Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Fechando meu editorial da temporada, vou comentar episódio a episódio o anime Joker Game. Como foi o caso de quase todos os outros animes que escolhi, nesse primeiro artigo vou precisar resumir vários episódios. A partir da semana que vem será mais divertido. Aproveita para ler agora se ainda não tiver lido minhas primeiras impressões sobre Joker Game.

Um anime sobre espionagem durante a Segunda Guerra Mundial com ênfase na ambientação realista e humana, ao invés de ser uma história de mistérios e grandes aventuras. Acho que já dava para sentir que seria assim desde os trailers, mas mesmo assim bastante gente se surpreendeu com o formato episódico, que não privilegia nenhuma história particular, preferindo ao invés contar pequenos casos que compõe juntos o grande mosaico que foi o maior conflito armado da história da humanidade. Não que não haja tempo para o anime fazer algo diferente ainda, mas por enquanto é o que temos e eu estou gostando bastante.

Curta o anime21 no facebook:

O segundo episódio é a conclusão do primeiro. Os dois compõe até agora o único arco do anime, e serviu para mostrar as forças que já atuavam no pré-guerra, bem como para mostrar que nem mesmo dentro do Exército Imperial Japonês havia unidade de objetivos e forma de pensar. O oficial japonês atribuído à recém-formada agência de espionagem como conexão desta com o exército é levado pelos seus companheiros e pelo chefe da agência a descobrir falhas de seu superior no exército que ele estava tentando encobrir, referentes a um caso de investigação sobre um espião americano. A mesma ideologia que valoriza a honra e a disciplina acima de tudo foi aquela que causou a queda de um homem, tentando esconder sua falha com mais desonra. Esse tema ressurge no quarto episódio com resultado completamente diferente. O episódio encerra com o oficial concluindo que seu modo de pensar não é apenas ideologia vazia, mas que ao mesmo tempo é muito fácil se esconder atrás dela para justificar crimes. Assim o Japão se lança à guerra contra a China.

Um comentário histórico: essa foi a Segunda Guerra Sino-Japonesa, e seu protagonista foi o Exército Imperial Japonês, que usou um incidente na Manchúria como pretexto para a invasão. Nessa frente de batalha seriam cometidos alguns dos mais atrozes crimes de guerra, como o Massacre de Nanquim. Conforme a guerra contra a China foi se complicando e sendo uma invasão à Rússia impensável, ganhou força a Marinha Imperial Japonesa, que começaria a expansão pelos oceanos Índico e Pacífico e iniciaria a Guerra do Pacífico, a maior guerra naval da história.

A dura escolha de a quem trair

A dura escolha de a quem trair

O terceiro e o quarto episódios narram histórias que aconteceram enquanto o Japão ainda não havia declarado guerra formalmente contra nenhuma outra nação (não houve declaração de guerra de nenhum dos lados durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa, e os japoneses fizeram questão que fosse assim para tentar disfarçar o que ocorria e evitar a interferência das potências ocidentais). Ambos em 1940, poucos meses antes do Ataque a Pearl Harbor que finalmente faria os Aliados declararem guerra contra o Japão.

O terceiro episódio se passa na França, já ocupada pela Alemanha nazista como parte de seu plano para invadir o Reino Unido, o que o espião japonês alocado avaliou corretamente ser um plano com poucas chances de sucesso e assim, recomendou que o Japão não se aliasse à Alemanha. Foi inútil, o Japão assinaria o Pacto Tripartite com a Alemanha e a Itália em setembro de 1940. Mas essa havia sido sua missão anterior, a missão atual era mensurar o tamanho das forças de inteligência e contra-inteligência presentes na França, ou seja, quantos espiões trabalhavam para a Alemanha e quantos eram os membros da Resistência Francesa. Certamente isso também era parte de seu trabalho para avaliar a conveniência do Japão aliar-se à Alemanha. Mas foi tudo infrutífero, pois a decisão já estava tomada.

