"A vida está apenas começando"

Nem todas as histórias são escritas pelo sentido literal que elas têm. E não é como se isso fosse uma novidade: a humanidade transmite histórias sem pé nem cabeça (mitos, fábulas) oralmente desde que aprendeu a falar. O que importa não é a história em si, seu enredo e personagens, mas a mensagem que ela passa. Mesmo em ficção onde a história importa, quase sempre há um significado que a permeia e no fundo independe dela. Mas Charlotte é do tipo que a história não faz sentido, então não se preocupe com isso e se foque apenas no que você pode aprender com Charlotte.

Ler o artigo →

Minha reação após assistir esse episódio

Não é possível. Eles acabaram de perder um membro importante (tecnica e emocionalmente), outras duas pessoas foram parar no hospital, tudo por causa de um plano ruim que eles sabem que foi ruim, e como respondem a isso? Com um plano ainda pior! Muitas vezes pior! Cretino! Irrealizável! O Cebolinha deve fazer parte do braço brasileiro da organização do Shun e ele ocupa o cargo de “bolador de planos”. Ou isso ou o seu Manual dos Planos Infalíveis foi distribuído para todos os membros e eles o usam como referência.

Ler o artigo →

Isso é o que acontece quando você fica muito tempo sem engolir saliva e toma um soco no estômago

Andei escrevendo em vários artigos sobre Charlotte que eu não sabia o que esperar do episódio seguinte, não por haver um grande mistério, suspense, ou várias possibilidades empolgantes ou pelo menos interessantes, mas porque não havia nada mesmo. Todos os elementos do enredo costumam estar razoavelmente resolvidos ao final de cada episódio, e eu sempre fico com aquela sensação de “tá… e agora?”. E sei que não sou o único, tanto já conversei sobre isso com outras pessoas quanto já li outros artigos dizendo essencialmente o mesmo: ainda que não seja exatamente episódico (apenas o primeiro punhado de episódios foi), Charlotte nunca constrói tensão para o episódio seguinte, nunca termina um episódio com uma deixa ou gancho empolgante (ou pelo menos com um gancho chato que seja). E já falei o bastante sobre isso. É ruim, é chato ser assim, Charlotte tem história pra contar (pense retrospectivamente e se lembre de quanta coisa já aconteceu nesse anime!) mas não faz um trabalho decente ao contá-la. Isso gera desengajamento que permite a manifestação de um problema tão grande ou até maior, e é dele que vou falar nesse artigo.

Ler o artigo →

Equipe de lavagem cerebral de irmãos mais novos

Após o fim do episódio anterior eu já sabia como seria a solução para todos os problemas: o Yuu ia roubar o poder de viajar no tempo de seu irmão Shun e voltaria para salvar a Ayumi. Eu não esperava duas coisas: um flashback contando toda a aventura do Shun (porque eu não me importo com isso) e que um episódio (menos, se descontar o flashback do Shun) fosse suficiente para todos serem felizes de novo. Talvez eu esteja perdendo alguma coisa, e há uma ou duas coisas que ainda não se encaixam direito, mas talvez seja só Charlotte sendo Charlotte e terminando o episódio sem nenhuma deixa e sem nenhum conflito importante ainda esperando para ser resolvido.

Ler o artigo →

A Ayumi traz azar, só pode

Se eu disser que há vários episódios atrás (nos primeiros mesmo) eu já tinha pensado na hipótese de haver alguém com poder de viajar no tempo? Eu sei que é convenientemente demais eu dizer isso só agora, então não acredite em mim se não quiser. O anime teve dois momentos distintos: uma sequência de episódios fechados, meio cotidianos, do “adolescente poderoso da vez”, e depois a grande tragédia da Ayumi. Eu sempre tive mais o que falar e não quis correr o risco de pagar de bobo por lançar uma especulação com fundamento tão frágil. Por isso agora eu pago de bobo por não ter falado nada antes. Oh, bem.

Ler o artigo →

Yuu quer, por vontade própria, fazer o bem para outra pessoa.Talvez tenha sido a primeira vez que sentiu isso em sua vida.

Dessa vez foi Yuu quem salvou o dia. Aliás, ele salvou muito mais do que o dia. Ele salvou o irmão da Tomori, e a própria, de um círculo do inferno que já durava anos em suas vidas. Bem menos dramático, ele também salvou, de certa forma, a cantora Sara Shane. Pode não ter sido grande coisa, mas tenho certeza que além de ter se divertido aquele dia teve um significado especial para uma artista como ela. E mais importante, ele salvou a si mesmo.

Ler o artigo →

Ela.

Yuu faz uma jornada até a porta do inferno mas é resgatado antes de atravessar. Ele esteve sob controle desde que entrou no colégio Hoshinoume, mas nunca deixou de ser a pessoa horrível do primeiro episódio. Talvez eu esteja sendo severo demais com ele, não sei ainda se o acho uma má pessoa ou se ele apenas é imaturo demais e tende a tomar decisões péssimas quando deixado à própria sorte (antes de ser abordado pela Tomori, ele descobriu seus poderes sozinho e assim sozinho decidiu o uso que daria a eles). Sendo Charlotte um anime adolescente, tendo a acreditar na rota da imaturidade. Já a Tomori … ah, a Tomori é bastante diferente.

Ler o artigo →