[sc:review nota=4]

Episódio dedicado ao choque de nervos entre os bandos de Mattis e de Borka, com Ronja totalmente dentro do clima e Birk, filho de Borka, sendo uma incógnita. E acho que faz sentido que seja assim, se a intenção é mostrar o processo de mudança da protagonista. É até previsível, creio que em algum momento, com ajuda externa ou não, Ronja irá questionar porque ela detesta tanto alguém que ela sequer conhece e quê, quanto mais o conhece, menos entende porque deveria detestá-lo, então eles se tornarão amigos e isso irá desencadear conflitos entre os clãs e finalmente irão solucioná-los com todos se tornando amigos para sempre. Contarei como o episódio foi, em linhas gerais, e adicionarei meus comentários no meio do texto.

O dia e o episódio já começam assim

O dia e o episódio já começam assim

O clã de Borka aparece em meio ao nevoeiro da manhã e seu líder pede aos guardas do clã de Mattis que o chamem para que eles conversem. Em pouco tempo, os dois clãs inteiros estão à beira da Fenda do Inferno, em lados opostos, se encarando de armas em punho, incluindo as crianças (Ronja e Birk) e as esposas dos chefes (Lovis e Undis). Sobre a Undis, aliás, quero aproveitar e dizer que ela em nada se parece com a imagem que fiz dela no episódio anterior. Foi dito que ela deu à luz depois de se assustar com um relâmpago, então supus que ela fosse uma mulher mais fraca e delicada, mas na verdade ela parece ser tão forte quanto Lovis e ter o mesmo papel que ela em seu próprio clã. As diferenças notáveis entre os clãs é que no clã de Borka todos são mais feios e esquisitos, inclusive Undis que tem um enorme nariz pontiagudo, e no comportamento das crianças. Como já disse, enquanto Ronja imita os adultos de seu clã (e imita mesmo, isso fica patente na cena em que eles riem, onde ela não entendeu a graça mas começou a rir depois quando entendeu que devia fazê-lo para peitar o clã de Borka), Birk, filho de Borka, parece ligeiramente mais consciente do mundo que o cerca e também não parece estar nervoso em momento algum.

O clã de Borka chegando em meio às brumas

O clã de Borka chegando em meio às brumas

Mattis exige que Borka e seu clã saiam do castelo, para onde eles foram conforme previsto por causa dos guardas que infestaram seu antigo território, e ele naturalmente se recusa. Borka revela que de fato chegou ao castelo escalando pelo paredão, mas fez isso de uma forma um pouco mais engenhosa: Birk subiu primeiro com uma corda, a amarrou em um bom ponto de apoio, e por ela subiram Borka e todos os demais. Pela altura da montanha, entendo que esse processo foi repetido várias vezes parando em vários patamares até chegarem ao topo, mas no episódio só é exibida a subida final. Mattis não acredita na história, e Borka o faz puxar pela memória. Veja só, quando crianças, Mattis e Borka foram amigos, e Borka ia visitar Mattis no castelo escalando pelo paredão. Porém, os clãs já eram rivais e um dia o pai de Mattis encontrou Borka, deu-lhe uma surra, e desde então Borka odeia todos do clã de Mattis. Porque Mattis também odeia todos do clã de Borka eu não entendo, mas seu pai e outros membros do clã devem ter martelado isso até que entrasse em sua cabeça. Não sei se os clãs já eram inimigos então, mas é possível que não fossem e essa tenha sido apenas uma questão, digamos, de segurança: o pai de Mattis não podia permitir que alguém de outro clã entrasse em sua base, perambulasse por ela, descobrisse seus pontos fracos e locais onde suas riquezas ficam guardadas. Ainda que não fossem inimigos, não é seguro deixar esse tipo de informação vazar. E ele estava certo! Se Borka nunca tivesse ido lá quando criança, provavelmente o Borka adulto jamais saberia que é possível escalar a montanha e subir até o castelo. Mas ao lidar com isso, o pai de Mattis acabou gerando uma inimizade que já dura décadas e não traz nada de bom para nenhum dos clãs.

