Ou: Tales of Zestiria the X 2, episódio 10: Sacrifícios. O sacrifício (o auto-sacrifício) me parece um dos temas centrais de Zestiria, sendo o Pastor, seu protagonista, alguém que precisa ser completamente altruísta e purificar o mundo e todas as coisas absorvendo dentro de si toda a Malevolência. Esse é o único meio de vencer. O Pastor precisa se sacrificar para salvar o mundo. A coisa chega mesmo a ganhar contornos religiosos e não deve ser à toa que seu título é Pastor.

Mas ele não é o único a se sacrificar. Também se sacrificam suas escudeiras, que precisam de boa vontade aceitar o dever de proteger o Pastor até a morte – e o destino de morrer junto com ele. Sua forma suprema, a armamentização, é um risco de vida para elas e para os serafins com os quais se fundem. E não são apenas os personagens centrais que aceitam se sacrificar.

Muitos viajaram acompanhando-os até as Terras do Norte bem sabendo o destino terrível que se lhes poderia estar à espreita. Até os vilões se sacrificam!

Lunarre foi o herói anônimo desse episódio. Sem que ninguém visse ou soubesse, a raposa seguiu a tropa de Sorey e chegando no campo de batalha não resistiu a alguma urgência profunda de sua alma e lutou contra os espectros. Foi uma batalha particular, solitária, a qual ele não venceu nem perdeu, pois o poder do Lorde da Calamidade é muito maior do que todos os fantasminhas que ele derrotou e certamente pode prescindir deles sem nem dar pela falta, e os heróis por sua vez estavam ocupados batalhando contra dragões e contra Symonne. Mas ele tinha que lutar, uma voz dentro dele – literalmente em alguns momentos, quando seu timbre mudava completamente – o compeliu a tanto. Talvez fosse sua voz humana, de quando ele ainda não era um infernal. De todo modo, ele não chegou a morrer mas depois de lutar tudo o que podia lutar despencou do céu como uma estrela cadente e lá ficou, se perguntando não qual seria seu destino, mas se o que havia feito tinha sido útil. Nobreza, heroísmo, sacrifício.

Houve até quem se sacrificasse por sua devoção incondicional ao mal! Duvido que a relação entre o Lorde da Calamidade e Symonne venha a ser explicada faltando tão pouco para o anime acabar e com a luta apenas no começo, mas não duvido da capacidade que o Ufotable teria de interromper o ritmo da história para fazer isso. Não que não possa ser possível contar essa história de alguma forma fluída, mas qual é, já desperdiçaram esse episódio inteiro com a serafim caída sendo críptica e deixando de dar qualquer pista de sua história em todas as chances que teve, então me reservo o direito de ser cético quanto a isso. Acho que nem vão tentar explicar nada, mas se tentarem, será de uma das piores maneiras possíveis.

Symonne mergulha no abismo de Malevolência

De todo modo, retornando ao caso, não posso dizer que reprimo a personagem em si pelo seu sacrifício, foi uma boa cena isoladamente, apenas diminuiu a potência do caráter messiânico do tema, já que o auto-sacrifício deveria ser uma característica inerentemente boa para funcionar direito para esse efeito. Ora, se ambos se sacrificam, o que os diferencia? Se ambos são altruístas, ainda que em nome de causas completamente distintas, o que me diz onde está o Bem e onde está o Mal? Eu sei que Zestiria apresenta muitas outras evidências de quem age em nome do bom, do belo e do justo, só estou argumentando como o auto-sacrifício era uma dessas evidências mas agora ela queda turva após a corrupção de Symonne.

Rose fundida com Dezel, o Serafim do Vento

E que bom foi finalmente ver Rose e Alisha fundidas com Dezel e Edna, respectivamente, e lutando contra dragões, não menos! As duas formas ficaram muito bonitas e eu teria dificuldade em dizer qual prefiro, mas a forma armamentizada da Alisha é mais criativa, suponho? Bom, acho que é a mesma que o Sorey já havia exibido quando ele se fundiu com a Edna, ou não? Estou com preguiça de verificar na minha biblioteca de capturas de tela agora. Isso é coisa da primeira temporada ainda. Mas elas ainda estão bem fraquinhas, a Alisha teve sua forma rompida por um ataque de Symonne e a Rose nem disso precisou, desmanchou-se por exaustão mesmo.

