Finalmente “Ascendance of a Bookworm” ou como prefiro chamar “Honzuki no Gekokujou” tem seu retorno. Esse é um anime sobre uma garota que ama livros e sobre suas inúmeras dificuldades em poder lê-los.

E agora podemos acompanhar a continuação da jornada de Myne nesse curioso objetivo que é o de ler livros em um mundo próximo ao medieval, onde seu acesso é inacessível a maior parte das pessoas.

Já deixo claro que escrevo esse artigo presumindo que o leitor já tenha visto a temporada anterior. Além disso, já aviso que ao me referir ao anime o chamarei somente de “Honzuki”, optando por ele pelo fato de estar mais familiarizado com o mesmo.

É também já vou logo dizendo que Honzuki foi o meu queridinho do ano passado. Era aquele que mais me animava para assistir os episódios assim que lançavam. E por fim, já adianto que Honzuki contínua o mesmo Honzuki de sempre.

É necessário lembrar que recentemente lançou alguns OVAs de Honzuki. Então se ainda não viu, recomendo que assista antes de passar para essa nova temporada. Inclusive, alguns acontecimentos dos OVAs são citados nesse episódio.

Honzuki é um anime muito simples, tanto narrativamente, quanto em suas tramas e até em sua produção. Além disso, é um anime bem lento. Não por se alongar em acontecimentos ou em demorar para sua história avançar, mas na forma como apresenta esses avanços. Porém ainda que lento, as coisas parecem discorrer muito naturalmente.

É por isso que acredito que essa será mais uma excelente temporada. O autor parece ter 100% de domínio sobre sua obra, já que ele passa a confiança de saber exatamente para onde está guiando essa história.

E não só de Myne vive Honzuki

Essa nova temporada terá um foco diferente da primeira parte, já que veremos a Myne em um novo lugar, interagindo com novos personagens e fazendo novas coisas. Já temos a trama com os criados, com sua posição na igreja e sua já conhecida relação com os livros (que parece finalmente estar progredindo).

A parte religiosa desse mundo já havia sido apresentada na temporada passada. E provavelmente o que irá acontecer agora é um aprofundamento ainda maior. E interessante notar como tudo é muito entrelaçado nesse mundo, já que a relação de poder, a relação hierárquica religiosa, a questão social, o valor individual e a questão financeira estão completamente relacionadas umas com as outras. Mas o que destaco é a forma como isso fica evidente.

Também tudo nos leva a crer que a Myne finalmente poderá interagir com livros. Na verdade, uma das coisas que mais me agrada é como Honzuki consegue se desprender de sua ideia inicial de maneira natural.

Myne ainda não se aproximou de seu objetivo, e ele (os livros) não tiveram nenhuma importância na temporada passada. Pois é a motivação dela de ler livros, e não suas interações com livros que movem a história.

Nesse episódios tivemos diversas apresentações que esse episódio desenvolveu. Alguns núcleos já vinham sendo desenvolvidos desde a temporada passada, e temos agora o da igreja que está sendo apresentado.

E mesmo com as dificuldades, acho que a garota vai superá-las por seus próprios méritos. Myne é uma menina genial, e não digo somente por ter a vantagem de ser de uma época e mundo superior em conhecimento e acesso ao conhecimento. Ela é de fato inteligente.

Aliás, ela é inteligente não somente em conhecimentos teóricos como também na prática. Isso pode ser visto em sua habilidade de negociação, pois não é um conhecimento que se adquire por meio de livros, ainda que livros sobre o tema possam ajudar a desenvolver tal habilidade.

A Myne ganhou até mesmo o respeito de adultos inteligentes e competitivos então é bem capaz de ganhar o respeito do pessoal da igreja. Mas claro, espero que a obra continue focando nos personagens e tramas que já vinha focando.

Nesse episódio tivemos a participação da família dela, em especial de seu pai, além do Lutz e do Benno que são dois personagens muito importantes. Todos são núcleos que espero que essa temporada consiga conciliar, e estou confiante disso.

Todo mundo da igreja está contra a Myne, e não sei por quanto tempo isso irá durar. Honzuki é bem lento, então isso pode durar por grande parte da temporada. Mas isso não me incomoda, Honzuki não é uma obra que me faz duvidar sobre seu futuro.

Agora, sobre a animação, ela continua simples como sempre. Isso só não chega a ser um problema pois a própria narrativa é também bem simples. Mas sem dúvidas, a animação não é nem de perto uma das qualidades da obra.

Enfim, esse foi um bom episódio onde a história teve um grande avanço, mas mesmo esse avanço se deu a seu próprio tempo. Honzuki sabe fazer a história avançar no tempo certo, sem avançar demais ou se perder em banalidades.

