Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Desta vez, eu farei uma exceção. Sairei do meu objetivo inicial de resenhar sobre animes mais antigos e discorrerei sobre um anime recente, Fune wo Amu.

Sendo ainda tão jovem, pode acreditar que eu me senti bastante prepotente dando tal título à resenha… (hahahah). Mas eu não posso negar que o anime retratou muito bem uma fase da vida com a qual eu me identifiquei desde seu início.

Ler o artigo →

Você. Você mesmo. Vem comigo, que esse é um dos meus animes preferidos e eu estou disposto a convencer-lhe a assistir. Pra atingir esse objetivo, eu falarei dos pontos que eu considero negativos e positivos. E eu já digo logo que, apesar de seus pontos negativos, é um anime pro qual eu dou nota máxima, pois pra mim nenhum anime é 100% perfeito, mas há sim animes como este que pra mim são dignos de serem rotulados de obra-prima por tamanha qualidade e originalidade.

Ler o artigo →

Olá, pessoal! Aqui estou eu outra vez, Tamao-chan, trazendo um artigo de resenha. Mas como tem muito tempo que não escrevo um artigo assim, não sei se vai dar certo. Bem, vamos lá!

Bem, acredito que muitos de vocês devem conhecer o anime que falarei agora. Bokura ga Ita foi um dos primeiros que comecei a baixar. Ele é um anime de 2006, mas que ainda traz recordações, sejam elas boas ou tristes. E retrata a visão do amor de dois adolescentes: Nanami Takahashi e Motoharu Yano.

Vamos falar da parte técnica dele: o anime foi adaptado do mangá com o mesmo nome, cuja tradução é “Nós Estávamos Aqui”. Este foi publicado de 13 de abril de 2002 a 13 de fevereiro de 2012 – sendo adaptado até o nono volume – pela autora Yuuki Obata, para a revista Betsucomi(a mesma que publicou Dengeki Daisy e Black Bird, por exemplo). Conta a história de dois adolescentes que estão encontrando o amor:  Takahashi Nanami (Nana para encurtar), e Yano Motoharu. Yano é um garoto popular que dizem que dois terços de todas as garotas do colégio já se apaixonaram por ele, mas Nana não confia em nada disso. Mas será que ela permanecerá sem sentir nada por ele, mesmo tendo que conviver com ele na mesma sala?

Ler o artigo →

Mais uma vez, prazer. Eu me chamo Alyson Silva e, como eu havia dito no meu texto de estreia no Anime21 (as primeiras impressões de ACCA), eu ficarei encarregado de escrever para o site primeiras impressões de animes das temporadas e resenhas geralmente sem spoilers de animes fechados mais antigos.

Para estrear esse novo bloco de resenhas no site, eu começarei com Joker Game, da temporada de Abril/Primavera 2016. A intenção é que eu vos traga, PELO MENOS, uma resenha quinzenalmente às 17h de sexta-feira, podendo também surgir uma ou outra resenha aleatoriamente entre duas resenhas já programadas.

Agora vamos ao que interessa!

Ler o artigo →

No Japão os clubes escolares tem funções importantes como ajudar na socialização dos estudantes e pode influencia-los numa futura carreira profissional, além de ser um espaço onde os estudantes possam se divertir e relaxar um pouco da rígida rotina estudantil. Neste artigo eu irei falar um pouco de um anime escolar que tem um clube de desenvolvimento de jogos com membros peculiares cuja a protagonista é uma garota que acabou de entrar no ensino médio se depara com um importante questionamento que é sobre qual clube que ela iria participar. Essa decisão é de tal importância pois reflete diretamente na sua vida determinando seu ciclo de amizade e até interferindo na escolha profissional em um futuro próximo.

Ler o artigo →

Série para TV, 25 min26 episódiosEstreou dia 5 de outubro de 2004
ComédiaEscolarRomance

Informações técnicas

Adaptado deMangá
Autor originalJin Kobayashi
EstúdioStudio Comet
DiretorShinji Takamatsu
RoteiristaHiroko Tokita

Primeira participação do Anime21 na Corrente de Reviews do Anikenkai, espero que gostem da resenha. Espero mesmo! E acho que o Leo do blog Mithril espera ainda mais, afinal, em suas próprias palavras, “eu (ele) amo School Rumble e gostaria que todos tivessem a oportunidade de assisti-lo“. Obrigado pela oportunidade, Leo! Quero dizer, eu já havia lido o mangá anos atrás, senão provavelmente teria pedido para trocar a indicação, afinal são 26 episódios! E isso porque estou falando só da primeira temporada – a segunda tem mais 26. E mesmo assim valeu muito a pena!

Muito grande? Já quer desistir? Pelo menos leia o resto desse texto no qual, sem grandes spoilers, pretendo convencê-lo a atender o desejo do Leo.

Ler o artigo →