Rinshi!! Ekoda-chan é um anime curto dessa nova temporada que pretende mostrar a vida de uma garota comum chamada Ekoda. Ela passa por diversas situações inusitadas e caóticas no decorrer do seu dia, o que esperar das aventuras dessa doida? Ninguém sabe!

A primeira coisa que é valida saber aqui é que assim como a personagem falou, essa já é a terceira adaptação feita sobre as histórias dela. As outras duas são o mangá de mesmo nome e um outro anime curto chamado Genki!! Ekoda-chan, com 22 episódios de 5 minutos.

Essa nova adaptação já cria uma marca própria por contar com uma staff exclusiva pra cada episódio, uma idéia bem interessante e que no mínimo cria uma certa curiosidade pra ver como cada história vai se encaixar e funcionar.

Eu quero sim, parece divertida

Outra coisa curiosa é que o anime conta com dois pedaços, o primeiro é a animação em si e o segundo é dividido entre dois momentos: uma conversa entre o diretor e o dublador do episódio contando sobre suas experiências e a série, e a parte final com mostra da arte de Ekoda pelos designers.

Nesse primeiro episódio, Ekoda nos mostra sua rotina de pobreza e a vida como freelancer, ressaltando o necessário pra que a gente entenda a penúria em que ela vive e ao mesmo tempo faça uma imersão, acompanhando os pequenos ocorridos do seu cotidiano que são tão simples e paupáveis pra nós.

Olha só, das várias desculpas que eu poderia imaginar pra ela estar nua durante a maior parte do tempo, não imaginei que ela fosse dar a mais real e sincera: ela poupa o dinheiro da lavanderia se não usar as roupas – Nota 10! Ekoda, esse bom senso ajuda até pra economizar a água do planeta, vamos aderir minha gente.

Assim como todos nós Ekoda além da pobreza também tem outras preocupações que ocupam o seu tempo como cuidar da sua aparência (já que as pessoas insistem em envelhecer a moça), lidar com os animais silvestres que aparecem na sua casa, decorar o nome das pessoas que precisa encontrar no seu trabalho de host – as vezes a gente tem dificuldade de lembrar o nome de uma pessoa que conhecemos e por vezes estamos até conversando, imagina de um cliente que nem sempre se vê -, e até mesmo lidar com a escolha que fez pra morar se batendo constantemente com conhecidos que vão “avançando” na vida e constrangendo a pobre coitada.

É curioso ver como em tão pouco tempo conseguimos ver tantas coisas diferentes acontecendo com ela e conseguimos entender sua personalidade sobrevivente. Ekoda vive de certo modo “intensamente”, ela meio que representa aquele ditado “cada mergulho é um flash”, mas ao mesmo tempo ela demonstra apenas viver conforme o que vai se apresentando a ela e se adaptando àquilo instantaneamente.

Quanto a parte da entrevista, embora meio longa é relativamente interessante porque os diretores tem a oportunidade de explicar tudo sobre a sua visão da personagem, as escolhas que fizeram e o que esperavam trazer com isso através de Ekoda-chan. De mesmo modo os dubladores também tem o seu momento de esclarecer sobre sua vida como profissionais e expor o seu pensamento sobre a série. Enfim, mesmo sendo menos relevante pra quem assiste, esse trecho não estraga o saldo total do episódio qualquer coisa é só pular ele.

Essa parte é estranha mas tem umas coisas legais

Uma curiosidade do bate papo é que Akitaro Daichi (diretor) explicou que escolheu a Haruka Ishida (dubladora) porque lembrou de duas falas que ela teve em um anime – DUAS FALAS! gente, foi isso mesmo – e com isso a impressão que ela deixou nele foi marcante. Ela por sua vez não só tinha coisas parecidas com a personagem (até a lagartixa de estimação), como também executou um ótimo trabalho dando vida a Ekoda pensada por Daichi. A tonalidade da voz dela tem uma suavidade mas ao mesmo tempo um sarcasmo que casa muito bem com essa personalidade mostrada.

Confesso que Rinshi!! Ekoda-chan foi uma estreia que gostei de modo geral. Apesar de ter uma animação muito pobre, a história tem um ritmo dinâmico e bem legal de acompanhar, o que pra mim compensa e equilibra essa equação. A protagonista também faz a sua parte conquistando por ser tão humana e comum, e ter ações mais reais ainda e acidamente engraçadas em meio ao que lhe acontece .

Ekoda não é uma mulher qualquer, ela é uma força da natureza que sozinha move muita coisa – inclusive o que atravessa seu caminho e o de suas vacas. No fim, penso que o anime tem um brilho único e pode divertir muita gente se olharem pra ele da forma correta.

  1. Melhor artigo que li até ao momento sobre este anime tão diferente.
    Desde da sinopse que achei interessante que Risnhi vai ter 12 episódios com directores e seiyuus diferentes para cada episódio, e este primeiro episódio já me convenceu.
    A protagonista para mim, já é um exemplo de vida (o ensinamento dela sobre poupar na conta da lavandaria, foi nota 10).
    A parte do decorar nomes no trabalho, me identifiquei bastante com a Ekoda, sou péssimo a decorar nomes em geral.
    Outra parte que me identifiquei bastante foi quando a Ekoda foi visitar a sua terra Natal e as gentes da terra e amigos de escola lhe perguntam se a Ekoda já é casada ou tem filhos, eu desde dos meus 20 anos até agora aos 23, já me fizeram tais perguntas chatas umas boas centenas de vezes.
    A segunda parte do episódio, a entrevista entre o director, o chefe e a seiyuu, para mim valeu muito a pena, o director foi muito simpático, notou-se o seu amor pelo seu trabalho, contrapondo com a posição mais defensiva do chefe de produção. A Haruka Ishida foi muito simpática também e mais recatada (sendo que no final ela estava muito à vontade), eu nunca tinha visto nada onde ela deu voz, mas na sua performance na Ekoda ela tem potencial. Outro facto que gostei nela foi o facto dela gostar de jogar, ela concilia o seu trabalho de dar voz a personagens de jogos com um hobby pessoal, isso é um sonho para quem trabalhe (e nem acredito que ela é apenas 2 anos mais velha que eu).
    Excelente artigo, de primeiras impressões de Rinshi Ekoda-chan JG.

  2. JG

    Grato pelas observações Kondou, realmente Ekoda-chan foi uma estreia bem incomum e divertida.
    Confesso que a premissa me interessava pela dinâmica de mudar a cada episódio e pela história da personagem mesmo, mas lá no fundo eu tinha um feeling de que talvez pudesse dar errado, e no final acabou dando certo.
    Vamos continuar acompanhando pra ver como cada diretor e dubladora vão se sair (eu espero que sejam ótimos!).

Comentários