O protagonista do quarto episódio não é um dos espiões, mas um policial militar japonês em Xangai. A ele foi dada a tarefa de investigar um caso de vazamento de informações militares secretas japonesas, mas era tudo um plano elaborado pelo seu chefe, quem realmente estava vazando as informações, para incriminá-lo depois que outro policial já havia detectado outro vazamento, dessa vez de ópio apreendido, estava investigando e chegou perigosamente perto do chefe, que usou um garoto de programa para matá-lo, e depois o matou em uma grande explosão feita para parecer um atentado contra ele próprio, apagando testemunhas e colocando-se como vítima ao mesmo tempo. Seu plano todo foi desbaratado, o que não pareceu tê-lo incomodado, pois a convicção que já havia feito outro chefe militar incorrer em ilicitudes no primeiro arco teve um efeito ainda mais dramático nele, que concluiu não haver qualquer lógica em se ter uma convicção, decaindo para um estado de busca infinita por gozo e prazer. Ele não se importava sequer de ser processado. Mas não contava com o fator humano, e essa foi sua falha literalmente fatal.

O chefe não contava com o imponderável

O chefe não contava com o imponderável

  1. Mais uma excelente matéria Fábio, este anime é o único que quando sai, e quando o vejo, nem reparo no tempo passar de tantas que são as referências (se bem que este anime não retrata casos reais, mas muitas coisas que apresenta aconteceram como massacres, líderes corruptos (principalmente na moralidade daquilo que faziam). Até agora o episódio que mais me agradou foi o episódio 3, a França sempre foi cobiçada pelos seus vizinhos, pois era rica em carvão, ferro etc (principalmente a Alsácia e Lorena ricas em minerais de ferro, zinco entre outros), a apresentação da realidade de um país ocupado foi muito boa, a dura realidade de ser informante para salvar a família (muitas das promessas feitas aos informantes eram pouco fiáveis já que os nazis matavam tudo e mais alguma coisa e já para não falar da resistência isto sim eram pessoas de coragem, que lutavam contra a ocupação dos nazis, muitas das vezes eram apanhados e fuzilados com as sua famílias. Agora voltando ao Japão, eu gosto muito de história, e sinceramente nunca tive muita pena dos chineses (à excepção do Massacre de Nanquim, este foi um acto feito por animais), a China nessa altura poderia ter um dos maiores exércitos do mundo, tinham milhões de homens, milhões de pessoas que serviam para mão-de-obra na indústria de guerra, mas não andava-se a purgar com ideologias parvas principalmente pregadas pelo Mao Tsé Tung e um outro que agora não me lembra o nome andavam-se a matarem-se uns aos outros, sendo assim claro que não estariam preparados para enfrentar um exército, não digo muito moderno, mas bem treinado. O Japão sempre teve problemas em obter matérias-primas já que a ilha é pobre em tudo até na agricultura, mas quando este se começou a desenvolver industrialmente para fazer frente às potências Ocidentais, ai sim começaram a sério os problemas da falta de matérias primas. Na altura em que o Japão começou a invadir a China e aquelas ilhas no Pacifico ai começaram os problemas para o Japão, como sabes o Japão pertencia à Liga Das Nações e era aliado da Inglaterra, mas quando ele começou a violar os termos do Tratado da Ligas Das Nações, a Inglaterra cortou ou minimizou as relações com eles e o baque deu-se quando os EUA cortaram o fornecimento do petróleo ao Japão, este acontecimento foi daqueles que definiu o rumo da Guerra (passado um tempo do corte do petróleo por parte dos EUA ao Japão, este aliou-se às potências do Eixo (Alemanha, Itália) dando origem à Aliança Tripartida (Berlim, Roma, Tóquio) ou Pacto Tripartite como disseste. Já o episódio 4 não tenho muito a dizer, simplesmente representa a realidade das acções de líderes corrompidos (neste caso o comandante que já estava meio senil).
    Fábio por acaso sabes qual foi o país que mais ganhou dinheiro na Segunda Guerra Mundial, foi Portugal, que vendia volfrâmio (serve para fazer armas) para os nazis e para os aliados, também vendia rações de combate para os dois lados, por obrigação ao tratado da Liga Das Nações, Portugal devia ter participado na Segunda guerra mundial, mas o líder da altura disse que não mandava homens para a Guerra e a teimosia do homem foi tanta que Portugal ficou como país neutro.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Mao Tsé-Tung e Chiang Kai-Shek, que aliás abandonou Nanquim quando a derrota se mostrou inevitável. É mesmo lamentável como um país com uma história e cultura milenares, riquíssima, pudesse ter afundado tanto. Bom, em boa parte é culpa do imperialismo britânico, não é? Inclusive o episódio 4 é feliz em mostrar a forte presença britânica em Xangai embora a China já estivesse tecnicamente ocupada pelo Japão.

