Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

 

 

Sou mesmo uma idiota. Tava toda contente achando que tinha conseguido ficar em dia com meus artigos, abro o último episódio lançado de KamiHaji e percebo que ainda estou um episódio atrasada. É, coisa de idiota mesmo. E preciso corrigir isso imediatamente.


Anime21 Diário

Informe o seu e-mail para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Nos primeiros segundos de episódio já descobrimos que mulheres são proibidas naquela parte da montanha Kurama. Ainda falta o motivo, mas explica a reação de todos os tengus ao verem a Nanami (talvez a de Suirou também). Mas nenhuma foi tão agressiva quanto a de Jirou. Ela consegue se desvencilhar em tempo, deixando o líder dos tengus fascinado, e tromba com Tomoe totalmente apavorada. Ao voltarem e encontarem com Suirou, este fica surpreso mas ainda evita o contato visual com Nanami. Quando ela perde a paciência e o força, ele confirma a minha teoria de que não sabe como agir perto dela por não estar acostumado com mulheres. Ufa, ao menos é algo fácil de contornar, mas me deixa mais cabreira em relação à ausência de fêmeas ali. Mas voltando ao assunto principal, Tomoe fala sobre o momotan e ele ser uma chance de trazer de volta a saúde do Soujoubou. Eu já comentei antes que não creía que o medicamento realmente funcionasse, mas Suirou foi mais além, afirmando que eles talvez sequer conseguissem entregá-lo. Afinal, como entrar no dojo protegido por uma barreira e guardas por todos os lados? Hmmnn…

 

Pobre e tímido Suirou-ani...

Pobre e tímido Suirou-ani…

 

Mas como preocupação pouca é coisa de slice of life, um bando de tengus invade o casebre simplório de Suirou implorando a Kurama que se tome o seu lugar de direito como Soujoubou. O cantor fica surpreso, e mesmo que seja contra a sua intenção inicial, não consegue negar. Sobrou para o irmãozão salvar a sua pele mais uma vez, dando uma desculpa pífia para tirar todos dali e deixá-lo pensar em paz, mas é tarde, a cabeça de Kurama está cheia. Sinceramente não sei o que ele estava esperando. Tudo bem que ele nunca foi muito popular quando ainda era Shinjiroui, mas ainda é uma melhor opção do que Jirou, que expulsa sem dó todos os tengus adultos que ele considera fracos. Essa política pode até aumenta o seu poder bélico e fortalecer o dojo internamente, mas é um dos principais motivos que está causando a crise na vila. Os youkais estão com medo de serem excluídos e tratados como escória, e isso enfraquece a confiança que deve existir entre um povo e seu líder. Ironicamente, a sua solução se encontra em um renegado anteriormente rejeitado por todos. Olha, se Kurama tivesse se tornado uma pessoa amarga ele certamente usaria essa chance como a maior das vinganças. Graças aos céus que ele não seja assim. Aliás, alguém que por trás de uma fachada gótica e sedutora sinta vergonha de pedir ajuda num momento de desespero pode ser caracterizado como tudo, menos perigoso. Que bonitinho.

No núcleo malvado desta nossa novela, Jirou e Yatori voltam a conversar, sendo que na minha opinião o corvo está dando muito pouca atenção ao seu suposto aliado. Afinal, alguém vindo do nada e que consegue atravessar sua barreira sem problemas merecia ser colocado em vigilância constante, mas nãããão, ele está mais preocupado com a sucessão. Deixa estar um golpe de estado, viu? Cê num dura meia temporada nesse seu cargo aí, anote as minhas palavras, ainda mais confuso e cego como está.

Agora, aquela ceninha romântica e marota que todos aguardavam, com o casal protagonista convenientemente alojados no mesmo cômodo. Tomoe, fofo como sempre, trata de previamente afastar os futons e colocar a divisória entre os dois, já que tem pleno conhecimento de que Nanami se mexe à noite e mostra o corpo mais do que seria prudente. Ele fica automaticamente de bom humor ao incomodá-la, mas as táticas de ação maquinadas pelos dois juntamente com Botanmaru e Kurama logo tiram isto dele, idem pra morena que obviamente surgiu com algum plano insano e improvisado. A noite é das mais inquietas, lembrando vagamente a que eles passaram ainda durante o festival, com a diferença de que, desta vez, a raposa foi um pouco mais longe com a sua deusa. Nanami não deveria confiar tanto assim em Tomoe quando está adormecida, já que ele está se controlando cada vez menos. Na próxima, não duvido que tente abrir um pouco o quimono dela. Tá, ela que invadiu as cobertas dele, mas não justifica.

 

Ele é selvagem, minha deusa, nunca esqueça disto.

Ele é selvagem, minha deusa, nunca esqueça disto.

 

Quando o dia amanhece, descobrimos o plano da Nanami. E, apesar de ter sérias chances de fracasso, usar seu talismã para fazer parecer que o novo deus da terra é na verdade Kurama pode funcionar por tempo suficiente para que eles encontrem o antigo líder. Só fico surpresa pelo fato de Tomoe não ter avançado em cima do tengu por tê-lo feito rodopiar como um gato, mas deve ter sido o poder do talismã.Nanami até tentou discretamente questionar Tomoe sobre a noite anterior, mas ele saiu por escanteio rapidinho, se arrependendo logo em seguida.O estranho grupo (com a deusa sabiamente disfarçada como um garoto) recebe permissão para entrar no dojo, sendo que Kurama e seu “servo” Tomoe seguem para receber as honras de Jirou enquanto Nanami e Botanmaru fogem atrás do líder. Só posso torcer para que este plano maluco funcione, apesar de eu estar com a estranha sensação de que Yatori impedirá a cura. Aliás, várias vezes eu me questionei mesmo se o líder ainda estaria vivo, mas como acho que não combina com a proposta do anime, abandonei essa ideia. Força, Nanami!

 

E começou!

E começou!

Comentários