Olá, antes de tudo obrigado por estar aqui me lendo.

Quem eu sou?

Fábio de Godoy, de apelido Mexicano (não sou mexicano nem tenho relação alguma com aquele país), e há anos assisto muitos animes, leio muitos mangás, e de forma geral acompanho esse mercado. Tenho, junto com minha irmã, uma imensa coleção de mangás. Sou da geração Cavaleiros do Zodíaco, que teve o primeiro contato consciente com essa cultura com os guerreiros de Atena nos tempos da Manchete. Não tinha TV à cabo então não pude assistir Cartoon Network e principalmente Locomotion naquela época em que muitos animes passavam na TV. Na verdade, depois de Cavaleiros não assisti mais anime nenhum por anos. Graças a um grande amigo, tive contato com os animes Saber Marionette J e Love Hina, e acho que foi aí que realmente me tornei um fã de animes e quebrei meu preconceito contra mangás. O primeiro que comprei foi Love Hina. Com indas e vindas, sempre mantive algum contato com animes, e minha coleção de mangás também teve períodos mais fracos mas nunca parou. Mas em um dado momento, abracei de vez essa cultura. Hoje acompanho vários animes da temporada, compro mangás, leio mangás online, compro DVD’s (licenciados), assino o Crunchyroll, estou sempre comentando e compartilhando material sobre animes e mangás nas redes sociais onde participo, principalmente o Facebook. Já fiz reviews de mangás por curto tempo no Blog Sakura Animes, já escrevi artigos por alguns meses no Another Warehouse, já pensei muito em criar meu próprio blog. Achei que agora havia chegado a hora.

O que esse blog é?

Esse é um blog de anime. Lendo blogs nacionais sempre senti falta de algo que é muito comum nos blogs e sites internacionais que leio: artigos episódio a episódio. Há alguns blogs nacionais que postam sobre isso, mas são poucos, acho que o melhor exemplo, que eu leio com frequência, é o Elfen Lied Brasil. Há outros, eu sei, mas são poucos. Mas descobri que é esse tipo de conteúdo que quero criar. Assisto tanta coisa que redes sociais não bastam. Lendo artigos episódio a episódio noutros blogs, e eventualmente comentando, eu me sinto conversando sobre aquele anime que acabei de assistir. Se foi bom ou se foi ruim, o que eu achei do desenvolvimento dos personagens, as cenas marcantes, os absurdos das coisas que não fazem sentido, a construção de mundo, as especulações sobre os episódios que ainda virão. Eu gosto de ler isso, eu gosto de comentar sobre isso. Como eu disse, esse tipo de artigo me dá a sensação de estar conversando com alguém. Agora sou eu quem quer começar essa conversa, aqui, com você.

O que esse blog não é?

Apesar de ser um colecionador de mangás fanático, não pretendo, pelo menos por enquanto, publicar sobre isso aqui. Acho que há blogs nacionais muito bons já acompanhando o mercado de mangás, eu jamais me atreveria a criar um blog para escrever sobre o que muitos já escrevem, e o fazem muito bem, por sinal. Pelo mesmo motivo, não tenho intenção de postar notícias. Se e quando eu achar conveniente, comentarei nas mesmas redes sociais que funcionarão junto com esse blog. Em casos especiais, posso publicar links para artigos e notícias que li por aí e que eu recomende.

Pouco mais de 20% da minha coleção

Pouco mais de 20% da minha coleção

É isso. Se leu até aqui obrigado de novo, e espero que volte mais vezes. Há muito sobre o que quero conversar! Até!

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Se você pensar que quase ficou sem imagem nenhuma, até que tá muito bom =P Mas na real a imagem tem qualidade, mas é maior que a área de exibição e acaba sendo reduzida pelo browser, daí fica assim escrota. Preciso resolver isso ainda. Clica nela pra você ver.