Então no final das contas, tudo que eu espero de Honzuki é o mesmo de sempre. Com toda certeza irei continuar acompanhando essa temporada, desse que é um excelente anime para se ver no final do dia.

  1. Avatar

    Finalmente saiu o artigo do primeiro episódio da segunda temporada de Honzuki no Gekokujou, e ainda por cima pelas mãos do grande Vitor K17.

    Antes de começar, já sabia que tinha bom gosto para anime, mas depois de ler que Honzuki foi o anime mais querido para você no ano passado, já vi que além de bom gosto deve ser uma excelente pessoa.
    Não sei quanto a você, mas Honzuki é o melhor Isekai desde que começou essa onda nos últimos anos.

    O OVA que foi cortado em dois episódios, foi tipo o aperitivo antes de uma grande refeição, simplesmente amei. A segunda parte do OVA foi a que mais gostei, nunca é demais ver a pequena Myne a interagir com a Corina ou com o Benno. A primeira parte do OVA foi bem tosca mas agradável e até divertida de assistir (se bem que aqueles dois espiões nobre não enganaram ninguém).

    Passando de vez ao episódio em questão, simplesmente adorei a estreia, tudo permanece o mesmo, tal como na primeira temporada. Por sorte, a animação não sofreu nenhuma alteração, contraditando a tendência de queda geral na segunda parte dos split-cour.

    As personagens continuam maravilhosas como sempre, mas tenho que admitir, o respeito que sinto pelo pai da Myne é enorme. Na temporada passada lá no começo achava-o bem frio e de certa forma rígido, mas depois provou ser um pai com um coração enorme. Agora o Otto também vai entrar na equipa dos pais, ele compreenderá todo o carinho que o seu capitão Gunther tem pelas suas filhas. Tal como todo o pai coruja, não é de surpreender que o pai da Myne sinta que a igreja não irá tratar bem da sua filha (errado ele não está).
    A conversa entre a Myne e o Benno foi dos melhores momentos do episódio, a Myne qualquer dia supera o seu mestre na hora de negociar (dá para ver que o Benno gosta bastante da Myne). Ver o lado mais ganancioso do Benno é sempre bom, ao ponto dele querer se transformar em pasteleiro, tudo em nome do lucro.
    O Lutz, como hei-de de dizer, tenho um respeito enorme por ele, ele além de ser o suporte da Myne é digna a forma como ele protege o bem estar da Myne. Foi bem bonitinho ver o Lutz a praticar o atendimento com a Myne.

    Agora a parte da Igreja, aquele sumo-sacerdote é uma escumalha, ele representa tudo de mal que existe no meio eclesiástico (a Myne devia ter esmagado o coração do porco).
    Por outro lado, o sacerdote chefe Ferdinand parece ser mais flexível e tolerante, ele sente interesse pela maneira de agir e a inteligência da Myne. O criado cedido pelo Ferdinand para a Myne é tal e qual como o seu mestre e dos três ele deve ser o melhor.
    A vida da Myne vai ser um inferno naquela igreja, ela é desprezada pelos nobres de berço, é odiada pelos órfãos de robes cinza e para piorar, os criados dela são um inferno. A Dalia a menina dos cabelos ruivos tem um objectivo de vida bem adulto demais para a idade dela, o Gil é um pirallho mal educado e o Fran é o mal menor desse trio. Espero que a Myne consiga os controlar, mas que não chegue ao ponto dela entrar no seu limite.

    Antes de terminar, tenho que elogiar o lore por detrás dos Deuses daquele mundo, gostei bastante da arte que os representou. E ainda, tenho que citar o momento engraçado no final do episódio entre a Myne e a sua irmã Turi (de facto, a Myne devia ter se tornado em uma comerciante).

    Excelente artigo de primeiras impressões Vitor K17.

  2. Avatar

    Uso das palavras ditas sobre este anime: é uma das continuações que mais aguardava e não fez feio, diria que este e a segunda temporada de “Major 2nd” fizeram bonito em seu primeiro episódio.

    Verdade que entre tantos animes isekais de fantasia medieval, este se sobressaiu por fugir do óbvio desta temática tão recorrente; claro que, nos padrões disso, o anime do slime tem um dos mundos fantasiosos mais fantásticos que vi em animes dos últimos anos e tem um grande carisma, enquanto que o herói do escudo teve um mundo bem consistente e é diversificado quanto a povos e criaturas.
    Que “Honzuki no Gekokujou” continue nos encantando com seu mundo, personagens e carisma mais que declarados.

Comentários