Já estava na hora de Bokuben apresentar uma novidade, não é? O anime vinha caindo de qualidade e soltava a mão no fanservice e nos clichês de romcom, chegando a um ponto da quase saturação.

Mas eis que chegou a Pixie Maid com seu carisma natural para animar o show, refrescando uma produção tão leve e divertida feito essa. Entregue-se à fofura da Ashumi e vamos a mais um artigo de Bokuben!

Há outra interpretação para a cena: o Yuiga morreu e foi para o paraíso.

Como todo estudioso vestibulando japonês o Yuiga não poderia deixar de ir a um curso de verão, não é? Foi bom ver que já no início do episódio o tema principal da obra tornou à tela sendo o motivo por trás da comédia romântica, porque mostrou o quanto o episódio poderia ser sério, mas sem perder o timing cômico, um charme de Bokuben – um anime que brilha mais quando o estudo é importante!

Aí nós somos apresentados a uma personagem pequenininha, mas esforçada e até mesmo simpática, Asumi. E o mais legal é seu background, alguém que quer medicina, mas falhou no vestibular. Eu vejo isso como a tentativa do autor de mostrar um exemplo de fracasso, mas, ainda assim perseverança, e por que não coragem?

Já vi essa história em algum lugar…

Afinal, ela é uma mulher que quer superar suas limitações e herdar a clínica da família. Não aceitando a taxação que seu fracasso poderia lhe impor, nem a dependência de outra pessoa. Asumi poderia só ter desistido, esperado um príncipe encantado que a sustentasse.

Mas não, ela dá a cara a tapa e até aceita um trabalho que usa e abusa de seus dotes femininos, mostrando aos telespectadores que não é vergonha alguma lutar por aquilo em que se acredita, nem é errado usar o que você tem ao seu dispor, claro, se mantendo fiel aos seus princípios.

E ela faz isso em seu trabalho e faz muito bem feito. Não à toa ela se destaca, mas sem se desviar do caminho que escolheu para si.

É aqui que a paixão é criada.

A Asumi entrou no anime pela porta da frente e sabe o que também é legal? Mesmo seu background não a torna uma personagem chata que não se envolverá na comédia romântica. Na verdade, ele até ajuda nisso, o que me leva a outro tópico.

Apesar da Asumi nunca ter namorado, ela tem a ousadia, a malícia, ao se comunicar com o protagonista que eu espero de uma moça mais velha. Isso quebra um pouco a falta de assertividade das outras três, e se não faz o romance avançar, traz maior consciência sobre ele.

Algo importante para fazer o público enxergar alguma evolução nessa trama. E claro, não é obrigatório ele acabar namorando uma das garotas no final, mas a massiva maioria do público deseja isso e a própria construção convencional do romcom, o caso em Bokuben, faz o público aguardar isso como se fosse a única verdade absoluta da vida.

Não acho que seja, mas confesso que quero ver isso!

Faltou só a sensei pra fechar o quinteto fantástico!

Enfim, a situação dela pedir ao Yuiga para mentir para o pai eu relevo por ser um romcom, e até acho legal porque isso amarra a personagem mais firmemente a trama já que o Yuiga intercedeu por ela, e se esforçará para ajudá-la.

Não acho que ela já esteja apaixonada por ele como as outras três, mas só é questão de tempo até que a sementinha plantada nesse episódio floresça e, honestamente, a razão é bem coerente. Ele se ergueu para defendê-la, apoiá-la, se comprometeu a ajudá-la, e é um cara até bonito e não muito mais novo.

Então, por que não enxergar ele como um pretendente em potencial?

Pode parecer rápido, mas houve um par de situações que foi aproximando os dois e isso ocorre com todas as heroínas da obra, tornando até mais fácil de, pouco a pouco, aprofundar a relação do Yuiga com cada uma e com isso justificar a paixão e a manutenção desse sentimento.

Perceba como situações assim ocorrem mais entre o Nariyuki e a Uruka. #teamuruka

Bokuben não é raso, ao menos não nesse sentido e, especialmente nesse episódio, equilibrou bem o estudo e a comédia.

Mesmo a cena de fanservice no finzinho pareceu menos incômoda e a versão yandere da Fumino foi até mais engraçada e compreensível visto que mesmo inconscientemente, ela só liga tanto para isso porque também está amando.

Só o que a senpai fez foi falar umas verdades sem pudor e com muito sarcasmo envolvido, mas com malícia suficiente para dar a entender que a coisa pode ficar séria, depende de como a situação vai se desenrolar. Ela que não é boba nem nada, joga verde para colher maduro!

As outras três, principalmente a Uruka que já está apaixonada faz tempo, deviam aprender com ela.

Trocaram a Furahashi

Por fim, o episódio foi muito divertido, apresentou uma personagem nova carismática que já achou seu lugar na trama e faz sentido que o tenha. Somando, não subtraindo, ao que de bacana, de prazeroso para seu público, Bokuben tem a oferecer.

Nem daria um 10 a princípio, mas, eu gosto tanto da personagem e esse episódio me divertiu tanto, além de ter vindo em ótima hora, que nada a reclamar tenho dele, apenas que acabou.

Aliás, a cena pós-créditos foi excelente! Se você comete esse crime hediondo – não se ofenda, por favor! – que é fechar o episódio ao tocar o encerramento, perdeu o que talvez foi a melhor cena do anime. Um misto de brincadeira e segundas intenções que faria o coração de qualquer um bater mais forte se estivesse na mesma situação.

É com essa pegada alegre que me despeço. Próximo episódio teremos a sensei na versão maid. Esse anime só melhora…

Até lá!

A Pixie Maid que nós não apenas queremos, mas precisamos! ❤

Comentários