uma última olhada a vida que nunca mais terá...

Sim, eu fiz uma referência a literatura brasileira em uma resenha de um anime, enfim eu não fui o ser que cuidou de Ajin quando o mesmo lançou no inicio do ano (no caso, foi o fábio) porém eu definitivamente não tenho reservas em ser aquele que tratará do assunto agora, já que o fábio para bem ou mal não conseguiu aguentar o ritmo de filme que ajin têm em episódios semanais (o que faz bastante sentido, diga-se de passagem e, dado ao fato de eu ter maratonizado Ajin pela netflix, é bem capaz de acabar rolando comigo) de toda forma me desejem boa sorte enquanto eu não ferro com tudo, aqui é o iwan com minha primeira impressão de Ajin 2 nessa season.

Curta o anime21 no facebook:

Episódio sólido com um início recapitulativo dos últimos eventos como uma boa continuação de filme (ops, totalmente quis dizer de anime) deveria ter. A progressão do plot é realmente introdutória e não desenvolve muito além do que se poderia imaginar a partir do fim da temporada passada. Satou está fazendo tudo ao seu alcance para dominar o governo japonês através de seu temível exercito de 3 gatos pingados e um psicopata, para tanto, ele explana uma lista de 15 grandes nomes do governo e ameaça matar cada um deles progressivamente até que, finda a lista, ponha em curso seu plano para se tornar governante do japão.

Como na lista de figurões estava o primeiro ministro japonês, o departamento de pesquisas Ajin decide dar uma última chance para o nosso 4 olhos enfezado favorito, ou sempai captura Satou ou morre junto com o primeiro ministro (morrendo com ele, sua amada hospitalizada que não lembro mais o nome). Posto contra a parede ele começa a buscar desesperadamente uma saída que logo viria na forma de uma possível aliança com seu tão odiado inimigo, Nagai Kei , que como sempre (porque o Nagai Kei sempre sabe de tudo e seu argumento contrário é inválido) havia de antemão contratado um detetive para localizar a esposa do sempai e com sua sociopatia dissimulada não teve problemas em fazê-la de refém para se fazer ouvir.


Nesse assunto acho importante dizer que realmente o Nagai Kei é um ser bizarro, sua racionalidade acima da média em situações absurdas e a forma como não mede qualquer escrúpulo moral para atingir seus objetivos é um sinal claro de sociopatia com traços de psicopatia, a forma como ele se divertia lendo as fraquezas de Tosaki expondo-o e pensando em formas com as quais poderia se aproveitar dele e de sua amada graças a isso é, divertidamente, uma das razões de eu ter dado tal nome a esse texto. O fato é, Nagai ,assim como todos as pessoas das quais Tosaki depende para conseguir o suado dinheiro do tratamento de sua mulher, não exitam por um segundo de usar e abusar dessa.

Um rabo preso é um termo usado quando alguém teme que outrem se utilize de uma informação que possa causar seu detrimento e portanto, a pessoa que têm rabo preso se vê forçada a depender da boa vontade de seu não explanador para seguir vivendo a vida que viveria normalmente. Em Ajin o que não nos falta são rabos presos, a assessora de Tosaki, como Ajin, deve total submissão a ele para que outros não saibam que ela também é um Ajin. Tosaki, é extremamente dependente de seu emprego rentável na pesquisa de Ajins para que dessa forma continue o sonho de algum dia conversar com sua acamada mulher novamente, Todo o governo é altamente dependente da não divulgação de seus experimentos com os Ajins ao ponto de que uma ameaça á vida do primeiro ministro não é nem perto de ser o bastante para fazê-los recuar perante as intenções de Satou.