Alisha fundida com Edna, a Serafim da Terra

Enfrentar o Lorde da Calamidade vai ser um bocado difícil, a não ser que ele também estranhamente pretenda se sacrificar – e algumas coisas foram ditas que permitem essa interpretação. Talvez seja algo confuso como, digamos, ele e a Malevolência sempre existiram e ele está aguardando por todo esse tempo pelo surgimento de um Pastor poderoso o suficiente para por um fim em sua vida miserável – e por consequência, em toda a Malevolência do mundo. Tendo enxergado esse potencial em Sorey ele então decidiu sugar toda a Malevolência para que ela seja expurgada de uma vez só com sua derrota. Talvez ele até mesmo seja, na verdade, ela: Velvet, do Berseria. Acho que a forma de leão combina com alguém forte e orgulhosa como ela. Legal o meu chute? Deve estar errado, vai saber. Se conhecer o jogo me diga aí quão longe da realidade eu estou (sem spoiler por favor, só quero saber quanto eu errei).

Pronto para a batalha final?

  1. Este episódio de Tales foi muito bom, melhor do que eu esperava. Não podia estar mais de acordo, com o titulo escolhido e o titulo opcional, ambos descrevem com precisão o que se passou neste episódio.
    Nunca pensei a vir dizer isto, mas aquele demónio meio raposa, Lunarre não era tão mau como eu imaginava. Ele neste episódio, por pouco parecia que queria protagonizar um momento heróico mesmo que sozinho. Ele gosta do caos, mas não é tão influenciável como a Symmone ao ponto de se aliar ao senhor da calamidade. E isso notou-se quando Lunarre, parte para cima dos fantasmas feitos de malevolência e malevolência em geral, ele parecia que estava a defender os seus ideais. Foi uma luta solitária, como tu bem referiste, ele provavelmente morreu a combater os espectros e aquelas nuvens de malevolência. Já os heróis, como foi lindo ver a Rose fundida com o Dezel, aqueles detalhes todos, deixou a personagem ainda mais bonita. Mas tenho que concordar contigo, a Alisha parece que foi mais trabalhada, na parte da transformação, a Edna tem um poder bem interessante. E sim, meu caro Fábio, o Sorey chegou a usar a Edna numa das suas transformações na primeira temporada e uma na segunda, naquela naquele episódio do assassinato do Konan. Depois de ver a Rose e a Alisha fundidas com os seus respectivos serafins, o Sorey podia sair de cena, a transformação dele é bonita, mas as transformações da Rose e da Alisha são mais bonitas.
    A Symmone era muito mais fraca, do que eu pensava, aquilo que ela sentia pelo seu mestre, não era admiração e respeito, já era obsessão. No final ele deixou ser corrompida pela malevolência, para no final se transformar num mero dragão de olhos cor púrpura. E essa tua teoria, de o senhor da Calamidade ser a Velvet, não é desfasada de todo, ela foi a origem da malevolência, ela pode ser o catalisador do actual senhor da calamidade, mesmo não tendo o formato de um corpo de mulher.
    Como sempre, mais um excelente artigo, de Tales Fábio.

    • Fábio "Mexicano" Godoy

      Continuando o que comecei ontem (tentarei responder uma semana de comentários por dia, hehe):

      Os infernais um dia foram criaturas normais que eventualmente foram corrompidos pela Malevolência. Não é necessário ser mal desde o começo para se corromper – no caso de animais por exemplo, nem faz sentido falar em maldade, e até onde pude ver não me parece haver serafim maligno, mas nisso posso estar enganado. Já humanos, esses sim podem ser bons, maus, ou estar em qualquer ponto no meio dessa escala infinita e enorme. Com mais frequência ainda não se mantém em uma posição fixa mas estão sempre mudando. Essa é a natureza humana. Quem era Lunarre antes de ser Lunarre? O anime não entrou em sua história mas não duvido que ele tenha sido um dia uma boa pessoa, com ideais elevados. E em vários momentos – inclusive na luta final contra o próprio Lorde da Calamidade – fica claro que mesmo corrompidos eles ainda preservam algo de si, que podem aflorar eventualmente. Foi o que aconteceu com Lunarre. Corrompido sim, mas morreu defendendo ideais e vidas humanas.

      E realmente, quem precisa de Sorey quando temos Rose e Alisha transformadas, né? Hahaha! Nem a forma final dele é tão bonita quanto as delas =)

      • O Sorey está lá a mais, as transformações de, são bem bonitas e tal, mas se comparado às transformações da Rose e da Alisha ele não tem hipótese.

Discussão