Bom dia!

Não dá para disfarçar, não tem para onde fugir: esse episódio foi frustrante. Não só porque teve coisa demais e nada foi bem desenvolvido, não só porque a animação atingiu o que acredito ter sido o nível mais baixo do anime até agora.

Foi um episódio ruim porque embora tenha acontecido muita coisa, a várias delas faltou senso de propósito. Para que razão narrativa serviu o moleque ir tentar matar o Jinzaburou enquanto ele estava dormindo? Só para o anime mostrar uma expressão maligna nova da Teruhi enquanto ameaça uma criança?

A Teruhi aliás apareceu bastante. Foi um episódio tão qualquer coisa que o assunto quente parece ser o novo assalto sexual que ela praticou no Jinzaburou enquanto ele dormia – com esse já foram três. Eu acho mais engraçado comentar sobre a coleção de cabeças dela, que cresceu nesse episódio. Adeus, Shiraishi.

Pela forma como encerrou-se o episódio anterior eu estava com alta expectativa para o duelo entre o Shiraishi e o Jinzaburou. Mas foi aquela coisa, né? Até posso entender que tenha sido rápido, supondo que a intenção tenha sido dar um toque de realismo. Quase toda a ficção que assistimos sobre lutas de espadas (japonesas, europeias, tanto faz) não é só exagerada, como é simplesmente errada mesmo. Alguém que lutasse com movimentos amplos, que mirasse na arma, que preferisse cortes a perfurações (no caso dos europeus, porque as espadas japonesas eram feitas para corte mesmo) e que deixasse um combate se estender demais estaria pedindo para morrer. Combates com espada são rápidos e objetivos, como foi o duelo entre Jinzaburou e Shiraishi. Então isso é o de menos.

Existe um motivo para as lutas serem falsas assim em ficção: ficam mais divertidas de assistir. Então que seja, Angolmois abriu mão da diversão nesse caso. Para quê? Para ser mais realista ou só para fazer o Jinzaburou parecer invencível? Não dá para saber. Vou acreditar que seja o primeiro caso porque prefiro assim. Mas não muda o fato de que eu estava com expectativa para mais. Não ameniza a animação horrível. A cena da decapitação em particular foi uma lástima. Durante o pouco tempo que durou, a sequência toda se esforçou para estabelecer uma moral cinzenta, o que combina com o suposto realismo do próprio duelo mas no final das contas ainda estamos falando de uma invasão estrangeira, e de uma das nações guerreiras mais infames da história. É difícil fazer colar a noção de moral cinzenta.

Falando em moral, e a Princesa Teruhi, hein? Ela parece ter se apaixonado mesmo pelo Jinzaburou, o que é um grande problema para ela. O Japão era uma sociedade estratificada e ele é muito inferior a ela, afinal. Talvez isso explique sua abordagem sorrateira (e perturbadora), mas como não é a primeira nem a segunda vez que o anime repete essa cena, já está ficando repetitivo. Está na hora de ser pragmático e perguntar: para quê? Essa subtrama “romântica” vai dar em alguma coisa? Ou é só fanservice?

Por enquanto beijos bastam para Teruhi. Imagino se não existem doujinshis em que ela já não se satisfaz mais apenas com isso…

Não tem muito o que escrever sobre a moral da princesa, enfim. Se e quando a subtrama avançar a gente pensa no assunto. Mas vou continuar tratando de moral sim, agora em um terceiro sentido diferente dos outros dois anteriores: a força de vontade, a força moral, o ânimo para combater. Desde que chegaram ao Castelo Kanada, Jinzaburou tem feito o que ele provavelmente aprendeu de melhor como general para manter a moral das tropas. Ele não queria lutar dentro do castelo, mas essa escolha não dependia só dele então ele fez o melhor que pôde com o que tinha. Seus homens são impossivelmente motivados, dadas as circunstâncias em que lutam, graças a ele. E também Nagamine mostrou nesse episódio que é bom nisso.

Tratou de impedir o quanto antes que a traição do Shiraishi criasse um abismo de confiança entre seus homens e os de Jinzaburou. Convenhamos: se havia um traidor, nada garante que não possam haver dois ou mais. Ou que outros não possam surgir. Jinzaburou se mostrou inacreditavelmente inocente a esse respeito no episódio anterior, e quero crer que até mesmo ele aprendeu a lição. Nagamine já desconfiava antes da traição se tornar escancarada, e só não fez nada porque, naquele momento como nesse, não interessava criar desconfianças entre os Toibarai sob seu comando e o combinado dos sobreviventes da ilha mais os exilados sob comando de Jinzaburou, por mais que haja motivos para desconfiar. Para finalizar, ele fez o possível para manter o ânimo das tropas após a morte do ancião. Como se veria a seguir, aquilo era sim um tremendo mau agouro.

Nagamine distorce qualquer coisa pra elevar a moral das suas tropas

Outro exército mongol está se dirigindo ao castelo, e esse é muito mais numeroso que o anterior. A chance deles sobreviverem a essa altura é, francamente, minúscula. Pelas armaduras, as tropas da vez parecem ser as mesmas que realizaram o ataque inicial – ou, mais provavelmente, uma divisão delas. Quantos truques na manga será que Jinzaburou ainda tem? Atacar e correr contra um inimigo avassaladoramente superior não parece mais tão eficiente. E será que os Toibarai têm ainda algum segredo por trás das muralhas de Kanada? Para o bem deles, é bom que tenham. Mas eu não ficaria otimista: à véspera do que parece ser a última batalha do anime a Princesa Teruhi fez questão de nos lembrar que vitória, na circunstância em que se encontram, é meramente sobreviver. E, obviamente, o ex-imperador Antoku não quis dizer que todos precisam sobreviver, mesmo que ele pessoalmente talvez prefira que a maioria sobreviva.

É tanto mongol que tem alguns que estão flutuando, repara bem na posição das tochas em relação ao contorno das montanhas

Quem está menos perto de sobreviver são os dois exilados fugitivos: Onitakemaru e Chominpuku. Ou eles voltam com o rabo entre as pernas ou morrem. Ou talvez o Onitakemaru cause algum estrago aos mongóis (porque ele é badass) e só depois volte com o rabo não tão entre as pernas. De um jeito ou de outro, bem inútil essa subtrama, não lhe pareceu? A minha impressão é que ela serviu apenas para o pirata ter oportunidade de comentar sobre a suposta mudança na personalidade do Jinzaburou. Por algum motivo, o gigante dos mares acha que não tem mais graça lutar contra o protagonista porque, bem, ele parece estar gostando de lutar. A minha impressão sempre foi a de que o próprio Onitakemaru gosta de distribuir sopapos, será que me enganei e ele na verdade é uma pessoa muito pacífica e gentil que sofre porque as pessoas sempre julgam que ele deve ser violento e grosseiro só porque é grande, forte e tem dentes de tubarão?

Enfim, para um episódio fraquíssimo a cena das tochas acendendo na montanha foi arrepiante, então tem isso. Se tivesse focado mais nesse aspecto, teria sido mais atmosférico, como um bom episódio de ligação em um anime de guerra deve ser. No final ensaiaram terminar com um suspense que poderia ter me deixado apreensivo até semana que vem: será que aqueles navios chegando são amigos ou inimigos? Teria sido um bom tom para encerrar. Mas Angolmois tropeçou nas próprias pernas e estragou tudo. Alguém achou que mais do que o suspense, ver a cara de pavor da Teruhi e descobrir que o pai do Shouni Kagesuke é um babaca era muito mais legal.

Vocês estão ferrados, princesa

Comentários