Battle Game in 5 Seconds (Deatte 5-byou de Battle) é um anime dos estúdios SynergySP e Vega Entertainment que adapta o mangá escrito por Saizou Harawata e ilustrado por Miyako Kashiwa (que já fez hentai). A produção é da temporada de verão de 2021 e possui a seguinte sinopse:

 

“Akira Shiroyanagi seria um adolescente normal não fosse seu vício em games. Em um belo dia o garoto é perseguido por uma figura estranha e acaba sendo tragado para dentro de um experimento no qual os participantes recebem super poderes e têm seus registros apagados, não podendo desistir de participar ou exercer seus direito humanos. Akira decide vencer o “jogo” e destruir a organização por trás dele usando seu poder para lá de peculiar.”

 

Aliás, o que você faria se seu poder fosse o que os outros acham que ele é?

Ler o artigo →

Love Live! Superstar é a nova geração da franquia Love Live!, que dessa vez não tem nove idols escolares, mas cinco, além de novamente, assim como no anime de Nijigasaki, a escola não estar em perigo. O que não muda é a protagonista com cabelo laranja (como Niji é tipo um spin-off o cabelo da Ayumu é rosa), a presidente do conselho estudantil que proíbe as idols na escola e outras adversidades a serem superadas.

Além disso, o anime segue nas mãos do estúdio Sunrise, mas não exatamente do estúdio principal, foi passado ao estúdio secundário, o Sunrise Beyond, o qual entrega uma animação diferente das temporadas anteriores (ainda ótima), mas no geral o CG na hora das músicas é o mesmo, então tirando alguns detalhes é um anime de Love Live! como qualquer outro, teve até a peninha que sempre segue as protagonistas.

Enfim, vamos a sinopse:

 

“Kanon Shibuya adora cantar e tem uma bela voz, mas trava e cai dura no chão quando sobe no palco. Um dia, enquanto ia até a escola, ela cruza com Keke Tang, uma garota meio chinesa, meio japonesa que e fã de idols escolares e é cativada por sua voz, decidindo formar o clube de idols escolares da nova escola das duas. Mas Keke não poderia contar com a recusa de Kanon e pior, a proibição da presidente do conselho estudantil.”

 

Ler o artigo →