Ah... juventude

Olá aqui é o Iwan do Anime21! Eu não comentei nada sobre a abertura nos episódios passados mas acho que é de bom tom faze-lo em algum momento, a abertura é bem simples e animada com pouca simbologia direta que eu possa ver com uma observada rápida (talvez eu seja capaz de pegar cenas sutis com o tempo, quem sabe) porém eu achei uma imagem bem interessante e gostaria de mostrá-la e analisá-la para vocês, meu primeiro “uma cena” então… vamos lá né:

Curta o anime21 no facebook:

Em dado momento da abertura os personagens se animam e começam a correr com toda a sua força de vontade, essa cena é importante não porque mostra as capacidades físicas dos personagens mas porque claramente nos conta sobre como eles se relacionam, vamos começar analisando o Suwa, durante todo o percurso o Suwa possui vantagem absoluta na corrida, pois é o mais atlético e dinâmico pra seguir os próprios sonhos, mesmo assim, Suwa sempre, e dou ênfase no sempre, está olhando para trás indicando que ele é alguém que sempre pensa em seus amigos ao invés de simplesmente em si mesmo, mesmo quando se encontra afastado deles (possível referência ao fato dele sonhar em ser um jogador de futebol famoso? Talvez uma referência ao apoio que ele dá a Naho e o Kakeru às vezes mesmo não querendo tanto? O fato é que o Suwa está perfeitamente representado nessa cena).

Analisando os outros três protagonista menores temos a Anzu que é alguém que corre desenfreadamente, ela é cabeça de vento e animada, ela vive o momento e não quer perder mesmo pro Suwa que é atlético, é a própria definição da boba feliz que curte adoidada, enquanto isso a garota de cabelos pretos (mil perdões mas acho que nunca vou decorar o nome dela) é atlética porém recatada e sempre se importa com o bem estar de seus companheiros. Ela vai no ritmo dela logo atrás do Suwa porém não se exalta quando a Anzu e posteriormente o Hagita lhe passam, muito ao contrário, ela abre espaço ao Hagita exatamente porque ele (que por sinal, por ser fisicamente terrível começa em último lugar) faz seu melhor para correr, correr e correr até os primeiros colocados. “Para se equiparar ao Suwa?”, vocês se perguntam? Lógico que não, isso seria problemático demais para um preguiçoso como o Hagita, seu objetivo é alcançar a pessoa que está ocupada demais com a brincadeira para perceber o que está acontecendo, Hagita quer alcançar Anzu e ficar ao lado dela, por isso o papel da Tokako (?) como personagem de suporte romântico em Orange me parece bem decisivo.

E finalmente, mas não menos importante, temos o Kakeru e a Naho. Fica bem explícito o que está rolando entre eles nessa cena, Kakeru vai avançando porém em dado momento ele se estabiliza, ao invés de ir atrás do Suwa com o objetivo de ser o melhor, Kakeru têm um sonho e objetivo bem mais modesto, ele vai mantendo um ritmo lento e talvez até desacelerando até o ponto em que a Naho é capaz de alcançá-lo e que ambos possam ficar juntos um do lado do outro. Para o Kakeru mais importante que o sucesso é a companhia de Naho e para Naho fazer o Kakeru feliz com sua companhia é o que importa. Isso é representado pelo ato deles correrem juntos no mesmo ritmo indicando que seus corações também estão num mesmo ritmo.

Ah… juventude

Agora por favor, nessa análise de personalidade o Suwa fica parecendo o egoísta da história, mas lembrem que ele constantemente olha para trás durante a cena, ele olha para seus amigos e fica feliz por eles, Suwa não aparenta estar amargo com sua decisão de estar a frente de seus colegas, mas de forma alguma não sente falta deles, o que indica que se essa cena realmente demostra o emparelhamento das relações entre os personagens , o Suwa está perfeitamente satisfeito com a Naho e o Kakeru juntos desde que seu amigo e amiga fiquem felizes com isso.

 

Gostou desse artigo? Compartilhe:

  1. A abertura de Orange é simples, mas cheia de simbologia, coisa que para mim combina perfeitamente com o anime. O Suwa é o cara, faz sempre tudo pelos seus companheiros e se preocupa com eles. Eu shippo muito o Hagita com a Anzu acho que fazem um casal muito bom. A de cabelo preto é a mais reservada, mas também a mais bem resolvida da história. Agora vamos ao principal, eu gosto muito de ver o Kakeru e a Naho juntos existe uma química entre eles.
    Como sempre uma excelente matéria e parabéns pela tua primeira escrita de «Uma Cena» no Anime21.

    • Iwan

      Comecei a gostar da adaptação nesse episódio apesar da arte estar um pouquinho aquém, definitivamente me impressionei com como o diretor passou tantas coisas só com uma cena sem falas, a 7a e a 11a arte são maravilhosas exatamente porque conseguem aproveitar tão bem o som e cores e as vezes até incrementar com a fala, no minimo é esse tipo de coisa que da animo de se escrever.

Deixe uma resposta