      E pois é, a Alemanha não era uma boa aliança para o Japão, como o episódio três deixa claro, mas não é como se o país tivesse outra opção, sufocado que estava pelas potências ocidentais. Bom, opção até tinha, não é? Se a facção militarista não tivesse tomado o controle do país o Japão poderia ter passado a Segunda Guerra como um país neutro ou aliando-se eventualmente às potências ocidentais, mas havia um sentimento de traição desde que o país foi forçado após a Primeira Guerra a limitar sua marinha de guerra abaixo das marinhas americana e britânica.

      E interessante informação sobre Portugal. Bom, países neutros sempre encontram mais opções de lucro durante guerras, não é? A Suíça é a mais famosa por isso.

      • Portugal sofreu muito após a sua participação na primeira guerra Mundial, perdeu muitos homens era um país maioritariamente rural, sem indústria, só para veres quando a segunda guerra mundial Portugal era tão atrasado em tudo que era considerado um país de terceiro Mundo. E tens razão o Japão a meu ver fez muito mal em unir-se à Alemanha, eu acho que no inicio o Hitler quando subiu ao poder, até tinha boas intenções, mas a raiva que ele tinha da França e dos países aliados a esta na primeira guerra mundial era tanta que ele saiu do controle de si mesmo (no outro dia vi um documentário a cores sobre a segunda guerra mundial onde se via a alegria de Hitler, aquando a assinatura do tratado de rendição da França e só para veres como a vingança dele foi plena este tratado foi assinado no mesmo vagão de trem onde a Alemanha se rendera em 1919 (Tratado de Versalhes).
        Os britânicos para mim sempre foram uns filhos da mãe, tanto para os povos colonizados como para os seus aliados, dos casos mais famosos deste modus operandi foi a guerra do ópio entre a China e a Inglaterra no século XIX onde a Inglaterra derrota a armada chinesa e impõem as suas demandas (também lutar contra barcos de madeira com couraçados deve ter sido muito difícil né?)
        Vamos ver se este anime não aborda a temática das bombas nucleares, esse assunto ainda é muito sensível, para mim este acontecimento foi a maior cobardice que o homem fez, uma coisa é atacar pessoas armadas frente a frente outra coisa é lançar sobre uma cidade uma bomba que é capaz de matar centenas de milhares de pessoas em questão de segundos.
        A Suiça é um país pequeno, mas sabe os podres do mundo todo, não é à toa que eles têm os bancos de eleição quando se trata de fugir aos impostos.

      • Fábio
        Fábio "Mexicano" Godoy

        A questão das bombas atômicas está longe de um consenso. O plano alternativo era uma invasão terrestre que sem dúvida mataria muito mais gente. Mas, claro, sem efeitos colaterais nucleares, que no entanto não eram plenamente conhecidos ainda na época. E não é como se os Aliados não tivessem bombardeado com armamento convencional várias cidades na Alemanha e no Japão até que restassem apenas os escombros. Bombardeios incendiários eram comuns no Japão, em uma época em que a maioria das construções era de madeira. Não acho que tenha sido uma escolha fácil.

