Um futuro brilhante os aguarda

Eu já estou com saudade. Esse é o último artigo de um episódio de Assassination Classroom que eu escrevo por aqui. Digo, pelo menos até o ano que vem, né? A segunda temporada já foi confirmada para 2016. Esse episódio fechou muito bem a temporada, foi um dos melhores de Assassination Classroom, e pode parecer um pouco exagerado eu dizer “aprovados” no título quando praticamente só o Nagisa atuou nesse episódio. Claro, com a ajuda providencial do Terasaka. Mas me acompanhe nesse artigo que, se você não está convencido ainda, logo tudo fará sentido.

Ler o artigo →

Nagisa enlouquecido e pronto para matar de verdade

O combate contra o pistoleiro foi muito mais fácil do que parecia que seria. No fim das contas, os três assassinos contratados foram facilmente derrotados, não é? A novidade dessa vez é que o que fez a diferença não foi a habilidade individual de um dos alunos ou o quanto eles em grupo estão prontos para enfrentar qualquer coisa, mas a liderança ativa do professor Koro. Lógico, se eles não fossem bem treinados e competentes não teriam conseguido não importa quantos Koros estivessem ajudando eles, então a turma 3-E tem sim muito mérito por derrotar o maluco lambe-pistola. Mas não é como se eles tivessem provado estar prontos para enfrentar sozinhos alguém como ele. Que dirá então de alguém pior do que ele?

Ler o artigo →

"A" Nagisa tá um espetáculo, eu sairia com "ela"

Eu já disse noutro artigo e repito nesse: a ideia original do autor é que o Nagisa fosse uma garota. Bom, para ser sincero eu não me lembro se pesquisei o suficiente para ter certeza disso, então não posso dizer com certeza, mas apenas olhe para ele. Cintura fina, peito feminino (se tivesse seios seriam daqueles bem retos, o formato do tórax dele passa essa exata impressão), pequeno, voz fina, cabelo amarrado em duas maria-chiquinhas. Muita gente confundiu ele com uma garota no começo do anime. E reza a lenda que o autor de Assassination Classroom queria fazer dele uma garota, mas a Shonen Jump não permitiu uma história com protagonista garota em suas páginas. Isso pode ser verdade bem como pode ser apenas o caso do autor querer fazê-lo andrógeno de propósito. Qualquer que seja o motivo, o resultado foi bom.

Ler o artigo →

É isso aí, mostrem para os adultos profissionais tudo o que vocês já aprenderam!

Encontrei um significado relacionado à educação para esse arco. Como eles são apenas ginasiais e eu não conheço o sistema educacional japonês provavelmente essa não foi a intenção do autor, mas não ligo. Uma obra artística (ou qualquer tipo de trabalho criativo) não é só o que ela é na cabeça de seu autor, mas o que o seu observador entende dela. Em um contexto de metáforas ou críticas diretas ao sistema educacional e temas correlatos, o que um bando de alunos que fracassam em matar seu professor e estão invadindo o covil de um vilão desconhecido para roubar o remédio para curar seus amigos poderia querer dizer? No original, não faço ideia. Talvez seja só um “vou terminar essa parte da história com um arco divertido cheio de ação”. Para mim, são os alunos colocando em prática aquilo que aprenderam na escola em um trabalho na vida real mas em um ambiente mais ou menos controlado: um estágio.

Ler o artigo →

Rinka Hayami e Ryounosuke Chiba (de costas), os dois franco-atiradores da 3-E e os mais frustrados com o fracasso em assassinar o professor Koro

Oba, Assassination Classroom voltou a ter uma lição do episódio! Você percebeu, não percebeu? Pobres garotos e garotas da 3-E, se prepararam tanto, levaram em conta tudo aquilo que eles sabem sobre o professor Koro, mas eles ainda não sabem tudo e ele se safou mais uma vez! E nem tiveram tempo de remoer muito essa derrota ou aprender algo com ela, porque sofreram um ataque biológico de um inimigo sinistro aparentemente ainda desconhecido e agora suas vidas estão em risco! Mas afinal, qual foi a lição desse episódio?

Ler o artigo →

Ou ele ou eu. O mundo é pequeno demais para eu dividi-lo com esse professor Koro, por favor

Há algumas semanas já que Assassination Classroom não tem nada a dizer sobre sistema de educação, métodos de ensino, relação entre professor e aluno, nada disso que construiu a série até agora. Teve um ou outro detalhe em um ou outro episódio, mas definitivamente o foco parece ter mudado. Só não sei direito qual é o novo foco, se é que tem algum. Não só isso, mas os alunos parecem já não ter mais o que aprender com o professor Koro, e o resultado é que ou o anime mostra alguém elogiando eles, sobre como melhoraram nisso e naquilo, sobre como são bons, esforçados, como estão aprendendo e viraram a última bolacha de algum pacote especial, ou mostra alunos e o professor Koro em algum tipo de conflito tolo. O professor em si virou ora palhaço, ora comentarista do próprio anime. Nesse episódio em particular aconteceu um pouco disso tudo, já que o episódio em si não contou nada, serviu apenas de preparação para o próximo episódio, quando os alunos tentarão assassinar o professor. Fico até com preguiça de escrever sobre episódios assim, mas vamos lá!

Ler o artigo →

Diretor Asano zomba do seu filho depois da derrota da turma A

Tenho que insistir no assunto porque o próprio anime está insistindo. Dos quatro episódios de Assassination Classroom desde que começou a temporada de primavera apenas um não comparou, direta ou indiretamente, Koro e Asano. Foi o episódio focado no Terasaka, o que talvez sinalize que foi um episódio muito mais importante do que pareceu ser. Os demais foram: o jogo de beisebol onde os dois competiram diretamente (e onde o professor Karasuma compara os dois pela primeira vez), o episódio do professor Takaoka (onde eles não foram protagonistas, mas tiveram pequenas participações que permitiram e pediram a comparação), e agora esses dois das provas finais. Se o professor é contra o status quo da escola, é natural que ele entre em conflito com o seu diretor, que é a representação máxima da manutenção! Parece um argumento? Seria, se o professor Koro tivesse em algum momento desafiado a escola ou o seu sistema. Na verdade ele está bem encaixado nesse sistema e até seu comportamento vem se tornando cada vez mais indistinguível do comportamento do diretor. Eles são diferentes?

Ler o artigo →