Tudo termina bem

Shomin Sample chegou ao fim, e escrevo esse artigo com um bocado de atraso (considerando que deixei de escrever semana passada) mas sem falta. O que foi esse anime? Uma comédia de cotidiano escolar? Um romance harém? Uma dramédia de relacionamentos adolescentes? Foi um pouco de tudo isso e … foi um pouco. Não, pouco é injusto, foi médio. Quero dizer, eu gostei, achei legal, ri bastante em alguns episódios, me emocionei e torci bastante noutros (principalmente pela Aika), fiquei bastante incomodado com fanservice fora de hora (e me entretive medianamente nas poucas vezes em que ele veio na hora e do jeito certos), mas Shomin Sample é tudo menos memorável. Talvez até tivesse potencial para isso (eu gosto bastante dos seus personagens) mas o roteiro não acertou em cheio. O fato é que Shomin Sample é um anime que em uma temporada normal eu sequer teria assistido só por causa da sinopse, mas nessa temporada o que mais tinha para me fazer rir? O que mais tinha de absurdo para assistir? Assim que não apenas assisti mas acabei escrevendo artigos episódicos sobre o anime. E não me arrependo.

Ler o artigo →

Não importa quanto o Kimito alopre a Aika, ela continua feliz

Você já tinha percebido o rosto que aparece na Lua na abertura do anime, não tinha? Me desculpe por não ter mencionado antes, mas eu já havia percebido há vários episódios e pesquisando descobri quem era. Achei não importante para a história do anime (e bom, até esse episódio não era mesmo) e nunca mencionei. Nesse episódio contudo isso é importante! Digo, “importante” como qualquer homenagem vinda do nada pode ser. Não sei se o autor da light novel ou o diretor ou alguém da produção do anime são fãs do cara, mas o rosto na Lua é do comediante japonês Dandy Sakano, famoso por seus shows de stand-up com terno amarelo e o movimento que ficou conhecido como “gets”, repetido diversas vezes no episódio. Enfim, metade desse episódio é dedicada a isso. A outra metade é dedicada às garotas hilariantemente tentando parecer “masculinas” porque elas acharam que o Kimito iria embora por sentir falta de companheiros homens.

Ler o artigo →

Para mim empregadas em anime são sempre divertidas assim

Um episódio inteiro dedicado a essas maravilhosas caricaturas da animação japonesa: as empregadas. Empregadas de verdade, empregadas de Maid Cafe, as haremetes como empregadas, as empregadas maternais da Hakua, a misteriosa empregada Miyuki. O problema é que eu não gosto de empregadas. Não desgosto também, nada tão forte assim. Quero dizer, eu comecei o texto falando sobre como elas são maravilhosas mas eu estava sendo irônico. Eu sei, não sou muito bom nisso. Irônico, não? Tá, não teve ironia nenhuma, apenas uma piada bem ruim. Vou parar de enrolar e falar do episódio logo.

Ler o artigo →

Tá se sentindo com sorte hoje, Aika?

E como está se saindo Kimito, o protagonista, agora que Shomin Sample se tornou oficialmente um harém? Muito bem, obrigado! Teve clichê de harém nesse episódio? Um monte! Teve o protagonista sendo atacado? Teve! Ficando constrangido por causa de alguma garota? Teve sim! Todas as garotas caidinhas por ele? Ora, se no episódio oito ele ainda não tivesse conseguido isso, era melhor desistir, hehe. E eu sou fã de harém por acaso? Não! Mas também não sou automaticamente contra. É só que é daqueles gêneros cujas histórias parecem escritas com colagens ao invés de realmente pensadas e planejadas, então na maioria dos casos não acho graça nenhuma. E tem muito fanservice (e não existe harém sem fanservice) que mais me constrange, no mal sentido, do que me agrada. Felizmente aqui não há nada assim ainda (bom, não que os super close-ups nas coxas da Karen sejam engraçados, mas ainda consigo suportar isso). E o melhor de tudo: o Kimito conserva sua personalidade troll. Teria sido um choque se ele tivesse mudado tanto assim.

Ler o artigo →

Recompensa por bons serviços prestados como dono de harém

Imagino o seguinte diálogo no estúdio:

Produtor: – Roteirista-kun, está tudo muito divertido e coisa e tal, mas espero que você não tenha esquecido que Shomin Sample é um harém, não é?
Roteirista: – Eu sei Produtor-san, é que eu acho que … – o roteirista é cortado antes de terminar de falar.
Produtor: – Harém, Roteirista. Harém.
Roteirista: – Gomen nasai, Produtor-sama! Esse erro não irá se repetir!

Dado que é baseado em light novel, é possível que isso tenha ocorrido na editora. Aí troque Roteirista-kun por Autor-kun e Produtor-sama por Editor-sama, mas dá essencialmente na mesma.

Ler o artigo →

Aika conquista a turma!

Shomin Sample se parece mais com um slice-of-life feel good do que com uma comédia romântica harém na maior parte do tempo. Mas com personagens que evoluem, mesmo que apenas ligeiramente. Não estou dizendo que Shomin Sample é algum tipo de revolução nos temas e gêneros do anime, apenas que ele está bem longe de ser apenas um clichê. E está sendo uma experiência muito divertida! Para você que gosta de haréns mas não de slice-of-life e está acompanhando Shomin Sample e gostando: assista slice-of-life. Nem todos são K-ON, ok? Se quiser, é só me pedir que eu indico por onde começar, hehe. Agora, ok, o episódio 6. E a Aika. É só ler o resto do artigo!

Ler o artigo →

Elas fazem beicinho, mas são amigonas do peito

O Kimito apareceu bem pouco nesse episódio, e nossa, isso é raríssimo em haréns. Isso é um harém, não é? Quero dizer, todas as garotas gostam dele. Menos a Karen, a Karen quer matar ele, mas isso provavelmente é uma forma de amor também. Esse é o ponto de um harém: todas as garotas gostam ou se envolvem com o protagonista, de forma que a história que importa é a do protagonista. Mas esse também é o ponto fraco do harém: limita muito vários personagens que poderiam ter muito mais potencial, e foca em um único personagem que na maioria das vezes é bastante normal, senão completamente chato. Como animes assim fazem sucesso? Cobrindo seus furos de roteiro e sua falta de temas interessantes com fanservice, muito fanservice, toneladas de fanservice. Shomin Sample com certeza é um harém, e sem sombra de dúvida tem doses generosas de fanservice, mas é também uma comédia, o que se não garante uma história decente, pelo menos garante que ela não precisa de fanservice o tempo todo para se manter interessante. E, surpresa das surpresas, parece que Shomin Sample se importa pelo menos um pouquinho em desenvolver suas garotas. Ponto positivo!

Ler o artigo →