  1. Parabéns pelo trabalho, comecei a acompanhar o blog esse ano e gosto muito das análises episódio a episódio, compartilhamos do mesmo pensamento. sempre que assisto um episódio do meu anime favorito nos fansubers que fazem um maravilhoso trabalho em nosso país, fico louco pra comentar e dar minhas impressões sobre tudo que rolou no episódio e discutir ideias com outros otakus & otomes sobre animes e mangás. Continue assim e vamos seguindo em frente, gostaria de sugerir uma matéria sobre os animes hentai e ecchi com muito fanservice, são gêneros de desenhos animados que sofrem muito preconceito de pessoas não informadas de que essas séries são produzidas para um público específico. E um artigo sobre os nossos fansubers e fandubers brasileiros que com seu trabalho incansável permitem que milhões de brs que possuem energia elétrica em casa, um pc e internet possam assistir animes, li que você escreveu com orgulho que paga um serviço de estreitamento de dados, aí lhe pergunto, neste serviço tem animes hentai? se a resposta for não, então a meu ver este serviço é deficitário, pois deveria ter um catálogo 18+ para os fãs dessas obras também, simples assim, mais divaguei demais, ohayoi e até outro dia.

  2. Bom, já faz dois anos e meio que acompanho o blog, mas só agora julgo ter a capacidade de dar os parabéns, não só ao conteúdo do blog, mas também à excelente equipa que o compõe.
    Desde da altura que comecei a frequentar o Anime21 quase diariamente e a comentar, até este momento, o blog como um todo evoluiu imenso, desde da entrada de novos redactores, ao aumento extraordinário de novos artigos, com os mais variados tipos de anime. Acredito que neste momento o Anime21, seja dos poucos blogs de anime, que comentam quase todos os animes por temporada e melhor ainda, sempre com uma pontualidade extraordinária.
    Voltando ao parágrafo da tua introdução, tu começaste a tua jornada a acompanhar anime e mangá, com o anime que viste na infância (o clássico, nunca transmitido em Portugal, por causa da censura, Cavaleiros do Zodíaco) e isso é um elo entre a maior parte dos otakus old school no Brasil. Tu começaste com o Clássico Cavaleiros do Zodíaco, já este humilde português começou por animes/desenhos didácticos do Era uma vez a Vida, Era uma vez o Homem e Era uma vez o Espaço, desenhos feitos entre estúdios franceses e italianos em parceria com o estúdio Tatsunoko Production Co, Mais tarde o primeiro anime a sério que vi, foi o Dragon Ball Clássico, seguido do Z e mais tarde ainda, o infame Dragon Ball GT e estes animes foram os que mais marcaram a minha infância. Mas por sorte minha, os finais dos anos 90 em Portugal, os animes começaram a passar com mais frequência na tv, sendo que Saillor Moon e Hamtarou marcaram a minha infância e a infância de muita gente da minha geração.
    Depois dessa fase estive mais de uma década sem ver anime (porque a tv já não os passava e eu também não tinha tv cabo) e a ideia de internet, em 2008 e 2009 no interior de Portugal, ainda era muito rara. Ultrapassada essa fase, nos finais de 2009 eu comecei a ver anime a sério, sendo que Code Geass, HOTD, Samurai X e Devil My Cry, foram os meus animes de estreia dessa nova fase. Quanto a mangás, Portugal até pouco tempo não os teve e o único mangá publicado em fascículos por jornais, foi o Dragon Ball, sendo que os mesmos vinham péssimos, pois o sentido de leitura deles, vinha na forma ocidental em vez da japonesa. Hoje em dia, graças à editora Devir, tenho que agradecer, pois ela trouxe vários mangás, sendo o mangá de Samurai X o meu preferido.
    Antes de terminar, tenho que dizer, que a última imagem do artigo, é quase uma cópia perfeita de metade do meu quarto, com a excepção da roupa (que na tua foto está bem mais organizada, do que no meu caso) e com a excepção da tua colecção massiva de mangás (eu tenho poucos volumes de mangá, mas em compensação, tenho torres de livros históricos e algumas bandas desenhadas americanas).
    Foi muito divertido ler o teu artigo de apresentação da tua pessoa e o que se faz neste blog.

