E eles se divertiram

A temporada de outubro frequentemente é considerada uma temporada boa, ou pelo menos, uma temporada de estreias de peso. Sobre as estreias de peso sem dúvida que houveram. Mas a qualidade geral da temporada (avaliando pelos animes que assisti, naturalmente) não foi tanta quanto eu esperava que fosse. Fiquei um pouco frustrado sim. Apesar disso, não foi uma temporada ruim. Nesse texto exponho minha opinião final sobre os animes que terminaram nessa temporada e minha opinião parcial sobre os que continuam. Teço ainda alguns comentários sobre os animes que abandonei e sobre a enquete que realizei com os visitantes do blog sobre quais terão sido os melhores animes da temporada.

Ler o artigo →

Ruko e Mayu que na verdade é a fusão da Tama com a Yuki (que por sua vez na verdade é a Yona, que...)

Cinco animes terminaram essa semana, um sexto deveria ter acabado mas se recusou, escolhendo procrastinar o inevitável por pelo menos mais uma semana. Não houve episódio de Kiseijuu, o que me deixa revoltado. Não vou me esquecer da semana com dois episódios que ajudou a estragar minha agenda de publicações, e agora eles pulam uma semana. Ah vá. Com isso e o com o final de Akame ga Kill na semana passada a classificação terá menos animes que o normal, e semana que vem será menos ainda. Vai ser a chance de animes ruins subirem de alguma forma. Na imagem, Selector Spread WIXOSS. Não vou dizer que gostei do anime, a primeira temporada foi muito melhor, mas dos que terminaram esse semana esse teve o melhor episódio. Foi bom até, ao contrário da maior parte de sua temporada.

Ler o artigo →

Um dos cérebros por trás de Sybil

Teria sido legal se Hannibal Lecter tivesse aparecido nesse último episódio para fritar literalmente os cérebros de todos os personagens de Psycho-Pass 2, mas muita coisa teria sido legal em Psycho-Pass 2 se não tivesse sido tão ruim. Quem fritou cérebros (literalmente, ou cozinhou, derreteu, enfim) foi Sybil. Parte de seus próprios cérebros. Olha, se o sistema tinha mentes criminosas tinha mais é que se livrar delas mesmo, e me impressiona não tê-lo feito antes. Mas os cérebros usados para a matriz de Sybil não são todos criminosos para começo de conversa? E incorruptíveis, apesar disso?

Ler o artigo →

A lendária técnica para deixar protagonista com a boca aberta

Começaram os encerramentos! Por enquanto só dois que não deixarão saudade, mas semana que vem deve haver uma enxurrada de encerramentos. A média dos animes que eu acompanho com artigos melhorou bastante, mas no geral não teve quase nada muito impressionante essa semana, foi bem mediana. Curiosidade: percebi que nunca havia usado uma imagem de Fate/Stay Night para ilustrar esses artigos, e isso acontece porque vários deles saíram no mesmo dia que artigos sobre o anime. Bom, hoje saiu artigo sobre Fate, mas decidi usar uma imagem dele no saldo mesmo assim, só para variar um pouco e sem precisar usar imagens de animes que foram ruins essa semana.

Ler o artigo →

A lei não me protege de Psycho-Pass 2

Ainda não entendi se os trens são tradicionais, com rodas, ou levitam de alguma forma. De todo modo, pela via parecem ser monotrilhos, mas pelo trem não parecem nada. E em um momento os vilões estão na cabine de comando do trem, mas em outro toda a frente do trem se abre para os passageiros saírem, demonstrando que ele não tem cabine nenhuma. Não faria sentido ter cabine de todo modo já que a condução é remota, então acho que o erro foi ter aparecido uma cabine em primeiro lugar. Consistência é isso aí. Há problemas gritantes também na conexão entre as dominators e Sybil. É tudo futuro, a tecnologia pode ser diferente? Claro, espero que seja. Mas vejo no anime problemas que nunca existiram ou já foram resolvidos pela tecnologia hoje, e certamente não espero que tenham surgido ou ressurgido em um futuro distópico onde a sociedade é regida pela tecnologia. Estou sendo mesquinho, apontando detalhes do cenário ao invés de considerar tudo isso liberdade criativa na condução da história? Estou mesmo. E é um artigo longo sobre isso. Me aguente. Quando a história é boa a gente ignora o som no espaço e a cabeça do protagonista continuar inteira embora ele tenha sido arremessado com tal força contra uma parede que a mesma rachou. Quando ela é ruim, bem, aí todos os defeitos ficam muito mais evidentes. Psycho-Pass 2 pode muito bem ser considerado uma desconstrução do mundo criado pelo próprio Psycho-Pass original, ao levar às raias do absurdo os temas propostos e recursos de narrativa utilizados na primeira temporada. O problema é que isso não parece intencional.

Ler o artigo →

O novo Shinichi consegue suportar a pressão e fazer o que deve ser feito

Essa semana. Os animes dessa semana foram tão ruins que nem tenho vontade de comentar sobre ela em linhas gerais. Apenas aproveito mais essa oportunidade para pedir desculpas pelos atrasos, nem tive tempo de assistir tantos animes quanto nas semanas anteriores. Mas bom, não acho que Terraformars ou Akame ga Kill! fossem fazer muita diferença para a minha impressão geral da semana. E agora direto para a classificação.

Ler o artigo →

Queime, Psycho-Pass 2

É triste ver tamanha degradação em uma série que eu gostei tanto da primeira temporada. Tantos personagens interessantes, temas provocativos, combinados em uma narrativa que não é perfeita, mas que até mesmo seus defeitos adicionam personalidade ao resultado final. Essa segunda temporada, contudo, tem os personagens, adicionou alguns novos e rasos, tem um conflito bem mais preto e branco, sem propôr reflexões ao espectador, e a história em si é contada de um jeito apelativo e sem pé nem cabeça. E esse nono episódio, o pior da série até agora e sem nenhuma característica redentora, serve também como uma síntese de tudo o que foi feito errado em Psycho-Pass 2.

Ler o artigo →