Yuragi-sou no Yuuna-san é um mangá da Weekly Shounen Jump publicado desde 2016 e tem como autor Miura Tadahiro. Atualmente, a obra conta com 148 capítulos (146 em português), teve uma adaptação em anime que possui 12 episódios e 3 OVAs e recentemente recebemos o anúncio de que a editora Panini irá publicar o mangá aqui no Brasil com o nome Yuna da Pensão Yuragi (que é uma tradução literal do nome original). E bom, o intuito desse artigo é comentar um pouco sobre a adaptação e claro, expor o que vem depois e por isso, contém spoilers, mas eu tento não colocar tantos para que você, caro(a) leitor(a), que tem interesse em ler não seja tão prejudicado.

Tivemos cenas memoráveis como essa

Primeiro de tudo temos que nos localizar no mangá. O anime não adaptou muitos capítulos e você pode continuar a partir do capítulo 30 (situado no volume 4). Isso mesmo, o anime não adaptou tantos capítulos mesmo sendo uma obra semanal que contém em torno de 20 páginas. E foi uma boa adaptação que trouxe os pontos mais importantes e até mesmo reproduziu fielmente alguns capítulos. E apesar de toda a censura das cenas de ecchi (que não existe no blu-ray e nem nos OVAs), o anime acaba sendo até mais erótico que o mangá. Mas enfim, isso não importa (principalmente a parte do ecchi), pois o objetivo desse artigo é outro e por isso vamos lá.

O elenco quase completo

Aqui vão começar os spoilers então continue por sua conta e risco.

Nesse primeiro parágrafo eu vou mencionar de maneira básica os principais acontecimentos da obra.

Temos algumas confissões direcionadas para o Kogarashi. Uma delas é um tanto quanto inesperada e a outra nem tanto, isso se tratando das garotas que apareceram no anime, pois há pelo menos mais duas que só tem no mangá e que também se confessaram. Descobrimos um pouco mais sobre o passado do Kogarashi e até mesmo a extensão de seus poderes e feitos. Na verdade, seria mais preciso “dizer” que começamos a ter uma real dimensão de como são os poderes de todos os personagens, pois mais para frente começam a ter várias lutas importantes e os poderes são medidos em números (bem altos inclusive). Aliás, talvez o detalhe mais importante fica por conta da origem da Yuuna sendo explicada.

E sobre a origem dela, é bom saber que sim, ela é muito forte e não, ela não vai seguir em frente como qualquer outro fantasma. Apesar de que se for no fim eu não ficaria surpreso se ela seguisse em frente pois na obra já foi provado de que não importa o quão forte você é, morrer (ou nesse caso seguir em frente) pode ser o seu destino. Mas devemos considerar que Yuuna, no geral, é uma obra leve e que só agora está mostrando uma faceta mais “séria” em que temos lutas e arcos em que Kogarashi e suas companheiras enfrentam crises. Por isso, com essa mudança, não fica difícil imaginar que uma eventual morte de algum personagem possa acontecer novamente (ainda que tal personagem seja secundário).

E tocando nesse assunto da mudança da obra, apesar de ser uma história leve e sem compromisso, Yuragi-sou sempre teve seu pezinho no universo dos shounens de porrada e isso fica mais evidente com o passar dos capítulos. Acima do capítulo 100, vemos Yunna tendo uma “forma” de batalha após despertar e até mesmo Chisaki entrando nas batalhas, ela que agora também possui poder espiritual e consegue ver Yuuna e afins. E bom, temos também novas garotas que entram nas lutas e na disputa pelo Kogarashi também.

No fim das contas, os passados de vários personagens é revelado, Kogarashi recebe confissões e há uma leve mudança na obra. Um ponto a se destacar é que o objetivo final – descobrir mais sobre a Yuuna e fazer ela seguir em frente – já foi alcançado, sem ela ter seguido em frente, é claro. A questão é que não temos um aparente objetivo a ser alcançado (algo como ser um Hokage em Naruto), e por isso não há como saber qual será o rumo tomado pela história (a menos que seja essa questão do romance). De qualquer forma, o mangá só melhora a cada capítulo assim como o elenco que vai recebendo bons desenvolvimentos tudo isso dentro de uma história criativa e divertida. Ah, e teremos o mangá publicado aqui no Brasil então caso goste da obra assim como eu, considere comprar.

 

  1. Avatar

    Sendo honesto eu só estou olhando os últimos capítulos pra ver com quem o MC vai ficar, não me chamou a atenção acompanhar muito o mangá. Excelente Artigo :D.

  2. Avatar

    Sinceramente eu até que estou gostando. É um tipo de obra que não tem nada de inovador mas consegue ser competente em entreter com as situações criadas e os arcos.
    Agradeço pelo elogio e o comentário.

  3. Avatar

    Acho a obra muito forçada no fan service teve um capítulo que a ruiva caí de frente pro mc e eu fiquei o quê? Eu gosto bastante da Sagiri e até me surpreendeu quando vi que ela se declarou, infelizmente dps disso teve uns capítulos de fan service e só mostrou ela falando com a ruiva sobre a confissão :/. Gosto bastante da suas análises e vc pega animes e mangás que leio/assisto tbm (gotoubun, bunny girl,gs, domestic).

  4. Avatar

    Bom, a base da obra é essa, o ecchi em situações bizarras. Podemos até mesmo “dizer” que ele é o sucessor espiritual de To Love Ru por conta disso. E particularmente eu não vejo tanto problema nisso pois até gosto e sinceramente até gostaria que fosse um pouco mais sério, mas esse formato já serve.
    No fim, é um tipo de obra que você gostar ou não é definido pela sua tolerância com o fan service bobo que não leva a nada. Já sobre as obras, as citadas são obras que eu já lia o mangá e por isso acabei escolhendo comentar. O engraçado é que essas três são romances e geralmente eu não pegava algo desse gênero para comentar (comentar anime com porrada é sempre mais fácil). De qualquer forma agradeço pelo elogio XD!

Deixe uma resposta para matt kazuma Cancelar resposta