Ainda com tantos percalços é interessante ver que Nagai sente sim falta de sua vida medíocre, porém suportável , as férias acabaram e depois de tanta tortura, fugas e batalhas Kei quer apenas uma coisa, a estabilidade que ele havia experimentado ao lado da “vovó” novamente, Mesmo que essa liberdade e estabilidade viesse na forma de manter para si mesmo um rabo preso com Tosaki, extraoficialmente ajudando na investigação e batalha que estará por vir como um soldado imortal que pelo menos têm boas chance contra qualquer um dos companheiros de Satou fora o próprio e que certamente pode servir de apoio mesmo contra ele. Por isso Kei oferece seus serviços e Tosaki, não sendo nenhum idiota, os aceita de prontidão. Se eu tiver que chutar algo imagino que Kei e seu companheiro receberão nomes falsos e agiram de forma não oficial e sem o conhecimento dos altamente rankeados com o grupo de Tosaki para a batalha final contra Satou  mas isso só o tempo dirá.


 

Gostou desse artigo? Compartilhe:

  1. Este primeiro episódio da season 2 até que foi bom, eu vi a primeira temporada só por ver, mas comecei a ganhar interesse no velho psicopata Satou, ele de todos os ajins é o mais psicopata e mórbido deles todos, ele usa e abusa da sua imortalidade. Eu até compreendo que os ajins tenham algumas coisas contra o governo, já que estes faziam experiências neles só com a intenção de pôr mão no lucro (desde testes de medicamentos a tortura). Mas o Satou é outra conversa, ele quer apenas o caos e o caos apenas, por vontade dele, ele matava todos os humanos e ficavam só os ajins.
    O Nagai Kei desde de cedo se mostrou desfasado de sentimentos considerados inúteis, ele é extremamente frio e calculista não deixando que meros sentimentos se ponham no seu caminho. Aquela cena do carro, onde o Nagai descobre a fraqueza do Tosaki só demonstrou como ele não liga para os outros, ele estava disposto a matar a amada do Tosaki, caso este não aceitasse a sua proposta. A única vez que o Nagai demonstrou um pouco de humanidade, foi quando ele olhou para duas colegiais e se lembrou do tempo em que ele vivia uma vida normal (que ele considerava medíocre, mas que agora parece sentir saudades). Aquele outro que se juntou ao Nagai é apenas uma espécie de alivio cómico, ele não presta para nada, nem sei como o Nagai aceitou juntar-se a ele.
    Agora só quero ver o caos que o Satou e os seus comparsas vão criar.
    Só tenho pena que a animação não tenha melhorado, eles podiam fazer um 3D bonito como o de Bubuki Buranki ou Sidonia no Kishi, os movimentos dos personagens de Ajin são muito robóticos.
    Como sempre um excelente artigo Iwan.

    • Iwan

      Nem reclamo muito da arte de Ajin mais
      Já me acostumei e nao é como se tivessem prometido mais qualidade nesse quesito
      Achei um episódio 1 ok mas nada fora do esperado para o que Ajin costuma propor
      E sim, lógicamente o maior psicopata aqui é o vilão final satou :v

      • O Satou até tem razão em algumas das suas reivindicações, mas as atitudes dele deixam muito a desejar, o maluco demoliu um edifício enorme só para provar que está disposto a tudo. Eu também já não ligo muito à animação, mas ao menos podiam deixar o 3D bonito não aquele 3D sem jeito nenhum.

  2. O episódio inicial de Ajin foi bem compreensível e foi até interessante assisti-lo. O Nagai Kei mostrou-se mais insano. Acredito que muitas situações já demonstraram que ele poderia estar no mesmo saco que o Satou, enquanto poucas demonstraram que ele realmente possuísse humanidade.

    Lembro-me do Kei do início da primeira temporada, que tratava-se de apenas um garoto que, na primeira oportunidade, tentou agarrar-se a alguma esperança depois de tornar-se Ajin, esperança essa que acreditou ser o Satou, mas não hesitou em atacá-lo quando o mesmo desejou agredir os pesquisadores… Embora fosse frio ainda naquela época, não era da forma atual. Não sei mais quem é o Kei que estou vendo.

    Espero que o atual companheiro do Nagai seja mais útil, afinal, ele tem potencial como Ajin. Por fim, embora tenha me acostumado com o 3D robótico, ainda é deprimente vê-lo.
    Fora isto, ótimo post. Até!

Deixe uma resposta