Screenshot_11

Neste semana quente de primavera, Trickster se mostrou um anime mais “frágil” que o esperado. Com animação precária, desenvolvimento um tanto quanto vago e interações nada interessantes tivemos uma lambança em forma de episódio. Este foi o estranho, “feio” e explicativo episódio 2 de Trickster.

Curta o anime21 no facebook:

Eu não quero me decepcionar com Trickster, mas isso talvez venha a acontecer. Apesar do episódio 2 ter sido um pouco fraco, acho que ainda é um pouco cedo para pensar neste tipo de coisa. Antes de criar uma decepção, prefiro esperar um pouco mais para ver até onde o anime consegue ir.

O episódio 2 de Trickster se iniciou com Kobayashi relambrando o que havia acontecido na última noite, e pelo visto nada demais aconteceu. Inoue perdeu sua perna e Kobayashi, assustado, fugiu. Nada a mais foi desenvolvido, tudo aquilo foi apenas uma simples situação criada para que Kobayashi fosse “exposto” para outro alguém da associação.

Ainda nesta parte, quero ressaltar algo no mínimo curioso: a perna amputada de Inoue. Após a amputação, algo parecido com sangue saiu do ferimento de Inoue. Além disso, alguns tentáculos ficaram se contorcendo em torno do ferimento. Com base nessas duas coisas, me pergunto se a perna amputada de Inoue é realmente uma simples prótese robótica. Ou será que Inoue é uma espécie de robô/ciborgue? Tendo em vista que Trickster se passa em 2030, isso não seria algo impossível de existir naquele mundo.

Após o pequeno flashback de Kobayashi, o episódio mudou seu foco para a associação de detetives. Uma mulher foi até o escritório da associação de detetives procurar pelos serviços de Akeshi, mas ele não se encontrava, pois estava vagabundeando por ai. Uma coisa interessante que foi “explicada” (de forma totalmente indireta) em meio a esse diálogo é que Akeshi é um detetive independente e o Clube de Garotos Detetives é uma outra associação independente, mas que compartilham do mesmo escritório. Apesar de eu generalizar os dois “grupos” como “associção de detetives”, aparentemente existe uma divisão, mas acho que os dois grupos se ajudam sempre que possível.

Outra coisa coisa que deixa clara a divisão entre os dois grupos é que os preços são diferentes. Para contratar os serviços de Akeshi é cobrado um preço altíssimo, diferentemente do preço cobrado pelo Clube de Garotos Detetives, que exatamente a metade do valor cobrado por Akeshi. Obviamente, o preço varia conforme o trabalho solicitado e honorários.

“Vocês não tem aula?”, essa foi a pergunta feita pela mulher assim que Hanasaki ofereceu os serviços do Clube de Garotos Detetives, já que Akeshi não estava disponível. Hanasaki respondeu que estuda em casa, mas na verdade, foi a sua outra resposta que me fez ficar um pouco confuso. Ele disse que Noro, a garota de cabelo rosa, na verdade é um GAROTO que não estuda por ser um NEET. Erro de tradução ou informação real por parte de Hanasaki? Eu não sei, isso realmente foi inesperado. Outra coisa também interessante é que Inoue ainda está fazendo universidade. Eu definitivamente pensei que ele já fosse um adulto de no máximo 30 anos, mas aparentemente ele é bastante jovem.

Ao aceitar a proposta de Hanasaki, a mulher expôs o que lhe preocupava. Curiosa para saber o que o namorado fazia escondido todas as noites, ela vasculhou as coisas dele e encontrou cartas de ameaça, que aparentemente foram feitas pelo próprio. O objetivo dela era saber para quem e por qual motivo o namorado fez essas cartas.

Então, iniciou-se a investigação. Hanasaki, com o apoio de Noro e Inoue atráves de um sistema de comunicação , começou a perseguir o suspeito, que havia ido trabalhar. De longe, Hanasaki utilizou alguns mecanismos para ouvir sobre o que o suspeito falava enquanto conversava com outras pessoas durante o trabalho, mas não ouviu nada que o incriminasse, apenas coisas sobre o próprio trabalho. Destaque para esses mecanismos que Hanasaki utilizou, pois o conceito deles são bastante interessantes.

Hanasaki então resolveu ir até o suspeito, que estava trabalhando em uma barraquinha de comida (marmita). Entretanto, ao comprar algo para comer, Hanasaki percebeu que havia perdido sua carteira. No episódio passado, ele deixou a carteira cair ao correr em direção a fábrica em chamas.

Kobayashi, que estava junto de Hanasaki no episódio passado, ficou com a sua carteira e até mesmo tentou desolver, mas por conta da confusão no final do último episódio, isso não foi possível.

Com fome, Kobayasgi tentou comprar algo para comer com o cartão de crédito de Hanasaki, dessa forma, Noro conseguiu rastreiar onde estava a carteira de Hanasaki. Já que o mesmo não podia fazer nada porque estava sem dinheiro, resolveu então ir atrás da sua carteira e deixou o caso, por hora, de lado.

Enquanto isso, em um diálogo com Inoue, Akeshi diz que as cartas cheiram a óleo de cozinha. Através de um sistema de comunicação (aparentemente) administrado por Noro, a conversa dos dois foi compartilhada com Hanasaki, e o mesmo confirmou que o cheiro de óleo de cozinha provavelmente era proveniente do trabalho do suspeito. Creio que os recortes usados para formar as frases tenham vindo dos panfletos da barraquinha onde o namorado-suspeito trabalha, por isso o cheiro de óleo.

