deveria significar “o mangá para garotos que mais atrai garotas”, mas por entender que não era isso que a autora do artigo quis dizer, comentei no próprio minha discordância. Daí fui convidado para escrever sobre isso para o Another Warehouse e o resto é história. Essa nova versão do artigo foi motivada não apenas mas principalmente por comentários que confundem demografia com gênero que li no artigo Aoharaido e a última chance de shoujos no Brasil, do Chuva de Nanquim. Um último comentário é importante nessa apresentação, por ser esse um blog sobre animes: as demografias, conforme abordadas por esse artigo, se aplicam apenas a mangás. E não é assim por uma convenção aleatória, é assim porque o órgão japonês que os define e aplica é específico para mangás. Não é absurdo dizer que, por extensão, um anime de um mangá shonen seja um anime shonen, mas tenha em mente que essa não é uma definição correta, oficial. E para os demais animes, originais ou derivados de outras obras que não mangás (light novels, livros, games, etc), embora cada um tenha sim um público-alvo definido, não se usam termos específicos para definir isso. Sem mais delongas, o que afinal são as demografias?

Ler o artigo →