Não é só essa cena. O mundo de Tokyo Ghoul é o inferno na terra, é puro desespero

Vou deixar claro desde o começo: não gostei de nada desse episódio e gostei de pouca coisa nesse anime inteiro. Achei-o pouco mais (bem pouco) do que mediano. Mas ele é sério do começo até o fim, não sério como um anime que se leve a sério demais mas sem conteúdo para justificar, mas sério porque trata, de fato, de temas sérios. Por isso resolvi buscar outras opiniões (é para isso que peço que comentem aqui ou no Facebook) antes de escrever esse artigo sobre o último episódio, não para transmitir aqui uma opinião que não é a minha, mas para ter base para refletir sobre a minha própria opinião. Continuo sustentando que essa temporada foi apenas mediana e esse episódio final foi horrível, mas acho que adquiri um novo entendimento sobre a intenção de Tokyo Ghoul ?A, e é à luz dela que escrevo esse artigo.

Ler o artigo →

Não sei da onde veio a névoa que só cobria a quadra onde Amon e Kaneki lutavam

E tudo era uma armadilha elaborada da Aogiri para enfraquecer a CCG e atacá-la. É um festival de cadáveres, mas o único que eu tenho certeza que morreu foi o Takizawa, porque, bom, ele foi engolido inteiro por um ghoul. Inteiro mas vivo, então não duvido se mesmo ele reaparecer vivo depois. De resto, a maioria dos rostos famosos (só rostos mesmo) da CCG sobreviveram ainda que encurralados, e parece que só Shinohara e Amon podem ter morrido. Os rostos conhecidos da Aogiri não tiveram sequer arranhão (com exceção da Coruja). Kaneki também está vivo e bem, Touka está viva e perdida vagando em algum lugar bem longe de qualquer batalha (para onde ela foi? fazer o quê??), o Nagachika está vivo, e pasme, o Yoshimura também ainda está vivo.

Ler o artigo →

Esposa e filho do Yoshimura

Está bem, me desculpe pela piada horrível no título. Mas acho que essa é uma boa definição para o Yoshimura, não é? Claro, ele não criou o próprio filho ou filha, mas a preocupação e o cuidado que ele tinha com todos os outros ghouls que abrigou sob suas asas só podem ser descritas como paternas. Ele próprio afirma isso, em flashback de quando conversou com Kaneki há poucos episódios atrás. Agora que o pai caiu, então, a família está desestruturada. O que irá acontecer?

Ler o artigo →

Touka imóvel conforme é tomada pelo desespero ao ver no noticiário sobre o ataque ao Anteiku

Título alternativo: Quando só resta lutar. Outro título alternativo: A lei é dura, mas é a lei. Cada título alternativo captura um aspecto do episódio e o título do artigo é apenas uma descrição fria do que está acontecendo, porque eu estava indeciso sobre qual deveria ser o foco do artigo e não consegui chegar a uma conclusão. É um episódio sobre a inevitável luta da CCG contra o Anteiku por conta dos crimes passados do Coruja? Ou é um episódio sobre como a Touka, por desespero, e o Kaneki, por sentimento de dever e compaixão, não podem deixar de lutar mesmo que não haja esperança de vitória? Acho que é os dois.

Ler o artigo →

Yoshimura olha através da janela para nenhum lugar em particular, apenas aguardando o ataque iminente da CCG

Não querendo dizer que isso ficou estranho, mas bem, acho que não tem outra forma de colocar, então, isso ficou estranho. Um ataque da CCG ao Anteiku era algo imaginável desde meados da primeira temporada e algo provável desde o começo da segunda temporada, mas isso não quer dizer que se possa chutar a lógica para o espaço e simplesmente fazer a CCG atacar o Anteiku porque bem, era o que todo mundo estava esperando mesmo. No mínimo se passou um período de investigação entre o episódio anterior e esse, durante o qual investigações foram feitas e se confirmou a identidade do Yoshimura como o Coruja. Mas nenhum sinal é dado na série nesse sentido, exceto talvez pela neve, mas bem, já estava frio no episódio anterior então por tudo o que se sabe ele pode ter sido no dia imediatamente anterior.

Ler o artigo →

Touka monta em Kaneki no meio da rua e eleva a classificação etária de Tokyo Ghoul √A para 65 anos acompanhado dos pais

Além da dualidade homem ou monstro, que se desdobra em certo ou errado, herói ou vilão, entre outros, um tema importante mas que passa um pouco despercebido por ser ofuscado hora pelo tema principal, hora pelas cenas de ação (ultimamente horríveis), é a moral maquiavélica. Afinal, os fins justificam os meios? Kaneki abandonou o Anteiku e se tornou um canibal para se tornar mais forte para poder proteger o Anteiku. O Mado era um monstro maquiavélico. A escritora Sen Takatsuki e a líder da Aogiri Eto (que eu acredito que são a mesma pessoa, só estou esperando o anime confirmar) claramente usam e manipulam outras pessoas e ghouls para quaisquer objetivos ainda obscuros que elas tenham em mente. Além disso, parece que a própria narrativa está sendo escrita dessa forma. Os fins justificam os meios! A história é uma droga ou coisas que não fazem sentido nenhum acontecem porque dessa forma o autor consegue colocar os personagens nos lugares onde ele quer que eles estejam. Se você ainda estava em dúvida se o maquiavelismo é mesmo imoral e errado Tokyo Ghoul deve ser o bastante para te convencer: você está sofrendo essa história confusa e perdida porque o autor se tornou fanzineiro de sua própria história. Ele imaginou um final super bacana e está fazendo qualquer coisa para chegar lá.

Ler o artigo →

Depois de uma noite de muito esforço físico, Amon é provocado um pouco mais por Akira

Esse episódio faria sentido se Tokyo Ghoul fosse uma comédia romântica. Como não é (ainda; espero!) ficou parecendo muito deslocado. Acabo de ver um arco que foi ruim sim, mas terminou em uma questão forte e de grande relevância temática para a série e o que eu tenho? Esse episódio. E nem como comédia romântica esse episódio funcionou muito bem. Também teve um pouco da triste história do Juzo e pude me divertir à valer assistindo o Kaneki gemendo enquanto sofre sozinho com seus múltiplos kagunes fora de controle. Bom, isso foi uma ironia, eu não me diverti nada.

Ler o artigo →