Enfim, voltando para Kobayashi. O mesmo comprou uma refeição em uma máquina, mas a sua bolha destruiu a tijela onde estava a comida. Por quê a tijela foi destruída? A comida dentro da tijela estava fervendo, e Kobayashi estava prestes a por a mão dentro da tijela, ou seja, ele se queimaria e isso poderia por a vida dele em risco. Por este único e exclusivo motivo a bolha destruiu a tijela onde estava a comida. Após este incidente, Hanasaki se encontrou com Kobayashi e o convidou para participar da investigação, prometendo-o comida.

Kobayashi quer morrer, esse é o seu objetivo. Sendo assim, por quê ele procura comida quando está com fome? Ele poderia simplesmente não comer mais nada e morrer por inanição, certo? Errado.

Em um diálogo entre Hanasaki e Kobayashi, é dito que quando o mesmo está com muita fome, a bolha empurra coisas vivas para dentro de Kobayashi, não importando o que seja. O coitado teve que comer muitos ratos, minhocas e baratas para permanecer vivo. Até eu iria querer morrer assim. Outro fato que foi exposto neste mesmo diálogo, é que Kobayashi não se lembra de nada sobre o seu passado. Então, provavelmente seu passado tem relação com essa “bolha protetora”.

Com o decorrer do episódio, o suspeito pede permissão para seu superior e se encarrega de entregar uma encomenda de comida em uma empresa onde aconteceria uma palestra sobre engenharia genética. Inoue suspeita que ele de alguma forma pretende matar o palestrante, que é uma pessoa famosa por defender a engenharia genética como algo que mudará o futuro. Sua namorada e ele aparentemente são veganos que são contra a engennharia genética, mas isso não é dito de forma clara no episódio, parece até mesmo que queriam que a gente adivinhasse tal coisa.

Hanasaki e Kobayashi partem para a empresa. Após uma sucessão de acontecimentos, Kobayashi come a comida que o suspeito levou até o local e descobre que um dos pratos (sopa) está envenenado. Entretanto, para mim, não fez sentido o suspeito envenenar a sopa, sério, quem iria comer aquilo? Ele não pretendia matar o palestrante? Pelo que deu a entender sim, mas por ele ter envenado a sopa, dá a entender que o suspeito também iria matar todos os outros participantes da palestra, mas o episódio não cita isso em momento algum. Novamente outro acontecimento confuso e vago.

Após novos acontecimentos, Hanasaki diante do suspeito afirmou que o mesmo não era o culpado e sim a sua namorada. Ela havia feito tudo aquilo para poder matar a todos e jogar a culpa nas costas dele. O não-mais-suspeito não quis acreditar nas palavras de Hanasaki, comeu a sopa para provar que estava errado e… morreu. Engraçado que o veneno fez efeito imediatamente, nem teve um tempinho pro corpo processar aquilo. A tecnologia de 2030 realmente é incrível, não?

Percebam que a água que ele colocou anteriormente na sopa é o veneno, sua namorada, em algum momento não mostrado no episódio, adicionou o veneno nas garrafas d’água que ele levou. Ele só fez aquilo para mostrar como a água que ele faz de forma “caseira” é boa. Poderia ter tentando mostrar isso de outra forma? Sim, poderia, mas por algum motivo ele pensou que adicionando aquilo na sopa iria destacar o sabor da água (?).

Contudo, outro fato meio confuso aconteceu, a mulher (namorada do suspeito) levou um copo d’água envenenado até o palestrante, com o objetivo de matá-lo, mas… por quê? Isso não iria colocar ela sob os holofotes da polícia mais tarde? E qual era o objetivo da sopa então? Era realmente para matar outras pessoas além do palestrante? Tudo foi muito confuso, pelo menos pra mim.

No fim, Hanasaki impediu que o palestrante bebesse o copo d’água envenenado e ela foi presa. Anteriormente, a mulher havia pedido para que investigassem seu namorado para criar uma espécie de “álibi” e tentar tirar a atenção das pessoas de si mesma. Pelo menos foi isso o que eu entendi.

Concluindo, o episódio 2 foi muito estranho. Tenho o entendimento que ainda é o episódio 2, eu sei deveria ter mais calma, mas o episódio em si foi confuso, muito mais que o episódio 1. Além de confuso, o episódio foi vago, algumas coisas não foram muito bem explicadas ou sequer explicadas.

O episódio sucessivamente mudou seu foco, uma hora estava na investigação e do nada mudava pro Kobayashi, até que no fim as duas coisas se juntaram. Certo, pelo menos as duas coisas se interligaram, mas de início foi muito confuso e na minha opinião um pouco desnecessário.

O desenrolar da investigação foi um tanto quanto confuso, se não fosse por “suposições” minhas, não sei se entenderia. O episódio criou novas dúvidas em minha cabeça, e tenho medo delas não serem respondidas, mas creio que algumas serão, já que esse episódio demonstrou que o anime consegue ser “expositivo” até certo ponto. Espero que no próximo episódio Trickster venha a melhorar, pois potencial não falta.

Gostou desse artigo? Compartilhe:

  1. O episódio dois de Trickster foi bem estranho e confuso. De primeira impressão, acreditei que à garota que solicitou ajuda seria usada como uma espécie de “fanservice” e talvez até como uma nova integrante do grupo dos detetives devido à forma como ela é apresentada. O desenrolar restante do episódio foi bem confuso, como você mesmo disse, e meu ânimo caiu a partir disso. Só que o gênero do anime é de mistério, óbvio que alguma reviravolta poderia acontecer na história.

    O problema, em si, foi esse mistério ruim. Eu o colocaria no mesmo nível que um episódio filler de Detective Conan. Continuarei acompanhando o anime, mas também espero melhoras. Aliás, suponho que esta bolha misteriosa do Kobayashi é um poder temperamental.
    Fora isto, ótimo post. Até!

Deixe uma resposta