  3. O meu com pouco açucar que o medico jã não permite. Ha…Obrigado! Hmm está forte e encorpado delicioso!!

    Bem aqui é James Mays e se permitem contarei minha história com o anime e o mangá…
    Bem tudo começou em 1973 quando tinha alguns aninhos e a televisão para uma criança é um misto de santuário e mistérios (acreditava que pessoas em miniatura trabalhavam na caixa daquela Philips 22″ a valvula) e vi meu primeiro anime SUPER DINAMO (Perman (パーマン Pāman)), e enchia os meus pais de perguntas sobre aquelas pessoas que apareciam no anime (pq eles dormem em colchoes no chão? Pra que aquele palitos para comer? O que eles estão comendo? Ramen? Que é isso?). Foi o meu primeiro contato com a cultura japonesa que tenho lembrança. Bem aqui no Brasil era até facil pq em todo o lugar da cidade que vivo (São Paulo, e vivo nela até hoje nesses longiquos anos) não era dificil encontrar japoneses nas ruas, no comercio ou na escola que vc estudava. Foi uma fase de imersão e muitas descobertas. Essa epoca vai até 78 ou 79. Eram os meus preferidos “Zoran o garoto do espaço”, “O Judoca” , ” A princesa e o cavaleiro”, “Fantomas”, “Sawamu o Demolidor” e claro “Speed Racer”….Foi uma epoca que a televisão aberta era inundada desses produtos, pq as tvs locais não tinham muito o que produzir (exceção a “Vila Sesamo” mas essa é outra história) e o produto americano era caro e em dolares que o pais ainda não os tinha em abundância (acho que ainda não os tem) então os japoneses eram a opção, pois já havia uma grande colonia aqui e eram baratos para comprar. Acho que foi nessa epoca a primeira “grande onda do anime” na televisão daqui.
    Bem reassistindo esses animes, vcs de uma geração posterior poderiam ficar chocados com o nivel de violencia que as crianças eram expostas…Morte e sangue não eram raros em cenas destes, mas não eram de forma gratuita ou para alimentar um instinto primitivo em crianças era parte da trama…Não, não fiquei traumatizado (mais ou menos….Nunca me esqueço da tentativa de suicidio do Chappy em Zoran….). Mangá nem pensar, só no bairro da Liberdade e importado sem tradução
    Como eram produtos considerados de “segunda classe” não houve uma inundação de merchandising dessas séries, sabe: brinquedos, camisas, canetas, lancheiras etc etc Esses só esperando que alguém viesse do Japão trazendo como presente sabe se lá um bonequinho do Ultraman (eu tive um assim)….Disney já dominava desde os tempos priscos….E essa fase passou para mim em 78…Devido a algo chamado Star Wars…

    Aí foi a epoca do Sci-Fi Craziness , anime era meio raro no inicio dos anos 80 Todos queriam (a gang com quem eu andava) Buck Rodgers, Battlestar Gallactica…Futuros homens não desgrudavam daquilo….Mas ainda havia esperança um anime Sci-Fi que me encantou “Yamato” (Star Blazers) que promoveu meu retorno ao anime e era fantastico!!!
    Com a vinda do video cassette e meu pai tinha acabado de comprar um maravilhoso Sony Betamax pude ter contato com outros animes que não passavam na tv aberta. Já citei alguns por comentários aqui no Anime21. Só que tinha um problema alguns eram sem legenda ou a legenda era em ingles e quando encontrava em espanhol era uma alegria só, nunca me esqueci quando vi DAICON IV. Mas já estava saindo da adolescencia entrando na faculdade começando a me embrenhar na obra de Alan Moore e Neil Gaiman quando veio em 1989 aquele que explodiu minha cabeça: AKIRA que assisti umas cinco vezes enquanto em cartaz…

    E aí vieram os anos 90 e as sitcoms americanas bobonas, parecia que meu retorno a ver um bom anime nunca mais iria acontecer até esbarrar em COWBOY BEBOP! O melhor space western noir da história e a melhor trilha sonora da historia tambem! E aí era se entregar a nova era de ouro do anime “Ghost in The Shell”, “Serial Experiments Lain” e por aí vai….E “alive and kicking” até hoje….

    Peoples desculpa o post longo, era que o café servido estava tão bom que me empolguei he he he….Abraços a todos!

Discussão