Fecho a minha linha editorial da temporada com Gangsta. Como demorei a decidir vários episódios já se passaram, todos bastante diferentes entre si, com pouca coisa em comum além dos personagens. Ao contrário de Rokka no Yuusha, que comecei semana passada, não é viável eu escrever mais de um artigo porque como eu poderia especular, digamos, em um artigo sobre o segundo ou terceiro episódio, sobre coisas que outros episódios já revelaram, nem que seja em parte? Sem falar que já perdi totalmente o timing.

Mas deixe eu me retificar: há sim uma coisa que une todos esses episódios. Não é exatemente um tema ou um fio de trama ainda que escondido, mas uma sensação. Se preferir, é a personalidade da cidade de Ergastulum, onde a história se passa. Nesse tipo de história é comum que o local adquira características bem definidas, às vezes ao ponto de se tornar um personagem. Não, a cidade não vai se levantar ou conversar com alguém nem nada do tipo, mas ela possui uma dinâmica própria e, a seu modo, interfere na história dos demais personagens, protagonistas inclusos. Em alguns casos, ela determina a história. É o caso de Ergastulum, e seu nome não é por acaso.

Ergastulum é latim, como provavelmente você já adivinhou porque termina em -um, e você sabe que tudo o que termina em -um é latim. A tradução aproximada é “prisão”, ou um pouco mais precisamente, “prisão privada” ou “prisão pequena”. Mas essas são apenas derivações do que realmente eram os ergastula (ei mãe, eu sei fazer plural em latim!): pequenas prisões, geralmente buracos fundos com teto, onde escravos rebeldes ou perigosos eram mantidos acorrentados, frequentemente trabalhando no que quer que pudessem trabalhar nesses espaços e fosse útil para a fazenda à qual pertenciam. Os ergastula eram privados, das próprias fazendas, e não prisões de estado. A coisa era tão ruim, mas tão ruim, que Roma mesmo os proibiu no século 2.

Luta entre dois twilights de alto nível

Luta entre dois twilights de alto nível

A Ergastulum de Gangsta é a cidade onde nossos, hmm, “heróis” vivem, bem como toda sorte de pessoa ainda menos heróica que os protagonistas. Pelo que vi até o quinto episódio, consigo dizer sem erro que a cidade é sim uma prisão, onde todos, das putas aos chefões da máfia, estão acorrentados, forçados a trabalhar em seus papéis, sem chance de fuga. O que diferencia Ergastulum (e é a marca registrada de Gangsta) de outras cidades criminosas em outros animes do gênero é a presença dos twilight, descendentes de soldados que tiveram suas habilidades físicas aumentadas com o uso de uma droga. Esses descendentes também possuem habilidades físicas aumentadas e precisam tomar a droga regularmente. Os twilight são guerreiros super-fortes e, mesmo assim, apenas ferramentas nas mãos de gente mais poderosa. Como seus pais, soldados, foram. No quinto episódio eles são claramente chamados de “escravos” (em flashback), caso tenha ainda qualquer dúvida do quão presos e acorrentados eles estão.

O passado de guerra ainda é vivo

O passado de guerra ainda é vivo

A solução para evitar a escravidão dos twilight, que eram tratados como cidadãos de segunda linha ou como completamente inumanos, foi a adoção do que ficou conhecido como três leis, que são: 1) Não atacar os normais, 2) Obedecer o seu mestre, 3) Defender-se. Perceba como apenas uma dessas leis (a terceira) dá algum direito aos twilight. E ainda por cima é algo que deveria ser normal para qualquer pessoa, mas para os twilight precisa ser explicitamente declarado. As outras duas, na prática, os escravizam (em nome da não escravidão). Isso lança uma luz completamente nova no relacionamento entre os dois personagens principais: Worick e Nicolas.

A mão que tenta alcançar Nicholas é de alguém que tentou fugir?

A mão que tenta alcançar Nicolas é de alguém que tentou fugir?

Worick, quando criança, esteve preso à vida de herdeiro de uma família mafiosa. Tinha uma vida entediante e nenhum amigo verdadeiro. Até que Nicolas surgiu. Ele era um twilight da mesma idade que ele, mas já era um mercenário. Porque era surdo, Worick inicialmente confundiu-se e achou que Nicolas o estivesse desobedecendo propositalmente, o que o fez de alguma forma se interessar pelo twilight, mesmo depois de ter descoberto a verdade. Em algum momento, de uma forma ainda não revelada, os dois mataram toda sua família e fugiram. Livres? Longe disso. Worick se tornou um gigolô e Nicolas continuou sendo um mercenário, apenas para novos mestres. Passaram décadas juntos e hoje pegam trabalhos por conta própria, sem pertencerem à hierarquia de nenhuma gangue da cidade, e para todos os efeitos são amigos. Mas Nicolas é um twilight, ele não pode ser livre, logo Worick é seu mestre: eles estão presos nessa relação. E parece que Worick está preso ao medo de que Nicolas realmente olhe para ele como apenas um mestre, não como um amigo.

Cartazes de procurados de Worick e Nicolas quando recém-chegados à cidade

Eu falei dos chefes das famílias mafiosas, mas até agora só deu para conhecer um pouco a família Monroe. Responsáveis pelo delicado equilíbrio de uma cidade que ainda vive o drama de filhos da guerra que até hoje carregam cicatrizes e deficiências físicas e mentais, os chefões da máfia também não são livres. Eles são apenas escravos da cidade e mestres de seus próprios escravos. Cada vez que um líder de facção inocente ou imprudente tenta forçar os limites de seus grilhões, a cidade fica a um passo de uma crise. Por isso as punições são severas, como visto nos episódios um (quando um chefe de uma pequena gangue tentou invadir o terreno de outra gangue maior e que tinha “direito” à área) e cinco (quando a líder de uma guilda de twilights puniu um twilight que agiu sem consentimento de seu mestre e Nicolas, que abusou na dose do medicamento).

Nicolas sendo punido por exagerar na dose do remédio

E falando no primeiro episódio, falta falar da Alex. Uma prostituta do mencionado chefe de gangue punido no primeiro episódio, ouviu do próprio que jamais poderia escapar dele. Ouviria de outras pessoas que devia ir embora de Ergastulum antes que fosse tarde demais. Ouviu o mesmo em relação à Worick e Nicolas, para quem ela passou a trabalhar. O conselho foi sempre o mesmo: fuja enquanto pode. A ameaça também: você não pode fugir. Sua história ficou mais ou menos em suspenso durante esses episódios, mas o ciclo se fechou no final do quinto episódio, quando ela foi capturada. Alex foi capturada por seu ex-chefe, como ela aparentemente alucinou? Ou será que foi capturada por alguém tentando de alguma forma se vingar da dupla de protagonistas? Não sei porque ela foi sequestrada dessa vez, nem por quem (na verdade acredito fortemente que tenha sido o Dr. Theo). Mas sei que muito antes disso ela já havia sido sequestrada e escravizada por Ergastulum.

Alex aterrorizada conforme alguém se aproxima para buscá-la

Alex aterrorizada conforme alguém se aproxima para buscá-la

Discussão

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.