Em se tratando de Japão, sabemos que as estações do ano lá aparecem em épocas diferentes (aqui é: verão, outono, inverno e primavera; e lá é inverno, primavera, verão e outono). A época de polinização das flores, portanto, é diferente. Enquanto aqui no Brasil (na região Sul) acontece em final de setembro e os meses de outubro e novembro inteiros, enquanto no Japão é no início de fevereiro que as coisas acontecem. “Mas por quê?” Porque a quantidade de pólen liberada na primavera é influenciada pelas condições climáticas do verão.

No caso, a crise mais comum de alergia a pólen é “pólen do cedro”, que acontece em fevereiro. Pode ser, a princípio, confundida com uma gripe. Os sintomas, são: espirros contínuos, tosse, coriza, irritação e coceira na mucosa dos olhos, coceira e pressão nos ouvidos e febre nos casos mais graves. Também é bem comum se sentir indisposto, desanimado, irritado e totalmente desconcentrado com algo que você faria normalmente no seu dia a dia. Eu entendo muito bem quando a pessoa se sente assim, porque tenho crises constantes de alergias, resfriados, rinites, e outras coisas que poderiam fazer a minha vida melhor se não existissem (é um dos motivos de eu ter procurado um homeopata).

E, como a Célula de Memória mesmo disse: é um verdadeiro pesadelo, não só para a célula, como também para os seres humanos que convivem com essa porcaria eternamente.

Ao ver que o corpo estava em crise por causa da alergia do cedro, as células T auxiliares foram em busca de novas estratégias para acabar com aquele mal. Como eu expliquei anteriormente, além de servirem como células estrategistas, também sinalizam os problemas e funcionam como apresentadoras de antígeno para problemas ainda maiores. Mesmo que o corpo sofra das mesmas doenças, ano após ano, novas células são criadas. Não é à toa que a Célula de Memória possui tantos registros em sua biblioteca, e raramente saiba o que pode acontecer após uma catástrofe, como vimos na tal “lenda”.

Aquele que checa tudo, mas não sabe de nada: a Célula de Memória mais atual.

Uma coisa que foi mostrada e que eu escrevi diversas vezes nos artigos anteriores foi sobre fagocitose. No caso, ela é mostrada de uma maneira muito diferente, já que as células costumam englobar o antígeno para, assim, conseguir reconhecê-lo. MAS acho que a forma representada foi muito mais real e fez o pessoal entender do que se tratava. Acredito que o anime mostrará o segundo tipo de englobamento de antígeno: a pinocitose. A diferença entre os dois tipos é que, na fagocitose, são ingeridas partículas sólidas, enquanto na pinocitose, são ingeridas partículas líquidas por modo de absorção.

A melhor maneira de reconhecer se algo é muito ruim ou não é comendo. Mas, no caso, é fagocitando.

Pois bem, para acabar (ou pelo menos tentar) com todo esse mal, as células T auxiliares chamaram a célula B. Sim, aquela mesma que fugiu após aquela confusão no terceiro episódio, mas que foi por uma boa causa, afinal, criar células contra antígenos é importante, não é mesmo? Mas voltando à vaca fria, as células B possuem um anticorpo muito importante: a Imunoglobulina E (mais conhecida como IgE). Apesar de participar da defesa contra parasitoses e determinados vírus, em algumas circunstâncias também aparecem em caso de alergias e outros tipos de doenças respiratórias.

Agora que teve o seu valor reconhecido, fica se achando. Hunf

E, como mostrado no episódio, houve uma quantidade exacerbada de IgE, fazendo com que a mastócito liberasse histamina contra esse caso. Mas todo mundo sabe que, tudo em grande quantidade faz mal, não é? Tanto a IgE, quanto a histamina, foram produzidos quando o alérgeno apareceu. Porém, quanto mais dos dois, mais perigoso fica no interior do corpo. Nesse caso, é normal a grande quantidade de espirros e de outros “efeitos colaterais” que se sucedeu. Não é à toa que, depois de tanta bagunça, o mastócito e a célula B resolveram se xingar e começar uma briga.

Por fim, o humano x deve ter resolvido ir à farmácia ou algo assim para comprar um antialérgico (também conhecido como anti-histamínico) e tentar apaziguar os efeitos em seu corpo, mas provavelmente ele acabou tomando em uma dose maior que um médico recomendaria, e a maior bagunça da história do anime (pelo menos por enquanto) aconteceu.

O início do caos.

Este foi um dos episódios mais engraçados e, olha, me senti representada. Muito interessante essa mistura que o anime faz entre empregados de uma grande indústria com um sistema corporal já existente.

  1. Avatar

    Olá peoples!!! E vemos mais uma excelente resenha da Tamao Chan!!!….Bem foi bem engraçado ver o sistema entrando em tilt e o discurso do GB nessa hora foi fenomenal “estavam todos fazendo o trabalho que foram programados para fazer” ….Aí é botar um anti-h para por ordem na barafunda!!! E agora com LASERS!!!! KKKKKKKKKKKKK Agora quando tiver uma reação alergica vou olhar aquele comprimidinho de Claritin (loratadina) e imaginar ele como um robozinho matador passando o laser no que tiver a frente!!! AS celulazinha que se comportem e não briguem KKKKKKKK So faltou o Basofilo com sua bazofia declamando suas groselhas!!!kkkkkk

Deixe uma resposta para James Mays Cancelar resposta