Os dois clãs se encaram sobre a Fenda do Inferno

Os dois clãs se encaram sobre a Fenda do Inferno

Já nesse sexto episódio temos certeza que a amizade ou pelo menos a tolerância e a solução pacífica de conflitos teria sido melhor para os clãs desde sempre. Mas os adultos já são adultos, a protagonista é Ronja, uma criança, e portanto cabe a ela corrigir esse problema que vem desde o passado. O problema é que ela ainda está muito longe disso. Ela odeia os Borka tanto quanto seu pai os odeia, e está se sentindo terrivelmente irritada e estressada com o que a ela parece uma invasão de seu próprio espaço. Ainda que ela nunca fosse ao castelo norte, ainda que ela e seu clã não precisassem dele. Eles não precisam nem do que lhes resta de sua própria parte do castelo, o velho Skalle-Per já ficou três dias perdido dentro do castelo, tentando explorá-lo por inteiro! Para acalmar-se, ela vai para a floresta. A sua floresta. Corre e nada e corre mais um pouco. Só que quando finalmente ela havia voltado a ser a Ronja criança feliz que fica pulando e rindo por aí, eis que ela encontra Birk na floresta. Na sua floresta. Agora Ronja está mais uma vez irritada e já não tem mais para onde fugir – terá que encarar esse problema. E vendo como os adultos estão agindo, ela terá que encarar esse problema por conta própria se quiser mesmo resolvê-lo. Não é como se Ronja pudesse matar Birk afinal, e a solução dos adultos é essa. Ela provavelmente nem entende isso ainda.

O clã de Mattis zomba do clã de Borka

O clã de Mattis zomba do clã de Borka

Além do conflito entre os clãs, o que chama atenção nesse episódio é que a Ronja aparentemente ainda não sabe o que é roubar. Se não me engano ela já havia feito uma pergunta sobre o que o pai faz noutro episódio e ele a enrolou de alguma forma, mas agora graças a Borka, que disse estranhar que Mattis, um homem que vive de tomar as coisas dos outros sem pedir, ache errado que Borka tome-lhe um pedaço de seu castelo sem pedir, a questão voltou a se instalar na cabeça de Ronja e com muito mais força. O que seu pai faz, afinal? O que é roubar? O que é certo e errado? Mais uma vez seu pai fracassa em responder e apenas evita a questão, mas acredito que agora Ronja não desistirá até ter uma resposta. Seu pai e todos os membros do clã provavelmente evitaram falar disso com ela como parte da criação mimada que a deram. Birk, por outro lado, eu acredito que tenha consciência do que seja roubar e que esta é a profissão de seu pai. Nada é dito a respeito, mas a postura de Birk quando o pai fala sobre roubar, o orgulho de Borka com o fato de que ele já pode contar com o filho para ajudar o bando (que ficou evidente quando ele contou como o filho ajudou-os a subirem até o castelo), e o simples fato de que ele é um filho homem, ou seja, herdeiro do pai e futuro líder do clã, me fazem acreditar nisso.

O clã de Borka zomba do clã de Mattis

O clã de Borka zomba do clã de Mattis

Vou enumerar então todas as pequenas diferenças entre Ronja e Birk. Ronja parece ter sido bem mais mimada do que Birk, possivelmente por ser uma filha mulher. Birk deve ter mais consciência sobre o que o pai faz, e talvez até uma noção de certo e errado um pouco mais desenvolvida que a de Ronja. Por fim, Ronja se irrita com o clã rival, seguindo o comportamento de seu próprio clã, enquanto Birk parece estar apenas se divertindo o tempo todo. Todas essas diferenças devem nortear a dinâmica do relacionamento entre os dois, e consequentemente o desenrolar do enredo do anime. Sobre os próximos episódios, parece que o inverno está chegando, e isso deve gerar algumas histórias.

Mais imagens:

Discussão