Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

O que três adolescentes estranhos, uma motoqueira sem cabeça, um bar(super)man, um médico clandestino (e seu amoroso papai), um carinha que está além dos humanos e acha legal misturar três jogos de tabuleiro numa partida só, otakus, gangues para todos os gostos, irmãs alucinadas (gêmeas ou não), estereótipos russos dos mais variados, um distrito de Tóquio e uma cabeça – sim, aquela que faltava – têm a oferecer? Bem, eu sou Luiz Henrique, novo redator aqui no Anime21 – primeira interrogação: o que esperar dos meus textos? Primeiro conselho: não perca seu tempo esperando; se você chegou até aqui, o resto é se lambuzar com o que Durarara!! E (x2) tem a dizer sobre quem somos, onde vivemos e algo sobre como russos podem ser estereotipados.

Ler o artigo →

 

Que temporada foi essa, meus deuses? Diversos conflitos armados, personagens novos se destacando, os antigos mostrando suas caras, terciários ressurgindo com tudo…no meio disso, caos, antigos aliados agora um contra o outro, um informante que oscila sua posição o tempo todo, uma motoqueira ainda mais visível agora do que antes…que mais? Venha, temos muito mais para mostrar!

Ler o artigo →

 

 

Sabe aquela imensa sensação de dejá-vu? Eu tive assistindo a esse episódio. Essa trama que o Kida montou sem querer junto com o Mikado não me é nada estranha, e mais, me deixa meio irritada com os dois por dar uma impressão enorme de ser idiota, ineficaz e uma completa perda de tempo. A pior parte é que agora que Kida resolveu finamente agir, o pensamento de que Ikebukuro inteira pode ser arrastada num grande conflito não me parece mais tão absurdo assim. E, pra melhorar (ou piorar, vai saber), os chefões da máfia também continuam mexendo os pauzinhos a seus próprios interesses. Quem começa?

Ler o artigo →

 

 

 

Tá, tô sendo maldosa, não é como se todos os incidentes que rodeiam Ikebukuro fossem realmente culpa dela, mas ela tem lá sua partezinha, vamos. O anime não leva o fucking nome dela à toa. E nem é de propósito, é simplesmente por ela existir! Mas admito que descobrir que Shinra e Izaya só se tornaram, aham, “amigos” por sua interferência foi mesmo curioso; acho que, se não fosse pelo pedido dela de que seu menino fosse mais sociável, é provável que os dois jamais trocassem mais palavras do que o necessário. Quem sabe se Izaya teria tido tanto interesse em Shizuo sem o futuro médico como mediador? Ou se ele teria tanta facilidade em agir pessoalmente sem seu alter ego Nakura. que só existe por interferência de Shinra. Me pergunto se às vezes ela pensa nisso, ou se ela se sente responsável. Mas ah, boa parte da culpa pelos problemas atuais vêm daquela escola bizarra em que os rapazes passaram o seu ginasial. Fala sério, quantos criminosos afinal de contas aquele lugar graduou?

Ler o artigo →

 

Um conflito começa e se encerra no mesmo episódio. Bem, sejamos justos, ele estava lá desde o começo da temporada, mas só agora as cores de seus integrantes foram mais claramente exibidas; me senti como na primeira temporada do anime, com aquele monte de personagens novos aparecendo sem entender direito quem são e aonde se encaixam na história. No final das contas, o que eu esperava ser um imenso conflito entre grupos demarcando seus territórios acabou bem mais rápido do que eu previa, e mais fácil até, o que não necessariamente quer dizer que tenha sido tedioso. Pelo contrário, enxergar nuances variadas da vida e do trabalho do informante mais sádico, odiado e solicitado de Ikebukuro é sempre um imenso prazer, ao menos para mim.

Ler o artigo →

 

 

Tá tudo bagunçado, tá tudo misturado, tá tudo interligado. Em Ikebukuro, pelo visto, você não consegue subir muito na hierarquia se não conhecer, digamos, ao menos metade dos personagens e segredos mais relevantes do anime, ao mesmo tempo em que não precisa ser tão importante assim pra ter seus tentáculos estendidos pelas mais diversas ruas de lugar. E, mesmo assim, sinto que eu andei subestimando muitas pessoas neste episódio. A primeira delas foi o stalker da Ruri que, eu tenho certeza, se fosse real estaria rindo se tudo o que eu disse sobre ele no artigo anterior.

Ler o artigo →

 

 

Yodogiri é um senhor bem ocupado, pelo visto. Além de suas peripécias anteriores, agora sabemos que está mais profundamente ligado a Hijiribe Ruri do que o que esperamos de início. De certa forma, faz sentido quando pensamos bem nisso, afinal a garota rende uma fortuna como idol famosa então é claro que ele faria o possível e o impossível para mantê-la sob suas asas. Só que não é só isso, a parte inumana de Ruri o atrai muito mais do que qualquer outra coisa, e as exibições particulares às quais ele a submeteu fariam o jovem conde Phantomhive vomitar os seus traumas na calçada. Quando a verdade começa a surgir, quem é mais perigoso: seu agente, seu stalker ou o passado que ela é incapaz de superar?

Ler o artigo →