…ou: aquela que cuidará de parte dos shoujos.

 

 

WAT? Como assim, outra apresentação?

Bem pessoal, meu nome é Lidiane, mas assinarei os meus posts aqui no blog como Lidy. Conheço o Fábio há certo tempo nas redes sociais da vida e, ao saber que ele não escreveria sobre dois de meus animes favoritos nesta winter season de 2015, me ofereci para o cargo. Então, pelas próximas semanas, estarei fazendo comentários (nem sempre pontuais) a respeito de Kamisama Hajimemashita 2 e Kuroko no Basket 3. Talvez surja mais alguma função, talvez não, isto será definido com o tempo.

Mas bem, este é um post de apresentação, não é? Sejamos sucintos. Bem, tive contato real com animes/mangás aos 12 anos, por intermédio da minha melhor amiga, que simplesmente jogou no meu colo dezenas de volumes de Inu-yasha e Love Hina de sua coleção pessoal, como quem diz: “Tá aqui, leia e se vicie como eu.”. Na mesma semana, me fez assistir Naruto, levando a uma era de mais de meia década de vício pelo ninja de roupa de gari, que saudades… Mas bem, o plano dela deu certo. Me tornei uma acompanhante assídua de animes, e colecionadora inveterada de mangás, atualmente com um ou outro pezinho no mundo das action figures. Alguém me salve!  -q

Meus animes favoritos, meu top 5 não rankeado, são Natsume Yuujinchou (as quatro temporadas e o OVA), NANA, Chrno Crusade, Wolf’s Rain e uma das obras primas do Shinichiro Watanabe, Cowboy Bebop. Até pensei em fazer um post resumindo e recomendando cada um deles, mas resolvi deixar pra lá e, ao invés disso, fazer um pequeno TOP 5 dos animes que mais me agradaram em 2014. Vejam bem, os que me agradaram. Não esperem Tokyo Ghoul, No Game No Life nem famosos do tipo, já que não foi esse o critério que utilizei aqui (o que não quer dizer que eu tenha desgostado destes). Enfim, vamos nessa.

PS: Pode conter spoilers, mas tentarei me conter.

Ler o artigo →

Imagem  qualquer de Gurren Lagann, porque esse anime tá no meu TOP 10

Olá, antes de tudo obrigado por estar aqui me lendo.

Quem eu sou?

Fábio de Godoy, de apelido Mexicano (não sou mexicano nem tenho relação alguma com aquele país), e há anos assisto muitos animes, leio muitos mangás, e de forma geral acompanho esse mercado. Tenho, junto com minha irmã, uma imensa coleção de mangás. Sou da geração Cavaleiros do Zodíaco, que teve o primeiro contato consciente com essa cultura com os guerreiros de Atena nos tempos da Manchete. Não tinha TV à cabo então não pude assistir Cartoon Network e principalmente Locomotion naquela época em que muitos animes passavam na TV. Na verdade, depois de Cavaleiros não assisti mais anime nenhum por anos. Graças a um grande amigo, tive contato com os animes Saber Marionette J e Love Hina, e acho que foi aí que realmente me tornei um fã de animes e quebrei meu preconceito contra mangás. O primeiro que comprei foi Love Hina. Com indas e vindas, sempre mantive algum contato com animes, e minha coleção de mangás também teve períodos mais fracos mas nunca parou. Mas em um dado momento, abracei de vez essa cultura. Hoje acompanho vários animes da temporada, compro mangás, leio mangás online, compro DVD’s (licenciados), assino o Crunchyroll, estou sempre comentando e compartilhando material sobre animes e mangás nas redes sociais onde participo, principalmente o Facebook. Já fiz reviews de mangás por curto tempo no Blog Sakura Animes, já escrevi artigos por alguns meses no Another Warehouse, já pensei muito em criar meu próprio blog. Achei que agora havia chegado a hora.

Ler o artigo →