Estamos recrutando redatores, clique aqui e se candidate, vagas limitadas!

Não imaginei que veria YOI usar de um episódio filler para introduzir o arco final. Bom, quebrei a cara. Não é como se isso fosse ruim, muito pelo contrário, já que o episódio em si é muito bom para o desenvolvimento de Yuri e Victor, tão absolutamente ignorado no arco da copa Russa. Em um ritmo suave, esse episódio faz muito pouco e ao mesmo tempo faz muito, nos mostrando facetas dos personagens principais do último arco que nunca vimos antes (incluindo do próprio Yuri). Sem mais delongas, vamos analisar esse filler básico :v

Curta o anime21 no facebook:

Nesse episódio fizemos uma rara experimentação do Victor como um dos protagonistas, tendo acesso ao que ele pensa sobre todos os competidores e sobre a sua vida ao lado de Yuri. As palavras que permeiam a realidade do gênio da patinação Russa enquanto divaga em seus pensamentos são as mesmas que permeiam por todo o anime: Life (Vida) e Love (Amor).

Yuri on ice é um anime que via de regra deu vasta significância para esses dois parâmetros da realidade. Não é necessário ir muito longe para provar isso. A importância da passagem do tempo para com o contexto da vida (seja no ostracismo ou na inovação da vida dos personagens) é algo que guiou o primeiro arco de Yuri on ice e introduziu o personagem ao mundo que vive. Atualmente, ostracismo não define a vida de Victor, porém, foi em busca de um novo viés para sua vida que o patinador deixou os rinques, e quem sabe não, de um novo amor, afinal, para Victor, que se mantivera na patinação por 20 anos, o tempo perdido nesse esporte que fez a sua vida, não mais voltaria, e nesse ostracismo que, ao invés de indicar um período fora do trabalho, indicou um período fora “da vida normal”. Victor buscava a resposta para o que fazer com sua vida agora.

Se procurava ou não um novo amor, podemos ter certeza que no mínimo Victor o encontrou. Uma pessoa a qual podia dedicar seu tempo sendo técnico, fazendo portanto algo que gostava (a patinação) com uma pessoa que gostava (o Yuri). De um jeito ou de outro, o “amor” em Yuri!!! on ice não se trata somente de algo tão simples como “gostar” de alguém. Cada personagem em YOI tem sua própria visão de mundo e sua nítida percepção sobre o que é amor, seja o Eros selvagem de chris, a Ágape bela de Yurio, o amor Storge adquirido pela convivência de Micky e Sala, a Philia (amizade) de Okabe por Yurio ou até mesmo o amor platônico entre Georgi e sua amada.

Aliás, o que é o amor ? Seria tolo eu tentar encontrar a resposta para essa pergunta em um texto curto como esse, mas acho que é isso que o anime tenta passar, ao mostrar que o discernimento de cada personagem é o que cria sua própria pauta de valores amorosos. YOI como obra busca não achar uma definição sólida para o amor, mas demonstrar sua imensa fluidez e ainda assim tremenda importância. Em um conto que basicamente mostra como cada pessoa pode amar o outro de formas diferentes e ainda assim inegavelmente amá-la e como todas as formas de amor são acessíveis e lindas, Yuri!!! on ice é uma produção que quebra o tabu da homossexualidade de uma das formas mais naturais que vi em muito tempo (não vejo algo assim desde N6, obra que por sinal tenho muito apreço). Independente de sua orientação sexual a pessoa se sente compelida a apreciar as relações que se formam entre os personagens, inclusive conheço gente com certos preconceitos com o gênero shonen aí (aliás, eu mesmo acho que en passant é um gênero fetichista quase tão ruim para causas lgbt quanto o harém é para o feminismo, mas enfim…), que não conseguem negar o quão capaz é essa obra de transmitir seus sentimentos.

Isso tudo nem começa a demostrar como o  Yuri se sente no meio disso tudo. Temendo suas antigas performances ruins e com a sombra da pressão do Grand Prix se aproximando, ele dificilmente pode se acalmar, porém, é em meio disso que Victor decide que precisa interceder e não há nada melhor para isso do que um bom passeio pelas ruas de Barcelona, onde Yuri e Victor basicamente trocam o equivalente a anéis de compromisso, só que na verdade não de compromisso mesmo…porque… sei lá, tensão boba.

O principal da troca dos anéis não é o quanto aquilo totalmente não foi um noivado na frente da fucking Sagrada Família nem nada assim, mas sim a mensagem que Victor quis passar com aquilo: não importava se o Yuri ganhasse ou perdesse, o que realmente importa é que o Yuri faça o seu melhor sem medo de ferir a reputação do Victor, o que importa é que o Yuri faça o que sempre fez, demonstre seus sentimentos e seu amor para todo o público. Yuri deve patinar da forma que ele mais gosta, não só para que o público goste com ele, mas para que ele sinta que fez tudo que podia e que o tempo deles juntos valeu a pena.

  1. Este episódio não tem muito o que se diga foi apenas um episódio onde os personagens passeiam e aproveitam para descansar o corpo e a mente antes do derradeiro final.
    Vou começar pelo Otabek, ele é um personagem que ainda pode vir ou não a dar que falar, ele para mim é um personagem bom, e melhorou mais quando ele pediu ao Yurio para ser seu amigo (se bem que por detrás daquilo, à uma admiração escondida por parte do Otabek pelo Yurio).
    Agora falando do JJ, ele é simplesmente um mito, achei pouco educado quando ele entra naquela cena em que o Victor diz que o Yuri vai ganhar a final e o JJ responde que vai ser ele a alcançar esse feito, e os outros personagens saem todos de lá, eu achei uma atitude feia, eu sei que a realidade às vezes custa, mas agir assim é errado, o JJ é tão boa pessoa.
    Já a parte do protagonista com o Victor a passearem e lá mais para a frente a trocarem as alianças, para mim é mais do mesmo, o estúdio tem medo de quê em admitir que os dois são gays, dá-me raiva quando o estúdio deixa as acções do Yuri e do Victor subentendidas para o espectador e de vez em quando uma cena mais chamativa para atrair as fujoshis, até parece que no Japão não existem casais homossexuais, se o estúdio teve a coragem de dar a entender que os dois se gostam, qual problema de eles assumirem a relação, Japão e os seus tabús. Isso e aquilo das alianças, que não me vou alongar muito que posso ser mal interpretado, mas que aquilo não é normal, para uma relação entre treinador e o patinador, achei uma cena forçada, mas isto sou eu a criticar, se calhar tenho uma mente fechada, mas aquilo para mim foi deprimente e incoerente.
    Só a ending para salvar este episódio, afinal o Yuri não aguenta beber.
    Como sempre mais um excelente artigo de Yuri On Ice Iwan.

Comentários