        Covardia teria sido usar bombas atômicas na Coreia do Norte (e talvez na China) durante a Guerra da Coreia, quando os seus efeitos já eram bem conhecidos e mesmo assim chegou a ser considerado e as bases americanas no Japão foram preparadas para isso e voos teste com armamento falso ou convencional foram realizados. Felizmente não aconteceu, embora a situação na Coreia (e na China, com relação a Taiwan, que foi o que fez os chineses entrarem na Guerra da Coreia em primeiro lugar) continue tensa até hoje.

  2. Tens razão, mas usar bombas atómicas numa cidade cheia de civis é uma coisa que não me entra na cabeça. Quanto às bombas convencionais como tu referiste, que eram jogadas sobre as cidades japonesas, já eram mesmo para fazer sofrer o povo japonês, os Aliados começaram com bombardeiros com bombas explosivas, depois bombas de fósforo que era para queimar e espalhar o fogo e só para veres como o ser humano é maldoso começaram a lançar sobre casas de papel e madeira bombas de napalm que eram constituídas por gel inflamável e gasolina (estas também viriam a ser usadas na Guerra da Coreia e mais tarde na Guerra do Vietname).
    Quanto a Taiwan (ou ilha Formosa) Chiang Kai-Shek deixou uma carga de trabalho e ainda hoje as relações entre a Mãe China e Taiwan estão tensas.
    Quanto à Coreia não sei porquê desde a sua fundação como país sempre foi cobiçada pelo chineses, japoneses até os Mongóis tiveram interesse nela o general Douglas MacArthur propôs a utilização de bombas atómicas na Coreia, mas foi afastado do cargo pelo presidente dos EUA que achou a ideia demasiado extrema.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Guerras são uma merda (embora às vezes responder a uma guerra seja inevitável, como foi o caso dos Aliados na Segunda Guerra). Estou curioso para ver o retrato que Joker Game fará da guerra quando ela entrar nos seus momentos mais dramáticos.

      • Eu acho que eles farão um bom trabalho e já agora reparaste no episódio 4 quando um dos soldados dá o tiro na cabeça do comandante não censuram até fiquei pasmo, fez-me lembrar da altura em que não era preciso esperar a saída dos dvds/bds para ver as certas cenas sem censura.

      • Fábio
        Fábio "Mexicano" Godoy

        É verdade. Esteticamente o anime está bonito e não está evitando mostrar o lado feio da guerra – e do ser humano. Gosto muito disso.

  3. Com sorte talvez façam alguns momentos de batalha, até agora o estúdio tem feito tudo bem desde os cenários até à indumentária dos soldados (quem não conhece a indumentária das SS e os capacetes tão caracteristicos)

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Imagine só que divertido seria uma operação de espionagem em local de conflito aberto? Ou uma operação de espionagem ser engolida por um conflito?

  4. Seria um bom plot-twist, mas se acontecer ainda lhe darei uma nota melhor no Myanimelist. A conversa está boa, mas tenho que ir trabalhar (nem ao sábado se descansa), caso postes alguma coisa durante o dia eu comentarei como sempre.
    Continuação de uma boa escrita.

    • Fábio
      Fábio "Mexicano" Godoy

      Boa noite o/

      Minha agenda de artigos já está definida:

      Domingo: Kabaneri of the Iron Fortress
      Segunda: Ushio to Tora
      Terça: Concrete Revolutio
      Quarta: Haifuri (nessa semana inverti sem querer com Concrete Revolutio) e coluna Meu Anime no OtakuPT
      Quinta: Re: Zero Kara Hajimeru Isenkai Seikatsu
      Sexta: Joker Game
      Sábado: Twin Star Exorcists

Deixe uma resposta para Fábio "Mexicano" Godoy Cancelar resposta